Projeto de lei de deputado de MS proíbe sátira ao cristianismo

Vaz quer impor seu
 fundamentalismo religioso
 à sociedade

Um deputado da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul apresentou projeto de lei que, se aprovado, proíbe sátira ao cristianismo, criminalizando-a como intolerância religiosa.

O deputado é Antônio Vaz, do PRB, que é o braço partidário da Igreja Universal.

Ele decidiu elaborar o projeto de lei por ter considerado um "vilipêndio" Satanás ter açoitado Jesus, em um desfile do Carnaval do Rio.

“Essa apresentação foi ofensiva e desrespeitosa em relação à religião cristã.”
Vaz quer, também, que “eventos que satirizam as religiões cristãs” não recebam nenhum tipo de financiamento público.

Ou seja, para ele, pelo jeito, dar dinheiro público para a Marcha para Jesus e outros eventos religiosos, pode.

Também pode satirizar religiões não cristãs, como o islã, como fica subentendido no projeto.

Vaz é mais um fanático religioso que acha que pode impor sua imbecilidade à sociedade.






Vídeo ironiza censura do Facebook a museus da Bélgica

Milícia evangélica quer censurar desenhos de genitálias em Bíblia

Ministro da Saúde da Alemanha diz que quer proibir a cura gay

MP e Justiça impõem duas derrotas às milícias cristãs da moralidade



Receba por e-mail aviso de novo post

Comentários

deuses Existem? disse…
Voltaire, filósofo e iluminista francês (1694-1778),
“Deus é um comediante atuando diante de uma plateia assustada demais para rir.”
Tradicionalmente, nós imaginamos um Deus sério e carrancudo. Isso não é verdade! Por exemplo: “Em seu trono, no céu, o Senhor ri e faz pouco caso dos tolos planos dos homens” (Sl 2:4, A Bíblia Viva). Deus seria um ser bem-humorado completo de alegria e de risos, Ele é o criador de todas as coisas boas e ruins.

Lendo em Isaías 45:7, quando “Deus fala”:

“Eu formo a luz. E crio as trevas; FAÇO A PAZ, E CRIO O MAL; eu o SENHOR, FAÇO TODAS ESSAS COUSAS

“Deus preserva todas as coisas”:
Hb 1.1-3; Ne 9.6; Sl 145.15-16; Sl 104.27-29; Mt 6.26; Mt 10.29-30.
“Deus age em todas as coisas”: (At 17.28; 1Co 15.10; Is 45.1-2; Gn 45.8; Lc 22.21-22).
“Deus governa todas as coisas”: (Ef 1.5; Rm 12.2; Rm 8.28).
O humor e a sátira podem ser armas poderosas na transmissão da "revelação divina", se estiverem alicerçados em uma linguagem forte e interessante. O humor e a ironia serão capazes de romper a rotina mental, ultrapassar o limite das palavras e nos colocar diante de realidades que antes desconhecíamos. O humor é um dos grandes reveladores da verdade. Quando rimos de nossas próprias fraquezas, tornamo-nos mais extrovertidos e mais sábios! Uma das mais poderosas maneiras de mudarmos e melhorar a nós mesmos, é não nos levarmos demasiadamente a sério. As pessoas que se levam muito a sério quase sempre pensam que não necessitam melhorar. O bom-senso e a auto-crítica, gerados pelo bom humor, evitam isso.
Mas o humor nem sempre é um instrumento do bem e da verdade, ele pode expressar amor ou ódio, tolerância ou preconceito, fraternidade ou racismo, sabedoria ou ignorância. Tudo isso vamos por a prova aqui nesse livro sobre a bíblia e as religiões. A Bíblia é como uma cebola: à medida que se vai descascando, vão surgindo novas camadas que irritam as glândulas lacrimais, corroendo progressivamente o globo ocular e distorcendo a visão. Por isso é que se aconselham aos crentes a ler de olhos fechados, ou seja, com fé.
Dizem que Eva estava perdida em seus pensamentos, lavando sua folha de parreira no rio, quando Adão sorrateiramente se aproximou por trás, cobriu os olhos da moça com suas mãos e disse: “Adivinha quem é?”. Os dois caíram na risada, e viram que aquela ideia de falar frases engraçadas era um barato. Estava criada a piada, e o mundo nunca mais seria o mesmo. Sob essas infelizes circunstâncias desenvolveram-se as técnicas com as castas de teólogos, exegetas e hermeneutas religiosos.
Claramente inconstitucional e fere gravemente os Direitos Humanos pois somente PESSOAS e suas CARACTERÍSTICAS (LGBTs, gênero, etnia...) possuem direitos.
Religiões, Deus, deuses, Jesus Cristo, esoterismos, personagens fictícios diversos e afins, assim como ideologias, são SEM direitos. Devendo até serem algo de críticas e sátiras, ainda mais as OPRESSORAS.
Obs.: adendo a tal "ideologia"(sic) de gênero, criado para "validar" preconceitos às questões de gênero e acaba sendo etendida às mulheres e LGBTs. Energúmenos vem com essa "ideologia".