Goleiro muçulmano recusa troféu da Fifa patrocinado por cervejaria


Mohamed El-Shenawy,
 do Egito, mostrou não
não ter espírito esportivo


[opinião]

Mohamed El-Shenawy (foto), goleiro da seleção de futebol do Egito, recusou o troféu da Fifa de melhor jogador da disputa entre o seu time e o Uruguai, que ganhou de 1 a 0.

O goleiro se sentiu ofendido porque o troféu é uma taça com a marca Budweiser.

Muçulmano, El-Shenawy não toma bebida alcoólica e não quis ter seu nome associado à cervejaria.

A seleção do Egito foi uma das primeiras a ser desclassificadas da Copa do Mundo, mas ficou um exemplo de gafe e falta de espírito esportivo do goleiro, para não dizer fanatismo religioso.

A Fifa deveria ter dado a El-Shenawy um troféu representando 72 virgens no Paraíso, e aí, sim, ele aceitaria.

Com informação das agências e foto de divulgação.


Muçulmano pede indenização por acreditar que Coca-Cola tem álcool

Na Suíça, muçulmanos se negam a apertar mão de professoras




Filhos de muçulmanos querem bandeira suíça sem cruz

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.


Comentários

Busca neste site