Pular para o conteúdo principal

Brasil tem muçulmanos simpáticos ao Estado Islâmico, diz xeque



O Brasil tem muçulmanos que apoiam o Estado Islâmico e, pior ainda, o número desses fanáticos está aumentando.

A informação é do xeque xiita brasileiro Rodrigo Jalloul (foto abaixo).

Ele está preocupado com a expansão no Brasil de ramificações do islamismo constituídas por pessoas com pensamentos extremistas.

“Por mais que muitos xeques neguem, existem extremistas entre nós”, disse Jalloul à Veja.

“Basta ir ao centro de São Paulo e ver brasileiros recém-convertidos com roupas árabes e mulheres de burca. Ora, essas vestes são culturais, não religiosas. Não fazem sentido no contexto brasileiro.”

O xeque afirmou que os brasileiros que “tem mais sede de conversão” são os que inspiram mais preocupação.

“Eles querem se converter e não discutem nem questionam nada.”

Jalloul falou que esses brasileiros pregam o extermínio de cristãos e judeus.

Ele elogiou as autoridades brasileiras que prenderam em 2016 radicais islâmicos.

“A ação da Polícia Federal e do juiz que manteve esses radicais presos salvou a paz da religião e de seus seguidores no Brasil.”

Jalloul disse que há brasileiros que
pregam extermínio de cristãos e judeus

Envio de correção.

Com informação de Veja e foto de divulgação.




Muçulmano brasileiro defende em vídeo morte às adúlteras


Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m