Estado da Alemanha planeja proibir símbolos religiosos nos tribunais

do  Deutsche Welle

O governo da Baixa Saxônia, o segundo maior Estado alemão em extensão [mapa abaixo], planeja proibir que juízes e promotores usem símbolos religiosos como crucifixos ou véus islâmicos nos tribunais.

Ministra da Justiça
disse que a Justiça
 tem de ser neutra

Os defensores da medida afirmam que ela visa deixar claro que juízes e promotores são neutros e livres de preconceitos religiosos ou ideológicos.

O plano conta com o apoio da ministra da Justiça alemã, Katarina Barley, membro do Partido Social Democrata (SPD).

"Um tribunal decide independentemente das crenças religiosas, e essa neutralidade deve ser visível externamente", disse Barley ao jornal Neue Osnabrücker Zeitung.


Um projeto de lei está em elaboração do Ministério da Justiça da Baixa Saxônia, de acordo com a emissora local NDR, que obteve uma cópia do plano.


Um porta-voz do Ministério da Justiça do estado disse à DW que o governo local provavelmente vai apresentar a lei no próximo ano. Para entrar em vigor, a medida precisa ser aprovada pelo parlamento estadual.

A ministra da Justiça da Baixa Saxônia, Barbara Havliza, disse à DW que "todos no tribunal devem ter a impressão de que os juízes ou promotores estão completamente livres de crenças religiosas ou ideológicas".

A Associação Alemã de Juízes (DRB) disse que é a favor da proibição de roupas e símbolos religiosos em tribunais.

Sven Rebehn, diretor administrativo da associação, disse à DW em comunicado: "O Judiciário está comprometido com a estrita neutralidade. Portanto, roupas religiosas e símbolos ideológicos, políticos e religiosos são incompatíveis com funcionários públicos em um tribunal."

A Deutsche Welle é a emissora da Alemanha que produz jornalismo em 30 idiomas.



Aviso de novo post por e-mail

Religião islâmica banida na Alemanha atua no Sul do Brasil

Bispos da Alemanha criticam decisão de expor crucifixo em órgãos públicos

Papa derruba balela de juízes de que crucifixo não símbolo de religião




Liberdade de consciência exige retirada de crucifixo de tribunais


A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

-------- Busca neste site