Pular para o conteúdo principal

No 'Ciência na Alma', Dawkins denuncia a pobreza do debate contaminado pela religião

por André Cáceres
para O Estado de S.Paulo

O título de "Ciência na Alma", que reúne 42 ensaios e palestras do etólogo britânico Richard Dawkins, soa como uma contradição em termos graças à antiga oposição entre razão e fé. Em vez de relativizar esse antagonismo, como muitos pensadores contemporâneos, o autor faz questão de realçá-lo com uma citação de Carl Sagan sobre as superstições: “Você pode procurar o curandeiro para desfazer o feitiço que causa a sua anemia perniciosa, ou pode tomar vitamina B12. Se quiser poupar seu filho da pólio, pode rezar ou vaciná-lo.”

Se o autor parece hostil às religiões, há uma explicação. Desde sua obra-prima, "O Gene Egoísta" (publicado em 1976, e tido por Ian McEwan como o livro que “iniciou uma era de ouro da literatura científica”), Dawkins sempre foi um polemista. Ele é um dos principais expoentes do Novo Ateísmo, movimento surgido nos anos 2000, ao lado do escritor inglês Christopher Hitchens, do neurocientista americano Sam Harris, da ativista somali-holandesa Ayaan Hirsi Ali e do filósofo francês Michel Onfray

Uma das principais críticas a esses intelectuais é justamente a maneira como se posicionam contra as religiões, comparados a fundamentalistas anti-fé. No entanto, esse ateísmo não é tão “novo” assim, remontando ao matemático inglês Bertrand Russell, autor de Por Que Não Sou Cristão (1927), e ao biólogo Thomas Huxley (avô de Aldous), um dos primeiros darwinistas e responsável por cunhar o termo “agnóstico”.

Cientista diz que a
 "mente descontínua"
 prejudica a compreensão
 dos fenômenos

O tom provocativo do autor de "Deus, um Delírio", embora denote sua clareza de pensamento (John Maynard Smith afirmou que ele “aparentemente pensa em prosa” ao apresentar seus argumentos mais incisivos), é também uma desvantagem para Dawkins, uma vez que o etólogo se arrisca a pregar para convertidos (ou para não convertidos, no caso de seu público majoritariamente ateu). 

Muitos dos leitores podem não passar da primeira página ao se deparar com a definição dele para as religiões abraâmicas, “os três cultos rixentos que, por acidente histórico, ainda afligem o mundo”. 

Quem superar esse início agressivo, todavia, encontrará um compilado de ideias preciosas e até mesmo um ou outro mea culpa por conta de sua escrita ferina, como em "A Teologia do Tsunami", texto que aglomera suas respostas às críticas de leitores ofendidos.

Em tempos de pós-verdade, terraplanismo, polarização política e desconfiança em relação às vacinas, "Ciência na Alma" é um bálsamo. Contra a acusação de que os postulados científicos “não passam de teorias”, falácia que ganhou força nos últimos anos devido à ignorância geral quanto à natureza de uma teoria, Dawkins reconhece que as leis de Newton, por exemplo, são apenas uma aproximação e que a Relatividade de Einstein pode ser suplantada algum dia. “Mas isso não as rebaixa ao nível da bruxaria medieval”, rebate. “São aproximações nas quais você pode apostar a sua vida, e é isso o que fazemos regularmente. Quando viaja de avião, o nosso relativista cultural deixa sua vida a cargo da levitação ou da física, do tapete mágico ou da fabricante de aeronaves McDonnel Douglas?”

Do mesmo modo, em "O Adendo do Alabama", discurso proferido no estado americano cujas escolas públicas eram obrigadas a questionar abertamente a veracidade da Evolução para os alunos, Dawkins reconhece que as ideias darwinianas são uma teoria, mas “que tem tanta probabilidade de ser refutada quanto a teoria de que a Terra gira em torno do Sol ou a teoria de que a Austrália existe”.

Analisados pelo viés biológico, debates prementes de nossos tempos ganham contornos diferentes, e é a partir dessa visão alternativa que os leitores afastados pelo discurso áspero de Dawkins poderiam repensar suas convicções: “Os ativistas contra o aborto afirmam categoricamente que a ‘vida’ é preciosa enquanto devoram um bife gordo sem a menor preocupação. (...) Não é nada evidente que o aborto de um feto de um mês seja assassinato e abater um elefante adulto ou um gorila-das-montanhas plenamente senciente não o seja.”

Em "A Mão Morta de Platão", Dawkins demonstra como a filosofia essencialista do pensador grego influencia nosso pensamento ainda hoje. Para ele, essa é a origem do problema que ele chama de “mente descontínua”, uma dificuldade que o senso comum impõe para se compreender transformações pequenas e graduais. 

“Em que momento uma vítima de acidente com morte cerebral é definida como ‘morta’? Em que momento de seu desenvolvimento um embrião se torna uma ‘pessoa’? Só uma mente infectada pelo essencialismo faria essas perguntas.” 

Assim, Dawkins mostra que pautas em discussão atualmente, como aborto e eutanásia, são tratadas de forma rasteira quando se leva em conta apenas as convicções religiosas, sem o ponto de vista científico.

A mente descontínua, para Dawkins, dificulta a compreensão da evolução das espécies como um processo gradual que se dá ao longo de um período muito grande de tempo: “Se uma máquina do tempo pudesse trazer para você o seu ducentésimo milionésimo bisavô, você o comeria com molho tártaro e uma fatia de limão. Ele foi um peixe.”

Como os grandes divulgadores científicos, ele nos faz enxergar a realidade por ângulos incomuns, distante das lentes empoeiradas da banalidade cotidiana, e reavaliar conceitos há muito impregnados na sociedade. Afinal, a natureza, como Dawkins escreve, “é indiferente a algo tão pouco abrangente como os valores humanos.”

O título acima é de autoria deste site.



Aviso de novo post por e-mail

Richard Dawkins afirma por que tem fama de mau

Ateísmo é a evolução lógica da religião, diz Richard Dawkins

Moral avançou sem precisar da religião, afirma Dawkins




Peter Higgs acusa Dawkins de ser ateu fundamentalista

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Malafaia divulga mensagem homofóbica em outdoors do Rio

Estudante expulsa acusa escola adventista de homofobia

Arianne disse ter pedido outra com chance, mas a escola negou com atualização Arianne Pacheco Rodrigues (foto), 19, está acusando o Instituto Adventista Brasil Central — uma escola interna em Planalmira (GO) — de tê-la expulsada em novembro de 2010 por motivo homofóbico. Marilda Pacheco, a mãe da estudante, está processando a escola com o pedido de indenização de R$ 50 mil por danos morais. A primeira audiência na Justiça ocorreu na semana passada. A jovem contou que a punição foi decidida por uma comissão disciplinar que analisou a troca de cartas entre ela e outra garota, sua namorada na época. Na ata da reunião da comissão consta que a causa da expulsão das duas alunas foi “postura homossexual reincidente”. O pastor  Weslei Zukowski (na foto abaixo), diretor da escola, negou ter havido homofobia e disse que a expulsão ocorreu em consequência de “intimidade sexual” (contato físico), o que, disse, é expressamente proibido pelo regulamento do estabelecimento. Consel

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

MPF recorre no Rio à Justiça para permitir a ‘cura’ de homossexuais

O MPF (Ministério Público Federal) no Rio deu entrada na Justiça a uma ação civil pública para anular a resolução do CFP (Conselho Federal de Psicologia) que proíbe os profissionais de prometer “cura” da homossexualidade porque se trata de uma orientação sexual, e não de um transtorno. A iniciativa do MPF coincide com o esforço que lideranças evangélicas, incluindo seus representantes na Câmara dos Deputados, estão fazendo para derrubar essa resolução do conselho. Fábio Aragão, um dos três procuradores que assinam a ação, é evangélico. Para o deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), isso demonstra que o Ministério Público está sendo instrumentalizado pela crença pessoal de um de seus integrantes. “Isso é um erro grave, porque a Justiça deve ser laica”, disse o deputado. “Retomar a discussão sobre a homossexualidade ser ou não uma doença é um absurdo do mesmo tipo que seria retomar a discussão sobre se o sol gira em torno da terra.” Carlos Tufvesson, estilista engajado no movimento de

Prefeito de São Paulo veta a lei que criou o Dia do Orgulho Heterossexual

Kassab inicialmente disse que lei não era homofóbica O prefeito Gilberto Kassab (PSD), na foto,  disse que vai vetar o projeto de lei aprovado pela Câmara Municipal de São Paulo que aprovou o Dia do Orgulho Heterossexual. Trata-se de um recuo porque, na época da aprovação do projeto, ele disse que a nova data não tinha caráter homofóbico. Agora, Kassab disse que se trata de uma medida “despropositada”, conforme entrevista que deu ao jornal Agora São Paulo. "O heterossexual é maioria, não é vítima de violência, não sofre discriminação, preconceito, ameaças ou constrangimentos. Não precisa de dia para se afirmar", disse. O prefeito falou haver somente sentido em datas que estimulem “a tolerância e a paz” em relação, por exemplo, a mulheres e negros e minorias que são vítimas de ofensas e brutalidades. Na campanha de 2008 da eleição municipal, a propaganda na TV de Marta Suplicy (PT) chegou a insinuar que o então seu adversário Kassab era gay, embora ela ti

Essência do totalitarismo é querer fazer o 'bem para todos'

Título original: Tentação totalitária por Luiz Felipe Pondé para Folha Você se considera uma pessoa totalitária? Claro que não, imagino. Você deve ser uma pessoa legal, somos todos. Às vezes, me emociono e choro diante de minhas boas intenções e me pergunto: como pode existir o mal no mundo? Fossem todos iguais a mim, o mundo seria tão bom... (risadas). Totalitários são aqueles skinheads que batem em negros, nordestinos e gays. Mas a verdade é que ser totalitário é mais complexo do que ser uma caricatura ridícula de nazista na periferia de São Paulo. A essência do totalitarismo não é apenas governos fortes no estilo do fascismo e comunismo clássicos do século 20. Chama minha atenção um dado essencial do totalitarismo, quase sempre esquecido, e que também era presente nos totalitarismos do século 20. Você, amante profundo do bem, sabe qual é? Calma, chegaremos lá. Você se lembra de um filme chamado "Um Homem Bom", com Viggo Mortensen, no qual ele é um cara

Música gravada pelo papa Francisco tem acordes de rock progressivo. Ouça

Russas podem pegar até 7 anos de prisão por protesto em catedral

Protesto das roqueiras Y ekaterina Samutsevich, Nadezhda  Tolokonnikova  e Maria Alyokhina durou apenas 1m52 por Juliana Sayuri para Estadão Um protesto de 1 minuto e 52 segundos no dia 21 de fevereiro [vídeo abaixo]. Por esse fato três roqueiras russas podem pagar até 7 anos de prisão. Isso porque o palco escolhido para a performance foi a Catedral de Cristo Salvador de Moscou. No altar, as garotas da banda Pussy Riot tocaram a prece punk Holy Shit , que intercala hinos religiosos com versos diabólicos como Virgin Mary, hash Putin away . Enquanto umas arranhavam nervosos riffs de guitarra, outras saltitavam, faziam o sinal da cruz e dançavam cancã como possuídas. As freiras ficaram escandalizadas. Os guardas, perdidos. Agora as rebeldes Yekaterina Samutsevich  (foto), Nadezhda Tolokonnikova (foto) e  Maria Alyokhina (foto) e  ocupam o banco dos réus no tribunal Khamovnichesky de Moscou, acusadas de vandalismo e ódio religioso. Na catedral, assim como noutras manifes