Pular para o conteúdo principal

Ateus querem que autoridades devolvam dinheiro gasto para ver canonização de santa

Comitiva oficial brasileira ao
Vaticano foi chefiada pelo
vice-presidente Mourão

A Atea (Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos) protocolou no dia 22 de outubro de 2019 uma ação cível pública para que as autoridades que estiveram na canonização da Irmã Dulce devolvam aos cofres públicos o dinheiro gasto com a viagem ao Vaticano.

Chefiada pelo vice-presidente Hamilton Mourão, a delegação oficial usou aviões da FAB. A cerimônia religiosa ocorreu no dia 13 de outubro.

Entre cerca de 20 parlamentares, fizeram parte da delegação Davi Alcolumbre (DEM-SP), presidente do Senado, e Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara.

Com exceção de Alcolumbre, que prometeu que não resgataria a verba que parlamentares têm direito quando viajam ao Exterior em missão oficial, os integrantes da comitiva receberam diária cujo valor não foi informação. Ainda assim o presidente do Senado viajou de FAB.

Chateado com a oposição que a Igreja Católica tem feito ao seu governo, o presidente Bolsonaro não foi ao Vaticano, mas Mourão foi como seu representante.

O STF (Supremo Tribunal Federal), instituição essencial para o cumprimento da Constituição, também mandou um represante, Dias Toffoli, o seu presidente.

O advogado Thales Bouchaton, da Atea, pediu à Justiça Federal da 1ª Região que os parlamentares sejam obrigados a informar o valor que gastaram, devolvendo-o aos cofres da União.

A Constituição impede que qualquer instância do Estado brasileiro se envolva direta ou indiretamente com crenças religiosas e impede qualquer tipo de gasto com esse tipo de atividades.

"Ao subvencionar a viagem de autoridades brasileiras para uma cerimônia de caráter estritamente religioso, o Estado brasileiro e seus representantes ofendem a laicidade do Estado e, consequentemente, o patrimônio público e os interesses difusos da coletividade", diz na ação cível o representante dos ateus.

A Atea argumentou que no caso, para piorar, as autoridades públicas favoreceram a Igreja Católica, embora haja no Brasil uma grande diversidade religiosa.

A Associação de Ateus quer que o governo não mais patrocine esse tipo trem da alegria, sob pena de multa diária de R$ 50 mil por autoridade subvencionada, caso se repita o afrontamento à laicidade de Estado.

Espera, também, que o Ministério Público Federal exerça a sua finalidade de fiscalização o cumprimento à lei.
Com informação da Atea e da Folha de S.Paulo, com foto da Agência Brasil




Políticos deveriam pagar com o próprio dinheiro para ver canonização de Irmã Dulce, diz cardeal

Masoquismo fez irmã Dulce dormir 30 anos em cadeira

Pedrinha da beatificação de Irmã Dulce custa R$ 35,00

Príncipe brasileiro defende estado laico e diz que conversão de indígenas é crime



Comentários

  1. Parabéns a ATEA, chega de farra com o dinheiro público, Estado Laico Já....

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Posts mais acessados na semana

Dona Religião é casada com sr. Atraso e têm vários filhos

Bolsonaro fica irritado com aprovação da CoronaVac que vai salvar vidas

Aprovação da CoronaVac significa duro golpe no bolsonarismo

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Bolsonaro compra a novela 'Os dez mandamentos' da Record para a TV Brasil