Igrejas continuam acobertando abusos a crianças, diz comissão


Igrejas católicas
 e evangélicas
mantêm estrutura de
 proteção aos violadores

As Igrejas católica e evangélicas alemãs ainda mantêm estruturas que acobertam abusos sexuais contra menores, protegendo quem violentadores.
A conclusão é da Comissão de Estudo de Abusos Sexuais a Menores, uma entidade criada em 2016 por decisão do Bundestag (Câmara Baixa do Parlamento alemão).

A presidente da Comissão, Sabine Andresen, lembrou a “responsabilidade especial” que ambas Igrejas têm em relação com esses crimes e a prevenção e que não fizeram “o suficiente”. “As duas Igrejas não fizeram tanto como deveriam”, acrescentou.


A Comissão teve contatos com vítimas desses abusos e considera que, após escutá-los, as Igrejas têm que assumir uma “responsabilidade mais clara do que até agora fizeram” em relação com esses casos, segundo um comunicado.

Outro membro da Comissão, Heiner Keupp, lembrou o “enorme poder e influência” que as Igrejas têm sobre crianças e jovens e chamou seus responsáveis a fazer uma reflexão sobre a “dimensão ética” associada aos seus cargos.

Keupp afirmou que, para proteger as crianças, é preciso deixar de dar primazia a certas normas da Igreja, como o segredo de confissão.

Ele pediu um “exame crítico” do segredo de confissão para evitar que os autores dos abusos encontrem nele a proteção institucional que impede que esses casos sejam revelados.

Com informação das agências.


Igreja mandou padre pedófilo cuidar de filhos de índios brasileiros

Bispo do Amazonas é condenado à prisão por molestar meninas




Igreja demorou dez anos para expulsar padre pedófilo

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.


Comentários

-------- Busca neste site