Pular para o conteúdo principal

Muçulmano radical brasileiro quis envenenar comida de sem-teto


Abdien informou
 que comunidade já
 tinha expulsado o
muçulmano extremado

A Sociedade Beneficente Muçulmana do Rio informou que já tinha expulsado do seu convívio o brasileiro Wellington Moreira de Carvalho. que agora está sendo acusado pela Polícia Federal de ter afinidades com o Estado Islâmico, planejando atentados no Brasil.

Mohamed Abdien (foto), presidente da sociedade, disse que Carvalho mostrou ter caráter violento “em 2004 ou 2005”, quando sugeriu envenenar os alimentos que a comunidade estava distribuindo a sem-teto, além de incentivar o apedrejamento da embaixada americana.

Se de fato Carvalho demonstrou tanta periculosidade. a Sociedade Muçulmana deveria ter feito uma denúncia à polícia, e não só decidido pela expulsão.

Com informação de O Estado de S. Paulo.


Brasil tem muçulmanos simpáticos ao Estado Islâmico, diz xeque

Grupos no Facebook pedem aplicação da sharia no Brasil




Muçulmanos têm planos de expandir sua fé no Brasil

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.


Comentários

Anônimo disse…
Mas o cara foi denunciado ! "Abdien disse que chegou a denunciá-lo à Polícia Federal", está escrito na própria matéria de sua fonte. não leu ???

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m