Pais e alunos criticam censura de colégio católico a livro anti-ditadura

Pais, alunos e ex-alunos do Colégio Santo Agostinho, do Rio, protestaram na tarde de hoje (5 de outubro de 2018) contra a censura da escola ao livro “Meninos sem pátria”, de Luiz Puntel.

O colégio vetou o livro após ter recebido um abaixo-assinado de pais com a alegação de que o autor do livro é “comunista”.

Na manifestação de hoje, um pai que discorda da censura comentou: “Minha filha leu o livro e não se tornou comunista por causa disso”.

Acrescentou: “As pessoas têm que abrir a mente”.

Ricardo Rabelo
inspirou  a criação de
 um personagem do livro

O livro conta a história de uma família atormentada com a brutalidade de uma ditadura, com foco em um menino, que fica sem pátria.

O pai é perseguido pelo regime militar e tem de fazer uma jornada pelo exílio, passando por várias dificuldades.

Puntel se inspirou na ditadura militar brasileira (1964-1985).

Um dos personagens do livro, o jornalista Ricardo Rabelo, compareceu ao protesto.

Ele conta que teve de sair do Brasil quando era bebê e só pôde voltar 16 anos depois.

A ex-aluna Julia Iorio, 18, afirmou ao G1: “É só ler o livro que vai ver que não se trata disso [comunismo]. É uma literatura infantil, é ótimo. Li quando tinha 12 anos e estou aqui contra a censura”.

Com informação do G1 e de outras fontes e imagem captada de vídeo.


Aviso de novo post por e-mail

Vaticano censura livro que defende diversidade familiar

Conar cede a religiosos e veta Jesus de anúncio da Red Bull

Milícia evangélica quer censurar desenhos de genitálias em Bíblia


Vereadores pedem censura ao stand up ‘Igreja Evangélica Pica das Galáxias’

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

  1. Heinrich Heine: "Onde se queimam livros, acaba-se queimando pessoas."

    ResponderExcluir

Postar um comentário

-------- Busca neste site