Prova de gramática de colégio adventista indaga: 'Homossexualismo tem perdão?'

Direção do colégio não
conseguiu dar uma justificativa
 aceitável sobre o viés homofóbico
em uma prova de português

Colégio Adventista de Correios, em Belém (Pará), submeteu os estudantes do 9º ano do ensino fundamental a uma prova de gramática de português com perguntas homofóbicas, como "homossexualismo tem perdão?", "como evitar o homossexualismo?" e "a Bíblia condena a relação homossexual?"

A escola confirmou o teor das perguntas, mas não deu uma explicação plausível sobre o viés discriminatório delas, nem por que essas questões foram apresentadas em uma prova de português.

Os alunos fizeram a prova em casa, com a recomendação de consultar o livro "De Bem Com Você", de Sueli Nunes Ferreira e Marcos de Benedicto.

O livro prega que a "homossexualismo" é um "desvio de comportamento" que ocorre na infância.

O termo correto teria de ser "homossexualidade", porque palavras terminadas como o sufixo "ismo" geralmente tem conotação de uma patologia.

O caso teve grande repercussão nas redes sociais porque Herisson Lopes, 26, irmão de uma aluna do colégio, não se conformou com as questões da prova e a divulgou no Instagram.

Lopes cobrou uma explicação do colégio e, segundo ele, a desculpa que a direção é que o livro recomendado para resolver a prova é "paradidático".

O Colégio Adventista disse que nota que "as questões contidas no questionário tinham como objetivo colher as diversas opiniões e sentimentos sobre a temática em estudo e davam a cada estudante a oportunidade de expressar livremente sua opinião".

Acrescentou que "um livro serviu como auxílio na tarefa, o que ocorre em várias disciplinas" e que "acima de tudo, respeita todos os indivíduos sem qualquer tipo de discriminação sexual, racial, religiosa, ou de outra natureza".

Não explicou, por exemplo, qual seria a resposta certa para "homossexualismo tem perdão?"

O assunto esteve entre os mais comentados no Twitter no dia 19 de novembro de 2019.

Há ali centenas de comentários, na maioria contra o colégio.






Professor de geografia de colégio adventista ensina o criacionismo

Estudante expulsa acusa escola adventista de homofobia

Escola adventista é condenada por demitir divorciada

Bolsonaro aprova lei que permite que adventistas faltem em dia de prova




Comentários

  1. É pelo jeito já acharam outro colégio adventista para atormentar um pouco. Já pegaram no pé demais daquele colégio adventista de Telêmaco Borba em que o prof. de geografia ensina o criacionismo. Qual será o próximo?

    ResponderExcluir
  2. Estudei em uma escola dessas e o professor de religião dizia que masturbação causava pelos nas mãos e impotência sexual, não sei como o governo permite essa rede de ensino totalmente alienadora.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

EDITOR DESTE SITE



Paulo Lopes é jornalista profissional diplomado.
Trabalhou no jornal centenário abolicionista
Diário Popular, Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras publicações.