Alemãs acusam exposição de moda islâmica de promover opressão à mulher

Evento é acusado
 de glamourizar
 a roupa que
 o Islã impõe
às mulheres

A exposição "Moda Muçulmana Contemporânea",em Frankfurt, tem causado polêmica na Alemanha.

No Museu Angewandte Kunst, 80 modelos se apresentam com roupas islâmicas, incluindo o hijab.

Há alemães que acusam a explosão de uma promoção de “ideologias islâmicas opressivas”.

dos direitos das mulheres

Monireh Kazemi, ativista dos direitos humanos afirmou que "isto é um instrumento de tortura para mim”.

Disse que museu de um país secular não pode usar dinheiro público para propagandear dogmas de opressão à mulher como se fosse moda.

Matthias Wagner, diretor do museu, afirmou que a exposição mostra que há diferentes estilos de roupas islâmicas, quebrando o estereótipo de que as mulheres não têm no vestuário opção de estilo.

Susanne Schroeter, do Frankfurt Research Center Global Islam, criticou a exposição.

"Nas nossas comunidades muçulmanas, há repressões contra mulheres que querem tirar os véus de cabeça ou que não querem usá-los. Então, dizem que se vestem como uma mulher ocidental, o que não é possível para uma mulher muçulmana”, disse.

“Temos de ter isso em conta quando apresentamos as roupas islâmicas como moda."



Com informação das agências.




Aviso de novo post por e-mail

Jurisprudência da Corte Europeia valida veto aos trajes muçulmanos

Tanzânia lidera matança de albinos para feitiçaria

Dinamarca proíbe uso em público de véu islâmico que cobre o rosto

Holanda aprova lei que proíbe uso de véu islâmico que cobre o rosto




Entra em vigor na Áustria veto ao uso de véu islâmico

Mais sobre o véu islâmico


A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

-------- Busca neste site --------