Após 19 anos, família consegue tirar de cemitério restos mortais de ateia

Gwendolen Patricia Crow
 morreu em 2000 em
um acidente de carro

Depois de uma longa espera, a família de Gwendolen Patricia Crow (foto) conseguiu que o Tribunal Consistório da Igreja da Inglaterra autorizasse retirada dos restos mortais dela de um cemitério cristão.

Patricia Crow morreu aos 58 anos, em 2.000, em consequência de um acidente automobilístico.

Seu carro caiu numa vala, e ela foi atropelada por outro veículo enquanto aguardava ajuda.

Um cristão providenciou o enterro dos restos mortais em um cemitério ao sul de Londres, sem saber que Patricia Crow era uma ateia convicta.

A família de Patricia só foi avisado depois do enterro e vinha tentando retirar os restos mortais do cemitério havia anos.

Morag Ellis, da Diocese de Southwark Morag, acabou admitindo que o cemitério cristão “não é um local adequado para honrar a memória dessa mulher”, argumento utilizado pela família da ateia.

Os restos mortais de Crow serão cremados e as cinzas espalhadas em jardins, dos quais ela gostava de cuidar.

Com informação do Washington Examinar e de outras fontes e foto de arquivo pessoal.





Ateísmo faz parte da cultura do Uruguai, afirma sociólogo

Brasileiros preferem a fé ao estudo; ateus têm mais escolaridade

MEC não pode submeter estudantes ateus à louvação de Deus, diz MP

Ateísmo é a evolução lógica da religião, diz Richard Dawkins

Ateus brasileiros famosos



Receba por e-mail aviso de novo post

Comentários


EDITOR DESTE SITE

Paulo Lopes é jornalista profissional
diplomado. Trabalhou no jornal centenário
Diario Popular, Folha de S.Paulo,
revistas da Editora Abril e em
outras publicações.