Justiça manda Praia Grande retirar inscrições bíblicas de monumento


 Tribunal de Justiça de
 São Paulo entendeu que
 uma obra destinada a
  uma religião fere a laicidade
do Estado brasileiro


por Migalhas

A 10ª câmara de Direito Público do TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) condenou a cidade de  Praia Grande (SP) a retirar inscrições bíblicas de um monumento [foto] em praça. Para colegiado, houve patrocínio a religião por parte do município.


A Ação Cível Pública foi ajuizada pela Atea (Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos), com o argumento de que as inscrições bíblicas no monumento, construído em praça denominada "Praça da Bíblia", foram feitas com recursos públicos, violando o disposto no artigo 19, inciso I, da Constituição Federal.

O juízo da vara da Fazenda Pública de Praia Grande/SP, reconheceu a ilegitimidade ativa da ATEA para propor ACP ao entender que a atuação em juízo da associação se dá por representação, e não por substituição processual, dependendo de autorização expressa dos associados para ingressar com a demanda. Com isso, extinguiu a ação sem resolução do mérito.


Contra a decisão, a associação interpôs recurso no TJ/SP, sustentando que a demanda não trata de direito exclusivo de ateus e agnósticos, mas de violação ao patrimônio público, à laicidade do Estado e discriminação contra minorias religiosas.

Ao analisar o recurso, o relator na 10ª câmara de Direito Público do TJ/SP, desembargador Marcelo Semer, considerou que o pedido versa atendimento a direito coletivo relativo à preservação do Estado laico, e não a direito individual homogêneo, o que atribui legitimidade à associação para propor a ação e dispensa a autorização expressa de seus associados.

Em relação ao mérito, o relator ponderou que, de fato, houve destinação religiosa para a construção da praça, tanto que seu nome é "Praça da Bíblia" e em seu obelisco constam inscrições que remetem especificamente ao cristianismo.

O desembargador considerou que o próprio prefeito e o secretário de obras públicas e habitação do município indicaram que a construção da praça foi destinada ao público cristão, o que infringe a laicidade do Estado.

"Muito embora não exista vedação para a frequência na praça, o que aliás seria de todo inviável, o local, expressamente direcionado para a comunidade cristã, subvencionado pelo Município, é uma infração evidente à laicidade do Estado."

Com isso, votou por dar parcial provimento ao recurso da ATEA e determinar que o município de Praia Grande retire as inscrições bíblicas do monumento. O voto foi seguido por maioria do colegiado.



Íntegra do acórdão.

Com foto de divulgação.


Em Estado laico ninguém pode impor sua religião à sociedade

Religiosos não suportam a igualdade do Estado laico, escreve Sottomaior

Estado laico deve proteger todo tipo de família, diz advogado




Estado laico deve proteger todo tipo de família, diz advogado

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

Postar um comentário

-------- Busca neste site