Afrouxamento fiscal facilita uso de igrejas para lavagem de dinheiro

Pacote pró-igrejas cria
 condições para haver centrais
de lavagem de dinheiro
do tráfico e da corrupção

Sob forte pressão de lideranças evangélicas, o presidente Bolsonaro determinou ao ministro Paulo Guedes (Economia) que em dois meses anuncie um pacote tributário para afrouxar as obrigações fiscais de igrejas.

As medidas vão cancelar dívidas — só a Internacional da Graça deve R$ 111,1 milhões — e desburocratizar procedimentos, criando brechas para que as igrejas sejam usadas como centrais de lavagem de dinheiro.

Uma das medidas eleva o piso de arrecadação para informe à Receita de R$ 1,2 milhão para R$ 4,8 milhões.

Lideranças evangélicas já conseguiram do Governo Bolsonaro o fim da obrigação de igrejas menores se inscreverem no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ).

A bancada evangélica quer também a liberação de algumas demonstrações contábeis, tornando a caixa preta das contas das igrejas não só impenetráveis, mas também quase invisíveis.

O afrouxamento das obrigações fiscais vai incentivar bandidos a criarem pequenas igrejas para “esquentar” dinheiro, além de utilizarem algumas das existentes, o que já ocorre.

A dívida de entidades religiosas à Receita é de R$ 453,3 milhões. Desse total, R$ 12,5 milhões se referem a multas por descumprimento de obrigações, como Escrituração Contábil Digital e Declaração de Débitos e Créditos de Tributos Federais.




Quanto dos R$ 17 bilhões das igrejas vem de lavagem de dinheiro?

MP suspeita que Universal usa jatinhos para tirar do país dinheiro do dízimo

Polícia Federal indicia Malafaia por lavagem de dinheiro

Universal comprou imóveis com dinheiro do dízimo, revela Coaf



Receba por e-mail aviso de novo post

Comentários