Adventista tem de se submeter ao horário da escola, decide TRF-4


O que vale para a
 estudante é a Justiça
 terrena, disse desembargador

A liberdade religiosa assegurada pela Constituição Federal não obriga o Estado, que é laico, a se subordinar aos preceitos de qualquer religião. 

Com base nesse entendimento, a 4ª Turma do TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) negou pedido de uma aluna membro da Igreja Adventista para mudar de turno ou ter faltas abonadas.

A religião da estudante não permite que seja realizada qualquer atividade entre o pôr do sol de sexta-feira ao mesmo período do sábado.

Por isso, com base no direito à liberdade de crença prevista na Constituição, a aluna de Odontologia pediu para assistir as aulas do último dia útil da semana em outro horário preexistente no cronograma da faculdade ou o abono de faltas. Caso não fossem atendidos, requereu a troca de turno do curso para o período diurno.


O mandado de segurança foi denegado na Justiça Federal de Porto Alegre em um primeiro julgamento. 

A autora recorreu ao TRF-4, onde a ação teve relatoria do desembargador Luís Alberto D Azevedo Aurvalle. Seguido por unanimidade pelos demais membros da turma, ele também negou provimento à apelação.

“Qualquer cidadão pode professar livremente qualquer religião. A Constituição Federal e o Estado lhe garantem livremente o exercício deste direito. Quando o cidadão, porém, lida com assuntos terrenos, às regras próprias deve amoldar-se, e não o contrário", afirmou o relator do caso, o desembargador Luís Alberto D Azevedo Aurvalle.

"E nisso não há qualquer ofensa à liberdade religiosa.” 

Em seu relatório, Aurvalle conluiu que “a permissão requerida implicaria ofensa à isonomia, porquanto os demais alunos se submetem ao plano da universidade, a qual teria que abrir exceção desarrazoada em prol daquele aluno de determinada religião”.

Com informações da assessoria de imprensa do TRF-4 e íntegra da decisão. do processo 5049307-30.2017.4.04.7100.


Colégio adventista ensina dilúvio em aula de história

Governador de Minas veta lei da guarda sabática adventista

Estudante expulsa acusa escola adventista de homofobia




Colégio Adventista barra estudante com corte de cabelo moicano

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.


Comentários

  1. Que tem haver corte de cabelo com salvação, ou educação, os piores bandidos chegam com boa aparência. Satanás.
    Ou estou errando?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Busca neste site