Prefeito tenta cumprir Estado laico, mas pais exigem oração nas escolas

Escolas deveriam ensinar
 os pais o que é Estado laico,
 mas parece que também
 os professores não sabem

Orientado pela Procuradoria Jurídica do Município, o prefeito André Pessuto (DEM), de Fernandópolis (SP), suspendeu as orações que vinham sendo feitas nas escolas da rede pública.

Houve reclamações de pais.

“Meu filho chegou em casa dizendo que não fez a oração na escola porque foi proibido”, disse um pai a uma emissora local.

É estranho que uma criança reclame da falta de oração. Provavelmente ela foi instigada por algum professor fundamentalista religioso.

O pai prosseguiu: “Agora queria saber o motivo disso, pois para mim a oração cabe em qualquer lugar, ainda mais para crianças de 7, 8, 10 anos que está começando a escolher o seu caminho e acho que o melhor caminho é o da oração, o da fé”.

Esse pai, como muitos brasileiros, não sabe que o Estado brasileiro é laico, o que significa, entre outras coisas, que as orações não "cabem" em escolas públicas, porque nenhuma instância de governo pode ter qualquer envolvimento com crenças religiosas, direta ou indiretamente.

Não se trata de ser contra as religiões, mas manter a neutralidade do Estado.

Quem quiser que seu filho reze, que o leve para uma igreja ou faça orações em casa.

Fernandópolis tem 69 mil habitantes e fica a 554 km de São Paulo.

Pelo menos a mãe de um dos estudantes da cidade sabe que não se pode fazer proselitismo religioso dentro de escolas e foi ela quem acionou a Procuradoria Jurídica do Município para que a Constituição fosse respeitada.

O prefeito anunciou que ainda não tomou uma decisão final.

Se ele voltar a permitir o desacato ao Estado laico, espera-se que o Ministério Público cumpra sua obrigação.

Com informação do Jornal de Jales.





Ensino religioso em escolas de um Estado laico é aberração

Religião na escola estimula a intolerância, diz antropóloga

Aluna candomblecista será indenizada por ter de rezar, decide TJ-SP

Professores impõem suas crenças em escolas laicas



Receba por e-mail aviso de novo post

Comentários

Jerry disse…
Aff, que país atrasado da porra, parece que estamos vivendo na idade média. Uma recente pesquisa feita pela consultora americana "Pew Research Center" amostrou que no Brasil, 67% da população consideram a religião algo muito importante na vida, 24% algo de alguma forma importante é apenas 9% nada ou pouco importante. Por contraste, na Argentina, 37% consideram a religião algo muito importante, 25% algo importante e cerca de 38% pouco ou nada importante. Ou seja, a Argentina é 30% menos religiosa do que essa bosta de país atrasado que é o Brasil! Fonte: https://www.pewglobal.org/2019/04/22/a-changing-world-global-views-on-diversity-gender-equality-family-life-and-the-importance-of-religion/
O que há mais são pais cínicos que adoram adestrar seus filhos, típico da pocilga "família" tradicional. Odeiam Ceticismo. Seja religiosidades, preconceitos ou ideologias como "ensinamentos". E querem que a Escola seja continuidade.
Obs crianças, aolescentes e mentalmente vulneráeis devem ser protegidos de religiosidade e outros adestramentos. Ou seja, escola quando há tal público independe se pública ou privada. Quando mentalmente capacitados que sigam o que quiserem por livre escolha!