Arabia Saudita autoriza mulher a viajar sem permissão de homem

As sauditas agora
 independem dos
maridos para matricular
 filhos na escola


por Deutsche Welle 

A Arábia Saudita anunciou em 2 de agosto de 2019 a promulgação de diversos decretos ampliando os direitos femininos. 

Agora, toda cidadã ou cidadão maior de 21 anos passa a poder solicitar passaporte e viajar livremente, afrouxando parcialmente o sistema de guarda que atribui aos homens o controle permanente sobre suas esposas, filhas e irmãs.

As sauditas estarão também aptas a registrar matrimônio, divórcio ou nascimento de filhos, assim como a receber documentos familiares oficiais — passo importante na obtenção de carteira de identidade e na matrícula dos filhos na escola. 

Além disso, tanto o pai como a mãe poderão ser tutores legais das crianças.

Há muito criticada, a lei saudita encara a mulher como legalmente incapaz — como uma eterna menor de idade —, dependendo da "boa vontade" e caprichos dos familiares masculinos para determinar o curso de sua vida. 

O guardião em geral é o pai, marido, irmão e, em alguns casos, o próprio filho.

Mantêm-se as normas que exigem consentimento masculino para uma mulher deixar a prisão, abandonar um abrigo contra violência doméstica ou se casar. 

As sauditas tampouco podem passar a nacionalidade para os filhos ou dar consentimento para que eles se casem.

Casos de mulheres sauditas fugindo de abuso doméstico e do sistema de guarda masculina têm atraído atenção internacional e feito manchetes negativas — como o de Rahaf al-Qunun, de 18 anos, que acabou obtendo refúgio no Canadá.

Para deixar o país, algumas cidadãs tinham que hackear o telefone de seus pais e mudar as configurações de um aplicativo do governo, concedendo permissão de viajar para si mesmas. 

Num extenso estudo sobre a guarda masculina saudita, em 2016 a ONG Human Rights Watch criticou as leis como um "sistema convidando ao abuso".

As novas normas foram aprovadas pelo rei Salman e seu gabinete, porém muitos as celebram nas redes sociais como mais uma iniciativa de Mohammad bin Salman. O príncipe herdeiro de 33 anos é responsável por diversas medidas de liberalização em Riad, ampliando os direitos das sauditas — como o de conduzir automóveis — e visando integrá-las à força de trabalho.

Deutsche Welle é a emissora da Alemanha que produz jornalismo em 30 idiomas.




Arabia Saudita decapita mulher acusada de praticar bruxaria

Arábia Saudita prende mulher por abraçar cantor em palco

Bater na mulher faz parte do bom casamento, diz saudita

Mulher que dirige carro danifica ovários, diz religioso saudita


Comentários

Ospti disse…
Boa notícia, mas... será que o islã já está na baixa idade média? kkkk