Estudo regasta história de brasileiras acusadas de feitiçaria pela Igreja no século 18

Santa Inquisição acusou
 Thereza Leyte e Escholástica,
 mãe e filha, de terem matado um
homem com bruxaria


por Ivanir Ferreira
para o Jornal da USP

O ano era 1754 e o local, a Justiça Eclesiástica, na cidade de Jundiaí, interior de São Paulo.

 As rés, Thereza Leyte e Escholástica Pinta da Silva, mãe e filha, estão no tribunal do Santo Ofício acusadas de terem feito um pacto com o demônio e matar o primeiro marido de Escholástica, Manoel Garcia, utilizando feitiçarias.

A Inquisição no Brasil – movimento da igreja católica criado para combater heresias e ameaças à doutrina cristã – teve início no período colonial, mas já vinha ocorrendo em países da Europa como França, Itália e Portugal desde o século 12. 

No Brasil, o movimento se consolidou por meio do Tribunal do Santo Ofício, que recebia visitas de inquisidores vindos de Portugal para investigar comportamentos e práticas diferentes dos estabelecidos pela igreja católica.

A descrição deste cenário medieval é real e foi analisado pela pesquisadora e filóloga Narayan Porto em sua pesquisa de mestrado "Feitiçaria paulista: transcrição de processo-crime da Justiça Eclesiástica na América portuguesa do século 18". 

O trabalho foi apresentado na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP dentro do projeto Bruxas Paulistas, sob orientação do professor Marcelo Módolo, do Programa de Pós-Graduação em Filologia e Língua Portuguesa.

Narayan analisou os manuscritos originais encontrados na Cúria Metropolitana de São Paulo sobre um processo crime envolvendo as duas mulheres. 

 A investigação foi realizada do ponto de vista da filologia, ciência que trabalha com o estabelecimento do texto, ou seja, trazer o texto da forma como ele foi criado pelo autor. 

Além de revelar a incrível história das supostas feiticeiras, o estudo verificou questões relacionadas ao tipo de papel utilizado na escrita, a tinta, as abreviaturas e outros aspectos da língua portuguesa do século 18. 

O trabalho também buscou elucidar como o Tribunal do Santo Ofício agiu na Europa e na América portuguesa e sua respectiva atuação no Brasil colonial.

Conheça mais detalhes desta história nos vídeos:




Arte sobre imagens de Nicolay Bessonov / Inquisition-art.net





Manual dos inquisidores afirma que bruxa faz pênis desaparecer

Bruxas se diziam cristãs puríssimas e hoje são chamadas de místicas

Memorial lembra vítimas da Santa Inquisição na Noruega

Evangélicos queimam mulher 'endemoniada' na Nicarágua



Receba por e-mail aviso de novo post

Comentários