Loja do Grande Rio exige que candidatos a emprego sejam evangélicos

Uma loja de tecidos e roupas está contratando funcionários que têm de ser evangélicos.

Trata-se do Shopping Vida, que fica na Via Dutra, na altura de São João de Meriti.

Em comunicado (ver abaixo), a loja exigiu que os candidatos aos empregos apresentassem currículo “carimbado pela igreja” à qual pertencem.

Para o Ministério Público Federal e o Ministério Público do Trabalho, trata-se de “racismo religiosos”.

Os proprietários da loja vão ter de assinar um Termo de Ajustamento de Conduta comprometendo-se “assegurar a igualdade na oferta de vagas, em respeito à liberdade religiosa”.

Se os consumidores fossem tão descriminatórios como os donos do Shopping Vida, católicos e pessoas de outras religiões não comprariam ali, e o estabelecimento certamente iria à falência.







Anúncio pede que candidata a emprego seja evangélica

Lojas de Rondônia só contratam evangélicos e cobra dízimo

Diarista espírita foi demitida por evangélica por causa de religião

Motorista evangélico do Uber expulsa passageira 'satanista'

MP apura se Crivella demitiu em massa para contratar fiéis da Universal



Receba por e-mail aviso de novo post

Comentários

Anônimo disse…
Tinha e que tomar muita porrada o Dono dessa espelunca.
Novo Satanás disse…
"23.Replicou-lhe Jesus: “Se falei mal, prova-o, mas se falei bem, por que me bates?”."
São João, 18 - Bíblia Católica Online

Leia mais em: https://www.bibliacatolica.com.br/biblia-ave-maria/sao-joao/18/

A prova é ter mandado trabalhar no tempo de serviço de 6 dias, mas não ter mandado cada um fazer sua própria Terra.

9.Trabalharás durante seis dias, e farás toda a tua obra.

10.Mas no sétimo dia, que é um repouso em honra do Senhor, teu Deus, não farás trabalho algum, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem teu servo, nem tua serva, nem teu animal, nem o estrangeiro que está dentro de teus muros.

11.Porque em seis dias o Senhor fez o céu, a terra, o mar e tudo que neles há, e repousou no sétimo dia; e, por isso, o Senhor abençoou o dia de sábado e o consagrou.
Paulo disse…
Só tenho a elogiar o dono dessa loja pela sinceridade. Ruins são as milhares que dificultam a entrada de candidatos por algum preconceito(até por timidez ou tipo de cabelo) e escondem o motivo por medo de represálias. Como ateu, novamente parabenizo o dono. Se ele não me quer por eu não ser protestante, já me poupou o trabalho de ir lá.