Justiça suspende prisão domiciliar de Abdelmassih por suspeita de fraude

Momento em que a Polícia Civil
 pegou o ex-médico em seu
 apartamento em São Paulo

O ex-médico Roger Abdelmassih vai ter de voltar para o presídio porque a Justiça de São Paulo suspendeu a prisão domiciliar por suspeita de fraude nas declarações das condições de sua saúde.

A Polícia Civil prendeu hoje, 13 de agosto de 2019, às 16h40, Abdelmassih em seu apartamento em São Paulo e o levou para o presídio de Tremembé.

Abdelmassih, 75, cumpre prisão domiciliar desde 2017. Ele foi condenado a 181 anos de prisão por 48 estupros em 37 pacientes em sua clínica de reprodução assistida.

A fraude em exames médicos do condenado foi denunciada pelo livro ‘Diário de Tremembé', escrito por Acir Filó, o ex-prefeito de Ferraz de Vasconcelos, que também é detento da P2 de Tremembé.

O livro conta detalhes sobre o dia a dia na prisão e contém entrevistas com detentos de casos famosos no Brasil, como Alexandre Nardoni, preso na mesma unidade.

A obra de Acir Filó contém uma entrevista com o detento Carlos Sussumu, que trabalha como médico na prisão, em troca da redução na pena e assumiu que a prisão domiciliar do ex-médico seria uma fraude.

"Os problemas de saúde e a prisão domiciliar de Roger Abdelmassih foram uma fraude", diz um trecho publicado no livro.

Com informação do G1, Globo News, Correio Braziliense e de outras fontes.



Caso Roger Abdelmassih

Abdelmassih inseminava pacientes com seu sêmen

Polícia do Paraguai prende o médico estuprador

Mulher de Abdelmassih se exonera do Ministério Público




Comentários

Postar um comentário


EDITOR DESTE SITE

Paulo Lopes é jornalista profissional
diplomado. Trabalhou no jornal centenário
Diario Popular, Folha de S.Paulo,
revistas da Editora Abril e em
outras publicações.