Grupo denuncia Aras ao Conselho do MP por ele assumir compromisso com evangélicos

Aras assinou documento se
submetendo ao conservadorismo
evangélico, inclusive em questões
que afrontam a Constituição

O Nuances  (Grupo Pela Livre Expressão Sexual) ingressou com uma denúncia ao Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) contra o novo Procurador Geral da República, Antônio Aras (foto), que em setembro de 2019, quando era candidato ao cargo,  assinou o termo “Compromisso Evangélico”, da Associação Nacional de Juristas Evangélicos.

Em nota, o Nuances afirma que, ao assinar a carta, Aras comprometeu-se “com os princípios alinhados no referido documento, adotando conduta absolutamente conflitante com o seu dever funcional e violando Constituição Federal e as leis”.

Segundo o grupo, o termo “Compromisso Evangélico” apresenta um retrocesso no conceito de família e está em desacordo com vários pontos da Constituição, como o Artigo 3°, o Artigo 5º, o Artigo e 7°, que asseguram a liberdade e a igualdade e vetam condutas preconceituosas e desiguais.

“Por essas razões, a uma Instituição da República como é o Ministério Público, ainda mais por meio de seu representante maior, o Procurador Geral da República, é vetado vincular-se a estes ou aqueles valores religiosos, sob pena de ataque frontal à ordem constitucional vigente."

Tal entendimento, emerge igualmente do disposto no artigo 3º, do Código de Ética e de Conduta do Ministério Público da União”, afirma o Nuances.

O Grupo também chama a atenção para a laicidade do estado brasileiro e que a liberdade religiosa, assim como a proteção e respeito às manifestações de crenças religiosas, está prevista na Constituição Federal Brasileira.

Para o Nuances, a associação de instituições do Estado com correntes religiosas “compromete a defesa do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis”.

“Para haver democracia deve se garantir a pluralidade não só de crenças como de ritos, valores que se mostram lesados e mesmo violados quando se encapsula a sociedade e o Estado em apenas uma corrente valorativa de concepção religiosa”, diz a nota.

Com informação do Nuances e do site Sul 21, com foto da Agência Brasil.



Evangélicos de escola de música de universidade do Rio se recusam a cantar Villa-Lobos

Brasil é refém da paralisia mental do dogmatismo evangélico, diz Delfim Netto

Evangélicos vão engolir o Brasil em poucos anos, afirma Pondé

Políticos adotam pregação de pastores, e Estado laico tende a desaparecer




Comentários

Anônimo disse…
A politicagem desse grupo de juristas é pra acabar, fizerem até o procurador assinar que era a favor da cura gay, kkkkkkkkkkkkk, isso deve ter sido requisito do Bozo pra ele ser aceito no cargo.