Ameaças a Felipe Neto crescem após sua reação a líderes evangélicos

Youtuber disse que
teve de mandar sua mãe
 para o Exterior

Felipe Neto tem sofrido ameaça de bolsonaristas desde o início do governo, mas o tom subiu em momento que coincide com as críticas do youtuber a líderes evangélicos e com a maior adesão desses religiosos à base de apoio ao presidente Bolsonaro.

Nesta segunda-feira, 16 de setembro de 2019, Neto confirmou que sofre ameaças de todo o tipo, incluindo de morte, que está se expondo menos em público e que mandou sua mãe para o Exterior.

Recentemente,  ele reagiu ao prefeito do Rio, o pastor da Universal Marcelo Crivella, ao comprar da Bienal 14 mil livros com a temática LGBT para distribuição gratuita.

Crivella chegou a ameaçar a cassar a licença de funcionamento da Bienal por causa de uma HQ que mostra um beijo entre dois personagens masculinos.

Antes, Felipe Neto já tinha revelado que está sendo processado criminalmente por Silas Malafaia por ele se opor ao “esquema de boicote [do pastor] às empresas que apoiam causas LGBT”.

O processo corre desde 2017 e em 2019 houve uma tentativa de conciliação na Justiça, quando o youtuber com 33 milhões de seguidores disse que não retiraria nada do que tinha colocado no ar sobre o pastor.

“Deixei claro que ele [Malafaia] poderia me processar 800 vezes, e eu jamais iria me permitir silenciar, e que não aceitava o acordo, ele ficou uma fera. Claramente não esperava por isso. Ele achava que estava lidando com um menino do Youtube. Saiu de lá sabendo onde tinha se metido”, escreveu no início de agosto de 2019.

No mesmo mês, a Central Gospel, de Malafaia e da pastora Elizete, sua mulher, entrou com pedido de recuperação judicial com uma dívida de R$ 15,6 milhões.

Felipe Neto já cutucou o deputado Marco Feliciano (Podemos-SP), que é o pastor mais próximo de Jair Bolsonaro.

Nesta segunda, por intermédio de sua assessoria de imprensa, Felipe Neto disse que vai continuar “enfrentando o obscurantismo”. 

Com informação das redes sociais.



Fundamentalismo religioso de Bolsonaro é pior que o da Idade Média, diz Roberto Freire

Benção de Edir Macedo confirma que Bolsonaro é um presidente 'terrivelmente evangélico'

Em oito meses de governo, Bolsonaro teve 38 encontros com evangélicos

Justiça suspende passaporte diplomático que Bolsonaro concedeu a Valdomiro





Comentários

Novo Satanás disse…
A Constituição exige obediência ao Estado Laico e a Bíblia exige obediência a Deus. Quem castigará quem pela desobediência?