Entram em vigor na Irlanda do Norte a legalização do aborto e casamento gay

Reivindicação do movimento
 da descriminação do aborto
 foi atendida em decorrência de
 uma decisão do Reino Unido


por Deutsche Welle

Uma alteração na legislação da Irlanda do Norte que descriminaliza o aborto e legaliza o casamento entre pessoas do mesmo sexo entrou em vigor em 22 de outubro de 2019 no país, apesar dos esforços contrários de líderes da Igreja e de deputados da Assembleia regional norte-irlandesa.

Devido a um escândalo político-financeiro, a Irlanda do Norte está sem um Executivo local desde 2017. Com a paralisação de mais de dois anos, o governo britânico restabeleceu no início deste ano seus poderes de legislar sobre os temas cotidianos da Irlanda do Norte a partir de Londres.

Por conta do impasse político em Belfast, parlamentares britânicos aprovaram em julho emendas para estender ao território o direito ao aborto e ao casamento homossexual se não fosse formado um novo governo até 21 de outubro.

Como isso não aconteceu, as alterações legislativas entraram em vigor nas primeiras horas da data. 

A proposta da deputada trabalhista Stella Creasy para estender o acesso ao aborto — permitido no Reino Unido — à Irlanda do Norte foi aprovada por 383 votos contra 73. Os votos contrários vieram sobretudo de deputados do Partido Conservador e Partido Unionista Democrático (DUP).

Apesar de a República da Irlanda ter aprovado a legalização do aborto em 2018, na Irlanda do Norte prevalecia uma lei do século 19 que considerava crime o ato de procurar fazer ou dar assistência a um aborto, que só era autorizado em certos casos.

Pouco antes, os deputados britânicos já haviam aprovado, com os mesmos 383 votos a favor e 73 contra, a legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo.

A República da Irlanda, membro da União Europeia (UE), permite o casamento entre pessoas do mesmo sexo desde um referendo em 2015, enquanto o governo do Reino Unido legalizou o aborto em 1967 e o casamento homossexual em 2014.

Parto do Reino Unido, a Irlanda do Norte tem autonomia legislativa, mas está sem governo desde as eleições de 2017 devido à falta de entendimento entre o conservador DUP e o nacionalista Sinn Féin para formar uma coligação, obrigatória nos termos do processo de paz para o território.

O DUP e o Sinn Féin dividiram o poder na Irlanda do Norte na maior parte dos anos após o Acordo de Belfast, ou Acordo da Sexta-Feira Santa, de 1998, que sustenta o processo de paz na Irlanda do Norte.

No mundo

As leis de aborto variam na Europa e no mundo. Alguns países possuem proibições diretas, enquanto outros mantêm leis altamente restritivas. Malta é o único país-membro da União Europeia que proíbe totalmente o aborto, com penas de prisão que variam entre 18 meses e três anos.

O aborto também é proibido em Andorra, no Vaticano e em San Marino, que estão localizados na Europa, mas não fazem parte do bloco comunitário.

Mundialmente, os países com proibição total do aborto são República do Congo, República Democrática do Congo, República Dominicana, El Salvador, Gabão, Guiné-Bissau, Haiti, Honduras, Laos, Madagascar, Mauritânia, Nicarágua, Filipinas, Palau, Senegal e Suriname.

Muitos países permitem o aborto em casos em que a vida da mãe está considerada em perigo. No Brasil, a lei só permite abortos em casos de estupro, risco à vida da mãe ou se o feto estiver com falta de parte ou de todo o cérebro.

Deutsche Welle é a emissora da Alemanha que produz jornalismo em 30 idiomas.



Irlandês obrigado a orar alega violação dos direitos humanos

Irlanda foi uma teocracia que tratou mulheres como escórias

Irlanda regasta a história da vergonha das lavanderias católicas

Padres abusaram de 12 mil jovens na Irlanda em seis décadas, diz relatório




Comentários

Anônimo disse…
Muito bom, interrupção da gravidez é um direito exclusivamente da mulher.
Anônimo disse…
Muito bom, vamos garantir que Planeta não chegue a 10 bilhões de habitantes!!!.