Bolsonaro empurra para religiões tratamento de dependentes químicos

Entidades religiosas
 passaram a receber
 mais de R$ 150 mi
 por ano

O presidente Bolsonaro destinou mais dinheiro para entidades religiosas que se destinam ao tratamento de dependentes químicos, terceirizando mais ainda uma atribuição que é do governo.

Sem licitação, o governo firmou contrato com 496 comunidades religiosas. Desse total, 216 já eram conveniadas, havendo, nesse caso, renovação.

O montante do financiamento passou para R$ 153,7 milhões por ano, que é praticamente o mesmo valor com o qual o Governo mantém 331 Caps (Centros de Atenção Psicossocial), para tratamento de transtornos decorrentes de abuso de álcool e drogas.

De acordo com Instituto Pesquisa Econômica Aplicada, o governo federal financia 25% do total das comunidades religiosas, na maioria evangélicas e católicas.

Governos estaduais também subsidiam esse tipo de comunidade.

A destinação dos recursos não é fiscalizada, e casos de maus-tratos a internados, inclusive falta de alimentação, só vêm ao conhecimento público quando são denunciados à imprensa.

Tampouco há um acompanhamento dos resultados desses centros de tratamento.

Psiquiatras e psicólogos afirmam que os resultados são “questionáveis”, além de os recursos públicos, em um Estado laico, ter de financiar atividades da ciência, e não as de religiões.

Com informação de O Globo.





Pastor é preso acusado de usar a terapia da agressão em dependentes químicos

Clínica religiosa da Sérvia espanca dependente químico

Dependência química é tratada cada vez mais com religião

Paciente do Lar Cristão que não segue regra de igreja fica sem comer, diz CFP



Receba por e-mail aviso de novo post

Comentários

Salvo RARÍSSIMAS excessões, essa tática de "recuperar" dependentes químicos é TIRAR PROVEITO DA DESGRAÇA ALHEIA para ter mais um crente bem fiel. Massa de manobra.
Nada de recuperação real, apenas ADESTRAMENTO à religião e seus (nefastos) valores.