Pular para o conteúdo principal

Bolsonaro tuita vídeo de padre antiaborto que defende uso de arma

O presidente Jair Bolsonaro publicou no Twitter um link para um vídeo de 24 minutos de 2011 do padre Paulo Ricardo de Azevedo onde o sacerdote defende o uso de armas para matar agressores.

Presidente sugere
vídeo do "Malafaia
 dos católicos"

Conhecido como ‘Malafaia dos católicos’, Paulo Ricardo é conservador e ativista da extrema direita católica.

O padre se opõe, por exemplo, à masturbação, até mesmo para colher sêmen para análise médica. Afirma que essa prática danifica o cérebro.

Defende a “família tradicional” (ou seja, é contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo) e é “pró-vida”, luta contra a legalização do aborto. Quase não faz referência ao papa Francisco, tido como progressista demais para ele.

Paulo Ricardo gravou o referido vídeo após o assassinato por um atirador de 12 alunos em uma escola da Zona Oeste do Rio.

No vídeo, o padre pró-vida diz: “O que é um homicídio, o que é matar uma pessoa? É tirar a vida do inocente. O pecado do homicídio é isso, mas aqui nós não estamos tirando a vida do inocente, estamos tirando a vida do agressor. A legítima defesa é cristã, é moral, perfeito”.

O “Malafaia dos católicos” fez campanha para Jair Bolsonaro e diz ser leitor de Olavo de Carvalho. Tem uma legião de seguidores nas redes sociais.

O jornal "O Globo" informa que há outro padres que defendem a posse de armas.



Com informação do Twitter e de outras fontes.



Aviso de novo post por e-mail

Padre Paulo Ricardo afirma que não crê na existência de ateus

Padre prega união religiosa mesmo sem consentimento de um cônjuge

Padre chama protestante de otário por falar mal de Maria




Na caça à nudez, Malafaia dos católicos critica a Capela Sistina


A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Padre associa a tragédia das enchentes ao ateísmo de gaúchos. Vingança de Deus?

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios