Pular para o conteúdo principal

Manual dos inquisidores afirma que bruxa faz pênis desaparecer

O texto Malleus Maleficarum (“Martelo das bruxas”), conhecido como “Manual dos Inquisidores”, deveria ser estudado nas escolas como exemplo das motivações absurdas que levaram e levam as religiões cometer atrocidades contra a humanidade.

Inquisição matou
60.000 pessoas, na
maioria mulheres

Malleus afirma, entre tantas outras sandices, que as bruxas tinham o poder de fazer pênis desaparecer, sem causar dor à vítima. Suspeita-se que, em muitos casos, o pênis evaporava.

Diante de tal risco, é óbvio que homens da Idade Média respiravam aliviados quando inquisidores acendiam fogueira para queimar bruxas, porque, afinal, após a consumação das labaredas, passava haver menos chances de perda do membro viril.

O fogo e a tortura da Inquisição mataram 60 mil pessoas — a maioria delas composta por mulheres, na proporção de 80%.

Assim, a Inquisição também pode ser explicada como o resultado da misoginia da Igreja Católica. Ou, na opinião de alguns autores, uma reação ao feminismo então já incipiente.

A misoginia católica — é preciso dizer — persiste até hoje, ainda que a Igreja tenha desistido de queixar bruxas.

O manual dá três orientações sobre como se pode recuperar pênis deletado por bruxas:

1ª — Reconciliar-se com Deus por intermédio da confissão.

2ª —. Rezar ajoelhado para o Santíssimo Sacramento.

3ª — Chegar a um “entendimento amigável” com a bruxa.

Como se vê, nessa última orientação, o manual admite até uma conversa amigável com bruxas quando se trata de obter o pênis de volta. Mas a sua determinação era para se detectar, capturar, processar e aniquilar as bruxas.

Até 1520, o manual foi reeditado 14 vezes — um bestseller de sua época.

Ele é composto por três partes: o diabo, a bruxa e a permissão divina para comprovar a existência de feitiçaria.

Malleus Maleficarum é perpassado por motivações sexuais. Há acusações de sexo não só com bruxa, mas com o próprio diabo.

Os autores do texto, também conhecido como “enciclopédia dos inquisidores”, são os padres franciscanos alemães James Sprenger e Heinrich Kramer.

Professor de teologia na Universidade de Colônia, Sprenger foi nomeado em 1474 inquisidor da Renânia. Também teólogo, Kramer queimou “bruxas” no sul da Alemanha.

Ambos certamente não tinham bom relacionamento com seu pênis.

O auge da Inquisição ocorreu entre os séculos XV e XVI. Em 1484, o papa Inocêncio VIII emitiu a bula affectibus Summis desiderantes, que intensificou a caça às bruxas.

> Com informações de La Inquisicion, El Lado Oscuro de La Iglesia, de Martinez Fernandez, e de outros livros.



Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Nova espécie de ave descoberta na Caatinga tem origem em variações do São Francisco

BC muda cédulas do real, mas mantém 'Deus seja Louvado'

Louvação fere o Estado laico determinado pela Constituição  O Banco Central alterou as cédulas de R$ 10 e R$ 20, “limpou” o visual e acrescentou elementos de segurança, mas manteve a expressão inconstitucional “Deus seja Louvado”.  As novas cédulas, que fazem parte da segunda família do real, começaram a entrar em circulação no dia 23. Desde 2011, o Ministério Público Federal em São Paulo está pedindo ao Banco Central a retirada da frase das cédulas, porque ela é inconstitucional. A laicidade determinada pela Constituição de 1988 impede que o Estado abone qualquer tipo de mensagem religiosa. No governo, quanto à responsabilidade pela manutenção da frase, há um empurra-empurra. O Banco Central afirma que a questão é da alçada do CMN (Conselho Monetário Nacional), e este, composto por um colegiado, não se manifesta. Em junho deste ano, o ministro Marco Aurélio, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que a referência a Deus no dinheiro é inconcebível em um Estado moderno, cuja

Responda cristão: Deus criou as estrelas antes ou depois da Terra?

Livro conta em 300 páginas histórias de papas das quais poucos sabem

A física moderna sugere que o tempo não avança, é apenas uma ilusão

Ateus americanos recorrem à Justiça na 'guerra ao Natal'

Evangélicos quebram imagens de umbanda no Rio

por Denise Menchen , da Folha Quatro integrantes da igreja evangélica Nova Geração de Jesus Cristo foram presos, acusados de invadir ontem à noite um centro de umbanda no Catete, zona sul do Rio de Janeiro, e quebrar cerca de 30 imagens religiosas, prateleiras e um ventilador (foto). O caso foi registrado na 9ª DP (Catete). Segundo uma das dirigentes do Centro Espírita Cruz de Oxalá, a advogada Cristina Maria Costa Moreira, 45, cerca de 50 pessoas aguardavam em fila a abertura do atendimento ao público, às 19h, quando Alessandro Brás Cabral dos Santos, Afonso Henrique Alves Lobato, Raimundo Nonato e uma jovem identificada apenas como Dominique chegaram ao local. De acordo com Moreira, eles ofenderam os presentes e forçaram a entrada na casa. "Eles chegaram dizendo que queriam ver onde estava o demônio e foram direto para o terreiro", conta Celso Quadros, 52, outro dirigente do centro espírita. "Quebraram tudo, inclusive imagens que temos há 40 anos". A a

Bento 16 associa união homossexual ao ateísmo

Papa passou a falar em "antropologia de fundo ateu" O papa Bento 16 (na caricatura) voltou, neste sábado (19), a criticar a união entre pessoas do mesmo sexo, e, desta vez, associou-a ao ateísmo. Ele disse que a teoria do gênero é “uma antropologia de fundo ateu”. Por essa teoria, a identidade sexual é uma construção da educação e meio ambiente, não sendo, portanto, determinada por diferenças genéticas. A referência do papa ao ateísmo soa forçada, porque muitos descrentes costumam afirmar que eles apenas não acreditam em divindades, não se podendo a priori se inferir nada mais deles além disso. Durante um encontro com católicos de diversos países, Bento 16 disse que os “cristãos devem dizer ‘não’ à teoria do gênero, e ‘sim’ à aliança entre homens e mulheres no casamento”. Afirmou que a Igreja defende a “dignidade e beleza do casamento” e não aceita “certas filosofias, como a do gênero, uma vez que a reciprocidade entre homens e mulheres é uma expressão da bel

Xuxa pede mobilização contra o 'monstro' Marco Feliciano

Pela primeira vez a apresentadora se envolve em uma polêmica A apresentadora da Rede Globo Xuxa (foto) afirmou em sua página no Facebook que o pastor e deputado Marco Feliciano (PSC-SP), o novo presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, não é “um religioso, é um monstro”. Sem citar o nome de Feliciano, ela ficou indignada ao ler que “esse deputado disse que negros, aidéticos e homossexuais não têm alma”. “Vamos fazer alguma coisa! Em nome de Deus, ele não pode ter poder.” É a primeira vez que Xuxa pede mobilização de seus fãs em uma questão polêmica. Amiga do padre Marcelo Rossi, ela é católica praticante. No Facebook, em seu desabafo, escreveu sete vezes a palavra "Deus" e argumentou que todos sabem que ela respeita todas as religiões. A apresentadora também se mostrou abalada ao saber que Feliciano, durante uma pregação, pediu a senha do cartão bancário de um fiel. “O que é isso, meu povo?” “Essa pessoa não pode ser presidente da C