Mestre de budismo zen é acusado de molestar alunas

Joshu Sasaki
Joshu Sasaki dizia às estudantes que
tocá-lo era parte do treinamento zen 
Nikki Stubbs contou ao New York Times que o mestre budista zen Joshu Sasaki (foto), hoje com 105 anos, costumava acariciar os seios dela durante as aulas e que, em uma oportunidade, ele pediu que ela massageasse o seu pênis. Ela o questionou sobre esse comportamento, e o mestre respondeu que tocá-lo fazia parte do ensinamento.

O jornal colheu depoimento de outras seis ex-alunas do budista que o acusam de assédio sexual, em casos que remontam a décadas. Todas afirmaram que eram encorajadas a tocar em Sasaki porque isso fazia parte do treinamento zen.

O japonês Sasaki está nos Estados Unidos desde 1962, onde construiu uma reputação de “iluminador de mentes”. Ele foi mestre, por exemplo, do poeta e compositor Leonard Cohen. Sasaki é dono de um centro zen em Los Angeles e de outro no Novo México. Tem influência em dezenas de centros em vários países.

Integrantes da Comunidade Zen Budista dos Estados Unidos afirmaram estar chocados com as denúncias. Mas as acusações só obtiveram visibilidade agora porque a comunidade acobertou as investidas sexuais de Sasaki por longo tempo.

Nikki Stubbs
Stubbs acusou o mestre
 de ser inadequado
Ex-estudantes denunciaram Sasaki em 1991 ao conselho de um centro zen do mestre, mas nada foi feito. O escândalo começou a chamar a atenção dos budistas somente em novembro de 2012, quando o sacerdote Exu Martin, que estudou com Sasaki no período de 1997 a 2008, postou uma mensagem no site SweepingZen.com.

Martin disse que testemunhou a “carreira de má conduta” do seu mestre. Falou que era frequente Sasaki, durante as reuniões para tomar chá, tocar nas alunas sem o consentimento delas.

Líderes budistas independentes estão investigando as denúncias e vão ouvir 25 ex-alunas de Sasaki. O mestre se recusou a dar a sua versão.

Nos Estados Unidos, outros professores de budismo já foram acusados de tirar proveito sexual de suas alunas. Um deles é Eido Shimano, que 2010 teve de se demitir da Sociedade de Estudos Zen de Manhattan.

Com informação do New York Times.





Pastor é acusado de ejacular ‘esperma de Deus’ em obreiras
agosto de 2012


Comentários

Anônimo disse…
Esse é dicipulo do Mestre Kame KKKKKKKKKKK
Gerson B disse…
Tanto mestre tarado nos mangás não ia ser sem algum motivo.
Chris Risola disse…
E eu que achava que só os padres e pastores faziam isso! lol
Anônimo disse…
imagine só o tanto de desgraçados que se aproveitam e aproveitaram da propriedade de confraternização, que a religião proporciona, para abusar das pessoas. São os legítimos lobos em pele de cordeiros.

Rubim Geontelus disse…
Segundo Schwaller de Lubicz, citado no livro 'A Serpente Cósmica' do antropólogo John Anthony West, a religião é também um tipo de feitiçaria, uma vez que lida com energia que emanam da própria atividade humana. Schwaller de Lubicz faz uma distinção entre feitiçaria e magia, e diz que existem tanto feitiçaria quanto magia brancas e negras e superiores e inferiores.

A feitiçaria lida com energias humanas, através da palavra, do pensamento, e modernamente é chamada eufemisticamente de publicidade pelos empresários, de propaganda pelos políticos, de sugestão pelos psicólogos, de rituais e pregações pelos religiosos. Por isso, não nos surpreende casos em que 'religiosos' conseguem fazer a cabeça dos ingênuos a ponto de conseguir com que façam quaisquer coisas, como 'fazer doações', 'fazer massagem em pênis', 'dar uma transadinha com o mestre, pastor, padre', 'matar e perseguir outros', etc. Ou seja, a religião, se utilizando de técnicas da psicologia, pode fazer com as pessoas sejam monstros. O princípio é sempre o mesmo: uma mente (ou mentes) forte, respaldada em livros religiosos e/ou de técnicas psicológicas, dominando uma mente (ou mentes) fraca, submissa, que se culpa por pecados originais, etc.

Vemos o s efeitos da feitiçaria moderna através de muitos exemplos, como quando, através da publicidade, somos seduzidos a comprar coisas. Um homem pode comprar determinado carro porque a publicidade do mesmo induz a pensar que o mesmo influencia a conquista de mulheres. O mesmo faz religiosos que dizem que quanto mais o ‘fiel’ doar, mais ‘deus’ multiplicará seus bens. O processo é o mesmo.

Já a magia lida com harmonias cósmicas, como a pintura, a arquitetura, a música...nessas harmonias estão presentes o número Phi ou Proporção Áurea, Pi, raízes de 2, 3, 5. Essas medidas são suficientes para se construir todos os sólidos perfeitos geométricos e estão presentes em toda a natureza: das medidas dos seres humanos, às galáxias, às plantas, às órbitas dos planetas, às notas musicais, etc. A magia também influencia nossos pensamentos, e é por isso que ao tocar um hino de algum país as pessoas podem se sentir compelidas a lutarem pelo mesmo sem se perguntarem se tal guerra tem mesmo algum sentido lógico.

O poder que religiosos tem sobre os fiéis é imenso, e ainda mais quando não têm boas intenções.


Junior disse…
afff religião é foda mesmo, nem o Budismo (que eu achava a melhor religião) escapa...

Ilana disse…
Claro q não, é ridículo achar isso.

Em qualquer religião pode existir esse tipo de conduta horrenda entre uma figura de autoridade e pessoas que estão sob domínio da autoridade dela e/ou que estão fragilizadas. Além da comunidade da religião em questão acobertar.

Não é um crime somente relacionado com esta ou aquela crença em específico.
Anônimo disse…
Concordo. Buda estaria se revirando no túmulo agora.
EMPORIO DO VIDRO disse…
só mais um tarado usando da prorrogativa do cargo, já fui lider budista, era responsavel por 40 familias, o equivalente a 70 membros, sei do que falo, infelizmente vi casos que não gostei, mas tb não beixei a guarda, briguei, falei, bati e apanhei..., larguei a pratica budista não por isso, outros motivos me fizeram sair, aprendi muito lá e não me errependo dos 20 e poucos anos lá, só não me vejo mais praticando religião alguma
Lia de Souza disse…
Esse lero de que budismo é sempre 'zen' faz parte da propaganda para os interesses que sustentam o mito Dalai Lama, puro produto de marketing. Evidentemente, há várias modalidades de budismo, mas não são santidades em vida não. As que agem no Brasil fazem altas lavagens cerebrais na gurizada que vai por curiosidade, não muito diferentes da Opus Dei que rouba pessoas de suas famílias, filhos se afastam de seus pais e familiares. O sucesso do budismo vem muito das celebridades que pegam o que convém para parecerem descoladas, diferentes e 'espiritualizadas'.
Um bom artigo de faz refletir sobre o budismo e sua pouca 'santidade', e que li recentemente, é esse, para quem quiser ler.
http://jak-bazino.blogspot.fr/2013/01/le-bouddhisme-theravada-philosophie-de.html

Ele foca na experiência da Birmânia, mas tece considerações sobre como os ocidentais veem o budismo e como ele realmente é ou pode ser.
Floydy disse…
Convenhamos que uma mulher feia assim deveria se sentir lisonjeada ao ser tocada por alguém tão "importante" HAHAHAHAH'
Anônimo disse…
Aprendizes de puritanos acham o abuso sexual PIOR que os abusos psicológicos, abusos intelectuais, abusos físicos e abusos financeiros praticados por todas as religiões contra as massas ignorantes (crianças inclusas).

Só quem não tem inclinações puritanas percebe o quão absurdamente desproporcional é o juízo de valores que as pessoas fazem sobre possíveis abusos sexuais e os outros tipos de abuso.

Paciência...
Anônimo disse…
"Joshu Sasaki dizia às estudantes que tocá-lo era parte do treinamento zen"

E aqueles judeus ultra-ortodoxos que sugam pênis de meninos bebês também alegam que tal procedimento é parte da ritualística religiosa.

E aí, um peso e duas medidas?
Anônimo disse…
Isso é verdade e eu concordo.

ATEU CONCIENTE
Anônimo disse…
Triste isso. Vamos concordar que budismo Zen, de budismo, só tem o nome e alguns conceitos. É uma seita, uma variação, uma criação japonesa. É complicado e sempre misteriosa, nunca foi aberta como o budismo. O budismo tibetano também é uma variação. Buda estaria envergonhado por isso, se é que existiu. Pois assim como Cristo, ninguém prova sua existência. O budismo tradicional sempre foi mais "bonito" que qualquer outra religião, sempre foi uma religião da paz, mas suas variações, as seitas que ali se criam, são lixo também. tem desde seitas que parecem evangélicas a essas que são fechadas. Infelizmente era minha última esperança nesse assunto. Sou ateu, não defendo religiões, mas acreditava que ainda poderia existir gente boa no budismo pelo menos. Agora o Zen também morreu pra mim.
satanás disse…
este aí é totalmente "ZEN NOÇÃO" !!!!!!
Anônimo disse…
condenemos então todas formas de abuso.

Que drama. O tema em questão é que está em foco...
Anônimo disse…
com certeza. Pra que religião?

ô coisinha inutil...
Anônimo disse…
Não! são duas safadezas mesmo!
Religião= Safadeza e ponto final.
Anônimo disse…
Não fala o que não sabe. Buda foi cremado.
Anônimo disse…
Não! O Budismo não encoraja nenhum tipo de prática sexual, ao contrário, o budismo diz que você tem que ter uma postura sexual correta, isso inclui não abusar sexualmente, não ficar viciado em sexo ou outras coisas.
Anônimo disse…
Excelente texto, simples e orientador. Parabéns!
Miriam, católica de valores disse…
esse tipinho devia pegar prisão perpétua

pq não contrata uma prostituta e deixa as mulheres de bem em paz?
Gerson B disse…
Às vezes desconfio que as religiões mais repressoras tendem mais a atrair caras que abusem. Mas precisaria ver isso pequisado estatisticamente.
Gerson B disse…
Perai, ainda tem muita diferença entre o Budismo em geral e as religiões abraâmicas. Pode-se ser budista e agnóstico, ou budista e ateu.
Anônimo disse…
Religião não define caráter, e essa é uma boa lição para os budistas que se acham tão "superiores" as demais religiões.
Anônimo disse…
Anônimo17 de fevereiro de 2013 02:13
É sério mesmo que você vai se focar mais se as pessoas estão ou não fazendo sua parte dentro do budismo do que preocupar-se com você mesmo?

Anônimo disse…
Pra mim, religião define caráter sim, e exceções à parte, imputa mau caráter nas pessoas, e isso é historicamente comprovado!
Anônimo disse…
Por que acham que os budistas se acham?
Warner disse…
Deus não faz a menor diferença. Nenhuma doutrina pode arrogar para si a posse da moral. Teistas ou não. O homem abusa do seu poder como membro da sociedade. Usam o rotulo que lhe concedem em beneficio de seus apetites carnais.
Anônimo disse…
Ah ta. Você acaba de condenar uma religião inteira por causa da atitude de uma só pessoa...
Anônimo disse…
Eu tenho amigos (e também "amigos") budistas, e infelizmente, a maioria se comporta como se fosse tão diferente dos cristãos, talvez por serem todos de classe média com formação universitária. Sempre que o assunto "religião" vem a mesa, e começamos a falar dos absurdos cometidos em nome de Deus, eles são os que mais se animam, e ressaltam sempre a "diferença" do budismo em comparação...
Anônimo disse…
O próprio Buda foi acusado de molestar uma mulher. Claro que na "biografia oficial" isso teria sido uma calúnia daquela comunidade. Mas aí já se vê que a "tradição" vem de longe...
Anônimo disse…
Isso faz até certo sentido, Gerson. Tipo, se você for pesquisar na faculdade de psicologia, a maioria se matriculou pra entender os próprios problemas. Daí depois dos doidos conseguirem diploma querem tratar dos outros, eheh.

Não duvido que muitos pervertidos acabem na religião como uma forma de tentar se disciplinar - até se "curar" - mas os coitados não conseguem. Homossexualismo entre os padres então não deveria ser surpresa, uma vez que a maioria confunde falta de interesse no sexo feminimo como vocação para o celibato, e são coisas muito diferentes...
Roberto ... disse…
Esse velhinho é muito é safado, isso sim. Deveria ter se detido tão somente em ensinar a sua religião, que aliás nem sei como funciona direito(nem faço conta de saber); mas acredito tratar-se de pura idolatria: são seguidores de Buda, o obeso! É pena que seja já de idade tão avançada, para sofrer todas as penalidades da lei americana -- bem que merecia.
Anônimo disse…
E vc eh seguidor de jesus, o barbudo.
Anônimo disse…
Se ele fez e foi ACOBERTADO acho que posso condena a religião sim!
Wallace Paulista disse…
Se a pessoa ouvir e deixar ser realmente trabalhada por Deus, lutar para seguir o que a bíblia atesta, ser sinceramente regenerada pelo Espírito, com certeza terá uma qualidade de vida, moral, autocontrole muito maior, existe diferença entre "religioso", seja lá qual for a religião, até se dizer "cristão", e aquele que realmente tem na vida uma verdadeira transformação por parte de Cristo, isso tudo se a própria pessoa se dispor, deixar, quiser, pois Deus não obriga, força ninguém a nada..

-------- Busca neste site