Colégio Adventista barra estudante com corte de cabelo moicano

Para a escola, o corte é extravagante.
Para a escola foi
extravagância demai
s
O Colégio Adventista de Gravataí impediu na sexta  um aluno de 13 anos (foto) de frequentar as aulas da 8ª série porque considerou extravagante o seu corte de cabelo moicano.

Gravataí é uma cidade gaúcha de 270 mil habitantes que fica a 22 km de Porto Alegre, a capital.

A família do estudante transferiu-o para a escola pública Bárbara Maix e vai processar o colégio por tê-lo submetido a constrangimento. O rapaz estudava ali desde 2005.

A direção da escola disse que o estudante sabia que não podia se apresentar daquele jeito porque conhece o regimento interno.

Além disso, ainda segundo a escola, o jovem cortou o cabelo sem o conhecimento da família, o que Antônio Franco, o pai, negou.

A família deu queixa na polícia e no Conselho Tutelar.

Com informações do Globo.

Caso da ofensa à moça do vestido curto por estudantes da Uniban.

Comentários

Anônimo disse…
Eu estudei em uma escola adventista.
Foi muito importante pra minha formação, muito do que aprendi sobre religião e moral lá, me mantem afastado de religiões e religiosos falsos moralistas até hoje.
Moisés Silva disse…
Viva a sociedade falida e preconceituosa de hoje.Me indigno com tais atos.O grande problema do moralismo religioso, como disse meu amigo "anônimo",é que ele acaba afastando as pessoas da religião, ou seja, a religião que tinha como papel primordial ensinar a moral e a ética, hoje não passa de um julgamento pré-morte, se é que assim posso dizer.
P.S: Sou cristão, mas não moralista.
Pedro Lobo disse…
"O grande problema do moralismo religioso é que ele acaba afastando as pessoas da religião."

Mas isso não é um problema. É uma solução.
De Saco cheio... disse…
Da próxima vez ele deve se aprentar cheio de piercings e desdentado.Isso sim é que é apresentação em uma escola.Por conta desta liberalidade da familia e dos exemplos dos seus artistas preferidos estamos indo por um caminho sem volta.

A mesma liberdade que se dá demais se volta contra você no futuro.

bater nos professores pode.Ameaçar etc.Aí ninguem pode fazer nada.No entanto o filho do papai permissivo tudo pode!

Esse é o mundo atual!
Anônimo disse…
Vocês estão olhando a questão de modo errado. A questão não é religiosa, e sim educacional e/ou jurídica.

Este comportamento (corte de cabelo, atitude) vai fazer bem ao aluno?

Ele tem o direito de ir assim para a escola?

A escola tem o direito de não deixá-lo assistir às aulas assim?

A quem cabe julgar?

Pelos termos do contrato que a própria familia assinou, que em outras emissoras é citado, o colégio, com o intuito de manter o padrão elevado de ensino, tem o direito sim. Fazer o que, não concorda, não matricule. Matriculou e não gostou, entre na justiça e perca.

Não, não sou do colégio.
Pedro Lobo disse…
Ei, anônimo das 17:03: qual é o nexo que há entre um "padrão elevado de ensino" e o corte de cabelo dos alunos. Dá pra explicar?

Porque, na minha modesta opinião, o bom aprendizado tem a ver o que se passa dentro da cabeça dos estudantes, não fora.
De saco cheio... disse…
Pedro Lobo ... e assim segue a humanidade...primeiro o corte de cabelo depois o funk,depois o rebolation etc...

Este caso se parece com aquele em que a comunidade escolar pintou a escola e o capetinha foi lá e pichou...a mãe queria processar a escola pq a professora como castigo mandou ele pintar novamente aparede...aí a professora é ruim...

Pau no moleque e nos pais!
Anônimo disse…
Pelo corte de cabelo e a atitude da familia que quebrou o contrato da pra perceber o que se passa na cabeça do aluno e dos pais...kkkkkkkkkk
Kamila Rafaela disse…
Estudo em colégio Adventista e não é bem assim não. Muita coisa eles deixam passar batido. E quanto ao corte de cabelo, aposto que não foi somente por isso que chamaram a atenção do aluno. O colégio Adventista de qualquer estado, possui um TERMO DE RESPONSABILIDADE, no qual o aluno assina quando se matricula no colégio. O fato é: ASSINOU, SE RESPONSABILIZOU.
As normas do Adventista podem ser um pouco exageradas, mas acontece que o colégio Adventista foi criado para pessoas adventistas. Só que com o decorrer do tempo, foi abrindo vaga para quem não era. Quando um pai matricula seu filho em um colegio como esse, deve ter em mente as consequencias que se seguirão. Quem conhece a religião adventista sabe que as mulheres em especial, não usam joías, maquiagem em excesso, roupas chamativas (curtas) e pircengs. O colégio leva a religião como metodo de ensino. Pra esse aluno ter sido tirado de dentro da sala, não foi só por culpa do cabelo. Pois no meu colégio existe vários meninos que usam moicanos e não são retirados e MUITO MENOS suspensos de aula. Atitudes valem muito.
E concordo com o anônimo que disse:
Pelos termos do contrato que a própria familia assinou, que em outras emissoras é citado, o colégio, com o intuito de manter o padrão elevado de ensino, tem o direito sim. Fazer o que, não concorda, não matricule. Matriculou e não gostou, entre na justiça e perca.
Anônimo disse…
"O colégio Adventista de qualquer estado, possui um TERMO DE RESPONSABILIDADE, no qual o aluno assina quando se matricula no colégio. O fato é: ASSINOU, SE RESPONSABILIZOU."

O fato é: fere a liberdade individual, a moral e respeito próprio do aluno, esse contrato é NULO! Ainda mais que não há conexão entre corte de cabelo e ensino. Qualquer advogado vai ganhar um dinheiro fácil nesse processo de danos morais, pois religião não pode ser justificativa para moral escolar, mas moral INDIVIDUAL!
Não pode haver preconceito por questões religiosas, se caracterizar isso, tchau escola adventista.
Kamila Rafaela disse…
Não pode haver preconceito por questões religiosas, se caracterizar isso, tchau escola adventista.
Então é tchau pro colégio ADVENTISTA, SANTA TERESA e tantos outros que cobram a questão do uniforme e tal?
E quando a individualide... Se ele se matriculou em um colégio com uma doutrina e regras, não deveria ter se matriculado se não as quissese seguir. :)
E torno a repetir: não deve ter sido somente o cabelo... O menino estudava ali a cinco anos, sabia que não podia. Porque foi implicar justo na oitava serie em cortar o cabelo? Nenhum monitor/coordenador/direção teria motivos pra pegar no pé.
Anônimo disse…
O nome do DIRETOR é ISAAC SANTOS. Não o ALUNO!!
Anônimo disse…
No regimento do Colégio Adventista, aprovado pelo Conselho Estadual de Educação, constam normas que devem ser seguidas pelos estudantes. No caso dos meninos, é vedado cabelo comprido ou cortes extravagantes, piercings e brincos. Às meninas, também não são permitidos cabelos extravagantes, o que inclui cores fora das habituais, como vermelho e azul, além do uso de piercings, joias e bijuterias. A instituição justifica que as normas são apresentadas aos pais ou responsáveis no momento da matrícula.
Anônimo disse…
Se os pais tinham conhecimento do regulamento da escola e também sabiam da intenção do filho de cortar o cabelo nesse 'estilo', o que não seria aceito pela escola, posso supor que a familia pensou na possibilidade de 'tirar uma grana da escola' com uma reclamação de constrangimento, danos e etc...e o rapaz se queria chamar atenção, conseguiu.

Wander
Morena Flor disse…
Ah, meu povo e minha pova...

E eu, q já tive problema por causa de uma singela passadeira, isso nos anos 90, qdo eu tava na 5a série...

Minha mãe teve de lutar p/ q eu pudesse usar o adereço, hehehehe

fora q nas pecinhas de teatro da escola, as meninas não poderiam sequer usar um batonzinho discreto p/ a maquilagem - nem uma maquilagenzinha básica!, nem esmaltes nas unhas, nem mesmo um brinquinho do tamanho de um alfinete(p/ vcs terem uma idéia, nos 4 anos q estudei lá, o buraco da minha orelha quase fechou por completo, hehehehe)... Enfim, ridículo, ridículo, simplesmente ridículo!

E enquanto isso, coisas piores rolavam por trás - ou pela frente mesmo(com e sem trocadilho!) e "neguin" fazia "vistas grossas", tsc..tsc...tsc... Como Jesus Cristo já dizia: Coam mosquitos e engolem os camelos. Qualquer semelhança com os fariseus da época de Cristo NÃo SERÁ mera coincidência.

P.S: O colégio Adventista é bom, mas qdo tem essas besteiras...
Morena Flor disse…
E p/ aqueles q criticam o rapaz e sua família: Simples, experimentem passar por constrangimento, ou ter filhos q passem por este tipo de constrangimento, depois voltem aqui e falem q o rapaz "só queria aparecer", "só quer tirar grana da escola", e ainda com as sapientíssimas comparações entre o penteado "exótico" do rapaz com "rebolation", "bater nos professores" e etc e tal. Em si mesmo e nos próprios filhos, arde. Nos outros e nos filhos dos outros é refresco.
Saco cheio... disse…
Meu filho jamais passara por constrangimento.
!- não anda tipo rebelde sem causa com a conivencia dos pais.
2- tem gosto cultural apurado
3-não se vende por modismo
4-quando tem razão o defendemos,quando não tem é repreendido

Esta na hora de acabar com essa palhaçada de deixar os filhos monbtarem nos professores e acharem que escola é lugar de exercer todos os direitos e nenhum dever!
Luana Kw disse…
"O grande problema do moralismo religioso é que ele acaba afastando as pessoas da religião."

Mas isso não é um problema. É uma solução.

Concordo com o Pedro.
Pangéia disse…
Ao anônimo que postou sobre não poder usar cabelo vermelho na escola, informo que sou ruivo de nascença (ou louro-avermelhado, se você preferir), porém, quase não se nota mais o ruivo, já está castanho (cabelo queimado naturalmente pelo sol é assim mesmo); porém tenho uma amiga que estudou em colégio religioso rígido em suas regras e jamais recebeu uma única advertência por causa disso (o cabelo dela é cor de rosa - mesmo - devido a um gene defeituoso que o torna assim; porém, só a família e seus amigos mais chegados o sabem, o colégio onde ela estudou por seis anos jamais soube desse problema e, no entanto, ninguém, nem professor, nem diretor, nem funcionário, nem aluno, jamais pegou no pé dela por causa disso). Por esse ponto de vista, creio eu que cabelo - ou corte de cabelo - não tenha nada a ver com educação. O hábito não faz o monge, a farda não faz o soldado, o maçarico não faz o funileiro, se é que me entende! Educação não se encontra na aparência e sim nas atitudes da pessoa. Conhece a máxima dos Escoteiros, fazer o bem sem olhar a quem? Eu fui Lobinho e, em minha época, quando um dos Lobinhos pegou um outro se vestindo no nosso acampamento e viu que o mesmo não usava cuecas mas calcinhas, atirou-lhe uma pedra no rosto, o que o fez levar 4 pontos na boca! Depois, quando o Mestre Escoteiro e eu nos demos conta, já estavam quase todos os Lobinhos e Escoteiros-Mirins de paus e pedras nas mãos querendo agredir o garoto. Porque? O que a roupa íntima, de baixo, tem a ver com a atitude? Socorri o garoto em questão mas na hora de voltarmos do acampamento para a cidade, novo preconceito, dessa vez de nosso Mestre Escoteiro: Se recusou a deixar o garoto subir na Kombi que ia levar-nos de volta. Pergunto novamente: O que a roupa íntima tem a ver com o caráter? Com a atitude? Eu fui o único que tomou coragem para desafiar o Mestre Escoteiro e não só desci do ônibus como aleguei que não precisava expulsar ninguém, bastava transferir o garoto para a versão feminina dos Escoteiros, já que o mesmo já admitira se sentir mulher presa em corpo de homem. Infelizmente, nossa sociedade ainda é muito hipócrita, tudo que é instituição se admite como não preconceituoisa, como respeitadora das instituições de caráter semelhante e, no entanto, na realidade não é bem por aí! Há sim um preconceito visível que ainda não é admitido por ninguém; é como disse em um outro tópico, nós não somos homens de verdade, não admitimos publicamente o que somos de verdade, na íntegra!
De saco cheio... disse…
Enquanto isso os diabinhos cagam nas cabeças dos professores.E quem é contra isso é hipócrita?kkkkkkk
Alana disse…
somente quem estuda nessa escola,sabe como eles são,estou no E.M e sinceramente? nem professores nem os coordenadores são como diz aqui,por acaso algum coordenador tem o direito de gritar com nós alunos como se fosse nossos pais? acho que não.Algum professor tem o direito de me dar uma nota mais baixa porque eu sabia a matéria e preferi apresentar do que ficar lendo direto da apostila e nem saber o que eu estava lendo? acho que não também. E se hoje,que somos adolescentes temos essa vontade de pintar cabelo,cortar,colocar um pircing será muito melhor do que se fossemos fazer isso aos 30 anos,quem nunca teve vontade de mudar o visual quando era adolescente? proibir isso nessa fase,só vai fazer com que,quando formos adultos formados,essas vontades voltem a tona,por que na época me proibiram.
Anônimo disse…
esse colégio é uma droga mesmo,estudo nele por obrigação e não vejo graça,tudo é proibido,não pode nem usar esmalte,brinco,beijar na boca,os meninos não podem usar cabelo grande e as meninas não podem nem ficar abraçadas nem com os amigos...resumindo eu odeio esse colégio e sempre odiarei...
Anônimo disse…
Eu estudei no colegio adventista, quando comecei a estudar já recebi o manual do aluno no qual mostrava os meu direitos e deveres e proibições, o aluno sabia que não podia entrar com cortes de cabelo estrvagantes, mas a familia apoia essa atitude, infelismente é nosso pais pensa assim, os filhos burlan as normas de colegios e os pais querem proteger o aluno.
Anônimo disse…
Me dsculpe,Morena Flor mas qundo vc entrou na escola vc ja sabia das rgras entao nao culpe a escola e nem da religiao por q qundo o colegio e libral d mais e acontce algo erado cm algum aluno os papaizinos qrem reklamr e qndo e muito rigida vao rclamar na escola e fikm falndo mal da eskola tbm ja muito diso,e eu acho q eses pais dec garoto qriam e ganhar dinheiro do processo q botaram no colegio,pncm bm gnt
leo disse…
Conheço as escolas adventistas. Os alunos ao serem cadastrados na escola eles já conhece as regras do colégio, como foi mencionado ali que ela ja obtinha conhecimento das regras..o cara desobedeceu e a escola fez bem em não permitir sua entrada na escola. Já as escolas publicas são lixo de tanta liberdade que entra até drogas. Se as escolas adventistas derem a liberdade de entrar alunos com qualquer corte de cabelo e atitudes do mundo lá foram as escolas adventistas se tornariam lixo cheios de mulecada com cada corte de cabelo e trajes do mundo com seus idolos que até drogas entraria na escola e viraria uma zona de imundicias. Pra mim, isso cheira malandragem, o guri sabe que não pode e entrou com esse corte de cabelo ciente que seria advertido pela escola e teria castigo. Obviamente os pais sabem das regras, porque os pais não ficam fora do conhecimento da regras da esocla adventista os pais sempre andam informado do que se passam e já são informados no cadastro das regras da escola. Os pais deixaram sim o guri cortar o cabelo e agora querem punir a escola por não deixarem ele entrar. Eles sabiam das regras...pra mim tudo isso aí da família do guri é pra ganhar dinheiro em cim da escola...de fato, faz dois anos isso, quem bom se a familia dele perdesse na justiça.