MP apura se Crivella demitiu em massa para contratar fiéis da Universal


Prefeito é suspeito
de ter arrumado emprego para
 para seguidores de sua Igreja

por Douglas Corrêa
para Agência Brasil

O MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) investiga reclamação de demissão em massa de funcionários da prefeitura do Rio para admissão de pessoas alinhadas à igreja da qual faz parte o prefeito Marcelo Crivella, a Universal. 

O caso está sob responsabilidade da promotora Gláucia Santana, titular da 5ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva da Cidadania.

A promotoria expediu ofícios para a Casa Civil e as secretarias municipais de Educação, Assistência Social, Cultura e Fundação Parques e Jardins solicitando informações sobre os funcionários demitidos e admitidos para os cargos. 

Os cargos comissionados, entretanto, são de livre nomeação, destacou Gláucia Santana.


“O que eu posso afirmar é que foram expedidos ofícios pedindo a relação de todas as pessoas exoneradas dessas pastas citadas e se isso aconteceu por um único decreto e depois vem a sequência das nomeações, com a relação dos exonerados e admitidos na atual gestão da prefeitura”, disse a promotora.

Na quinta-feira, 12 de julho de 2018, a Câmara do Rio rejeitou, por 29 votos a 16, o pedido de abertura de impeachment de Marcelo Crivella, por crime de responsabilidade e improbidade administrativa. 

Os pedidos foram motivados por uma reunião promovida pelo prefeito no Palácio da Cidade, sede oficial da prefeitura a um grupo de fiéis evangélicos, quando foram feitas promessas de atendimentos de saúde e isenção de IPTU para igrejas.


Crivella afirma que só o ‘Brasil evangélico é que vai dar jeito nessa pátria’

Crivella faz acordo com traficantes para poder subir o morro

Com apoio da Igreja Universal, Crivella diz que não mistura política com religião




Lula ajudou a Universal a se expandir na África, diz Crivella

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.


Comentários

-------- Busca neste site