Equipe de resgate do Museu Nacional encontra fragmentos do crânio de Luzia

por Léo Rodrigues
para Agência Brasil

O Museu Nacional anunciou hoje (19 de outubro de 2018) que o crânio de Luzia foi encontrado em fragmentos em meio a escombros do edifício que pegou fogo no dia 2 de setembro. Trata-se do fóssil mais antigo já encontrado no continente americano, considerado uma das principais relíquias que a instituição guardava.

O crânio ficava armazenado em uma caixa de metal, dentro de um armário. Essa caixa também foi encontrada parcialmente destruída.

Cerca de 80% dos fragmentos encontrados já foram identificados. A expectativa é de que o crânio seja quase totalmente reconstituído, mas a extensão dos danos e das perdas ainda precisará ser avaliada. Também foram encontradas outras partes de Luzia que o Museu Nacional guardava, incluindo um fêmur.

Reconstituição do
crânio vai depender
 da construção de
laboratório

De acordo com a arqueóloga Cláudia Carvalho, chefe da equipe de resgate do acervo, o esqueleto era frágil, razão pela qual ele não ficava em exposição permanente. "Parte do crânio que estava reconstituído perdeu a cola, então tivemos a liberação de fragmentos que estavam unidos. E alguma parte também foi afetada pelo fogo", contou.

O que estava em exposição na ocasião do incêndio ainda não foi encontrada. Isso inclui fragmentos da bacia e ossos das pernas e dos braços.

Cláudia explica que a reconstituição do crânio será um trabalho de quebra-cabeça, mas lembra que há etapas preliminares a serem cumpridas. "Num primeiro momento, precisamos acabar a higienização do material. E daí é importante estabilizar para garantir que nenhum processo de decomposição ou de deterioração esteja em curso".

Segundo o diretor de Museu Nacional, o paleontólogo Alexander Kellner, a reconstrução do crânio não será um processo rápido e será preciso primeiro ter um novo laboratório. Para tanto, ele estima que serão necessários pelo menos entre R$ 10 milhões e R$ 15 milhões.

O diretor afirma que há algumas negociações em curso e já existe uma perspectiva de local para o novo laboratório. 



Aviso de novo post por e-mail

Jovens franceses acham dente humano de 560 mil anos

Cientistas identificam os mais antigos fósseis de Homo sapiens

Humanos se acasalaram com neandertais há 100 mil anos


Jovens acreditam mais na evolução do que em Gênesis

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

-------- Busca neste site