Arautos do Evangelho não aceitam intervenção do papa Francisco

Grupo ultraconservador
 afronta a autoridade do papa
  alegando que houve 'ilegalidades
canônicas' na intervenção

por ACI Prensa

A Associação Privada de Fiéis de Direito Pontifício Arautos do Evangelho expressou em 19 de outubro de 2019 que eles não reconhecem como o Pontifício Comissário da sua instituição, o cardeal Raymundo Damasceno Assis, nomeado pelo papa Francisco, devido aos "erros de base", que "geraram ilegalidades canônicas sérias e causaram sua invalidez".

Duas outras sociedades de vida apostólica ligadas aos Arautos do Evangelho salientaram que embora seja comissariáveis, denunciaram uma alegada ilegalidade do decreto.

Em comunicado divulgado naquele dia, os Arautos do Evangelho emitiram uma mensagem proferida por seu presidente, Felipe Eugenio Lecaros Concha, em uma reunião realizada dois dias antes com o cardeal Damasceno Assis e dom José Aparecido Gonçalves, bispo auxiliar de Brasília.

Nesta mensagem, Lecaros concha observou que "nós os veneramos como bispos da Igreja de nosso Senhor Jesus Cristo e, como tal, somos o sujeito de nossa consideração. Mas devemos declarar que não reconhecemos a Vossa Eminência como 'Comissário' da Associação Privada dos Fiéis Arauto do Evangelho, dos quais sou legitimamente eleito Presidente. "

"Em primeiro lugar, porque o decreto que foi lido aqui é dirigido a uma "Associação Pública de Fiéis", e os Arautos do Evangelho são uma "associação privada de fiéis". Por sua natureza, estes são essencialmente diferentes, Vossa Eminência", disse ele.

"É como se um oficial de Justiça aparecesse na casa de 'Antonio López' com uma notificação para 'Pedro Rodríguez'. O sr. López não deve receber tal aviso judicial, porque há um erro de pessoa. Da mesma forma, os Arautos do Evangelho não podem receber um decreto que é dirigido a outra associação ", acrescentou.

Como segundo ponto, o Presidente da Associação Privada de Direito Pontifício Arautos do Evangelho afirmou que, uma vez que esta é "uma" associação privada dos fiéis", não é passivo de um curador, como definido pelos limites do direito canônico, com base no direito natural. O Comissário de uma associação privada viola o direito sagrado e inviolável que os fiéis têm de associar na igreja, com os seus próprios estatutos e as suas próprias autoridades. "

"Portanto, se o Dicastério para os leigos, a família e a vida, um organismo em que dependemos diretamente, não tomar nenhuma ação, terminaremos", disse Lecaros Concha naquela reunião.

O Vaticano anunciou a nomeação do Comissário Pontificius em 28 de setembro de 2019, tendo estudado a documentação da visita apostólica iniciada em 23 de junho de 2017.

Segundo a Santa Sé, encontraram-se algumas deficiências "no estilo do governo, na vida dos membros do Conselho, na pastoral vocacional, na formação de novas vocações, na administração, na gestão das obras e na gestão dos recursos".

De acordo com o comunicado, o encontro entre o Presidente da Associação Privada de Fiéis Arautos do Evangelho, seu conselho-geral, o cardeal Damasceno Assis e o arcebispo José Aparecido Gonçalves "passou em um clima de profunda transparência e sinceridade, que são os alicerces da comunhão eclesial".

"Finalmente, no encontro com os prelados, foi o linchamento moral, cheio de preconceitos antirreligiosos, dos quais a Associação dos Arautos do Evangelho tem sido vítima por certos meios de comunicação visceralmente seduzidos pela tentativa deste curador. Tal campanha causou danos morais irreparáveis, e seus líderes terão que responder administrativamente e legalmente no devido caminho", indicaram os Arautos do Evangelho.

A nomeação do Pontifício Comissário pelo papa Francisco dirige-se também a duas sociedades de vida apostólica ligadas aos Arautos do Evangelho e que partilham o seu carisma: a sociedade de vida apostólica clerical virgem Flos Carmeli e a sociedade de Vida apostólica feminina Regina Viginum.

Ambas as sociedades de vida apostólica reconheceram em comunicado que eles são commissable, ao contrário dos Arautos do Evangelho, mas garantiu que o decreto do Vaticano "é ilegal porque contradiz as normas expressas do direito canônico, além de conter irregularidades graves. "

Eles ainda expressaram sua estranheza sobre os alegados vazamentos de material reservado das investigações realizadas pela Santa Sé, e criticaram a liberação do Comissário sendo comunicado à imprensa internacional "em uma maneira prematura e prematura" pela Vaticano, antes das instituições eclesiais afetadas serem notificadas.




Mães acusam Arautos do Evangelho de submeterem seus filhos à violência física e mental

Vaticano investiga devoção secreta à mãe de Plinio Corrêa

Arautos pedem remoção do vídeo 'Conversa com Satã'

Entidade católica teria feito pacto satânico para papa morrer




Comentários

CARLOS disse…
A desobediência não vem de Deus