Descoberta confirma no Peru o maior sacrifício religioso de crianças


Ossos indicam a
 matança de mais de
200 crianças para
 agradar os deuses
da civilização chimú

Arqueólogos descobriram restos mortais de 50 crianças que foram mortas em ritual religioso da cultura chimú, na costa norte do Peru. 

A descoberta ocorreu no setor Pampa La Cruz, em Huanchaco, na cidade de Trujillo.

Trata-se de um local perto de outros vestígios de 140 crianças, além de adultos, cuja localização em 2016 está a 700 km ao norte de Lima.

Em ambos os sítios arqueológicos os sacrifícios apresentam o mesmo padrão: um corte no esterno e costelas abertas.


Os ossos das duas descobertas são tantos, que ainda não foi possível saber com exatidão o número de crianças mortas em rituais naquela região, entre 1400 e 1450.

Mas se trata da maior assassinato de crianças por motivos religiosos já descoberto até agora na história da humanidade, de acordo com o arqueólogo Gabriel Prieto.

Os chimús adoravam deuses, e um deles era a Lua. Interpretavam fenômenos naturais, como tremores do solo, como fúria das divindades. Matavam crianças e animais para acalmá-las.

Essa civilização foi dizimada pelos incas, que depois teriam um encontro fatal com os espanhóis.



Primeiros cristãos promoviam sacrifício humano, diz livro

Indiano mata filho de oito meses em sacrifício à deusa Kali




Feiticeiros combatem seca em Uganda com sacrifícios humanos

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.


Comentários

-------- Busca neste site