Condenada por intolerância, Record News tem de exibir programas de religião de origem africana

A Record News começou a exibir, como direito coletivo de resposta, quatro programas, de 20 minutos cada um deles, produzidos por representantes de religiões de origem africana.

Em abril de 2018, o Tribunal Regional Federal da 3ª Região de São Paulo condenou a emissora por divulgar intolerância religiosa em programas da Igreja Universal do Reino de Deus.

O dono da emissora é o bispo Edir Macedo, líder da Universal.

Em 2003, houve uma manifestação de seguidores de religiões afro-brasileiras contra as mensagens de preconceito e ódio de Record.

A partir daí, ocorreu uma mobilização pelo direito de resposta, cuja ação ficou em tramitação 15 anos na primeira instância e dois no tribunal de apelação.

Por final, houve um acordo proposto pelo Ministério Público entre os religiosos e a Rede Record, para a exibição dos programas.

O primeiro programa [ver abaixo] foi exibido às 2h30 de 10 de julho de 2019. Nele, o advogado Hélio Silva Jr. e sacerdotes contam como foi a luta contra a intolerância da emissora e da Universal.

Os outros três programas serão exibidos nos dias 16, 23 e 30 de julho de 2019, com reprises em agosto e setembro.

A exibição ocorre de madrugada porque foi neste horário em que as religiões de origem africanas foram demonizadas pela Universal.

Os programas ficarão disponíveis no Youtube.







Igreja Universal é condenada por intolerância religiosa

Pastor Lucinho deu exemplo de intolerância com o candomblé

Polícia Federal indicia Malafaia por lavagem de dinheiro

291.806 estudantes tiram zero na redação sobre intolerância religiosa



Receba por e-mail aviso de novo post

Comentários