Advogado alerta que sem escrituração não dá para vigiar limites de isenções às igrejas

O advogado Alexandre Ogusuku (foto), especialista em Direito Tributário, alterou que, se o presidente Jair Bolsonaro abolir a Escrituração Contábil Digigal e Declaração de Débitos e Crédidos Tributários Federais das igrejas, o Fisco não terá com vigiar se os limites de insenções estão sendo cumpridos.

Essa medida é uma das reivindicações de líderes evangélicos e ela será anunciada nos próximos dois meses, com outras que vão afrouxar a legislação tributária para as igrejas.


Ogusuku teme que
 as contas das
igrejas fiquem sem
 nenhum controle
 
“É por meio das obrigações acessórias que o Fisco pode verificar corretamente os limites das imunidades e isenções (de igrejas)”, disse o especialista, que integra o Conselho Federal da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil).

“As entidades imunes ou isentas devem se submeter a isso, sob risco de que o Fisco perca o controle dos limites da imunidade e das isenções.”

Sem esse controle, igrejas poderão ser usados como lavanderias de dinheiro sujo.

O advogado Hugo Cysneiros, assessor da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), discorda dos líderes evangélicos porque, para ele, as igrejas têm de se submeter a procedimentos contábeis.

Com informações de “O Globo”.





Quanto dos R$ 17 bilhões das igrejas vem de lavagem de dinheiro?

MP suspeita que Universal usa jatinhos para tirar do país dinheiro do dízimo

Polícia Federal indicia Malafaia por lavagem de dinheiro

Universal comprou imóveis com dinheiro do dízimo, revela Coaf



Receba por e-mail aviso de novo post

Comentários

Emerson Santos disse…
O negocio eh lavar dinheiro do tráfico !!! Afinal pra que essas pequenas igrejas das favelas servem ? oops ... favela não .. comunidade !!!