Juiz anula concessão de passaporte diplomático a Edir Macedo

Juiz afirmou que as
 atividades religiosos d
e Edir Macedo no exterior
 nada têm a ver com
o Estado brasileiro

A Justiça Federal anulou hoje (16 de abril de 2019) a concessão pelo Itamaraty de passaporte diplomático a Edir Macedo, líder da Igreja Universal, e sua mulher, Ester Eunice Rangel Bezerra.

Ao se manifestar sobre uma ação popular contra a concessão, o juiz Vigdor Teitel, da 11ª Vara Federal, suspendeu a medida do governo com o argumento de que as atividades de Macedo no exterior não são do interesse do Brasil.

A ação popular foi impetrada pelo advogado Rocardp Amin Abrahão Nacle.

Para ele, é "inquestionável que os donos de uma das maiores redes de televisão do país, não desenvolvem - e nunca desenvolveram - qualquer missão ou atividade continuada de especial interesse do Brasil para a qual necessitem de proteção adicional representada pelo documento especial de viagem".

Na ação, ele ressaltou que "o fato de serem líderes de uma entidade religiosa não atribui aos corréus [Edir e sua mulher] qualquer privilégio a reclamar a concessão do passaporte diplomático, tampouco a necessidade, para as suas missões empresariais, dos benefícios imanentes àquele documento especial de viagem".

Acrescentou: "O líder religioso, em que pese a sua relevância, não se identifica com nenhum dos cargos ou funcionários mencionados naquele catálogo não exaustivo".

"É público e notório que o corréu Edir Macedo, que reside no exterior há muito tempo, figura como dirigente da Igreja Universal do Reino de Deus, mas tal função, renovado o respeito, não lhe franqueia, por si só, a fruição do passaporte diplomático".

Com informação da Folha de S.Paulo e de outras fontes.




Dados do Coaf indicam que fortuna de Edir Macedo é de US$ 2 bi

Edir Macedo compra em Miami apartamento por US$ 9,65 milhões

Governo Lula deu ao bispo da Iurd Panceiro passaporte diplomático

Edir pede dispensa de vistoria em aeroporto por ser ‘enviado de Deus’


Comentários

Anônimo disse…
Parabéns ao juiz pela decisão.
Ainda há esperança...
Unknown disse…
"...renovado o respeito,"
é meu zóvo!!!