Estado laico é hostil à religião, afirma cardeal de Milão

O religioso disse que o atual modelo de laicidade não é neutro 
por Andrea Tornielli para Vatican Insider

O Estado que tem a marca do “laicismo” francês, em vez de ser verdadeiramente “neutro”, acaba por “exercer um poder negativo em relação às demais identidades, sobretudo as religiosas, que se encontram nas sociedades civis e tende a marginalizá-las, quando não as expulsa, do âmbito público”. A afirmação foi feita pelo cardeal Angelo Scola (foto), de Milão, no tradicional discurso à cidade que pronunciou na vigília da festa de Santo Ambrósio, que este ano abre as celebrações pelos 1700 anos do Edito de Constantino.

Scola recordou que o edito tem um significado histórico porque representa a ata de nascimento da liberdade religiosa e do Estado laico. O cardeal também recordou a passagem fundamental do Concílio Vaticano II que, com a declaração Dignitatis Humanae, acrescentou a liberdade religiosa aos direitos inalienáveis da pessoa. Notou que, atualmente, o tema segue tendo muita atualidade: um recente estudo demonstra que entre 2000 e 2007 “foram 123 os países em que se verificou alguma forma de perseguição religiosa e, infelizmente, o número está em constante aumento”.

cardeal Angelo Scola
Para dom Scola, Estado laico
favorece a cultura secularista
Ao falar sobre a relação entre a liberdade religiosa e a paz social, Scola indicou que, ao contrário do que se poderia pensar, os conflitos não diminuem, mas aumentam, quando o Estado reduz “as margens da diversidade religiosa”. De fato, quanto mais vínculos o Estado impõe, mais aumentam os contrastes religiosos, porque “impor ou proibir por lei práticas religiosas” provoca o aumento dos “ressentimentos e frustrações que depois se manifestam no cenário público como conflitos”.

A questão da relação entre a liberdade religiosa e a orientação do Estado foi o tema sobre o qual o cardeal refletiu mais profundamente. Scola recordou que a evolução dos Estados democrático-liberais mudou “o equilíbrio sobre o qual tradicionalmente se sustentava o poder político”. Com esta mudança, desapareceram algumas “estruturas antropológicas”, reconhecidas como “dimensões constitutivas da experiência religiosa”, como o nascimento, o matrimônio, a procriação, a educação, a morte. Foram se “absolutizando as políticas dos procedimentos de decisão que tendem a se autojustificar incondicionalmente”.

O cardeal explicou que “o pressuposto teórico” desta evolução nasceu com o modelo francês de laicité e se “baseia na ideia da indiferença, definida como “neutralidade”, das instituições estatais em relação ao fenômeno religioso”.

Uma forma para favorecer, à primeira vista, a liberdade religiosa de todos, mas esta concepção “muito difundida na cultura jurídica e política europeia” acabou por se converter em “um modelo hostil em relação ao fenômeno religioso”. E hoje, acrescentou o arcebispo de Milão, “nas sociedades ocidentais, e sobretudo europeias, as divisões mais profundas são aquelas que há entre a cultura secularista e o fenômeno religioso, e não – como se pensa muitas vezes de maneira errada – entre os crentes de diferentes religiões”.

Ao não reconhecer este dado, “a justa e necessária aconfessionalidade do Estado acabou por dissimular, sob a ideia da ‘neutralidade’, o apoio do Estado a uma visão de mundo que se baseia na ideia secular e sem Deus”. O Estado fez sua uma cultura específica, a secular, que “através da legislação se converte na cultura dominante” e acaba por “exercer um poder negativo em relação às demais identidades, sobretudo as religiosas”.

“Sob a aparência da neutralidade e da objetividade das leis – explicou Scola – se sela e se difunde, pelo menos nos fatos, uma cultura fortemente conotada por uma visão secularizada de homem e de mundo, que não tem abertura para o transcendente”.  Se é o Estado que faz sua esta visão, limita-se “inevitavelmente a liberdade religiosa”.

Segundo o cardeal, é preciso questionar a aconfessionalidade do Estado, que não deve ser interpretada como “afastamento”. Ao contrário, deve “abrir espaços em que cada sujeito pessoal e social possa contribuir para a construção do bem comum”.





Shermer afirma haver avanço das democracias laicas
novembro de 2012

Secularização   Religião no Estado laico


Comentários

  1. O simples fato de não favorecer a religião, já os faz consider que isso é uma "afronta" à religião deles. Do mesmo modo que eles consideram todas as manifestações de descrença como "ofensivas" à sua fé.

    Nenhuma novidade...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como sempre um religioso falando besteira, claro que a laicidade não é interessante para eles.

      Excluir
    2. Anônimo8 de dezembro de 2012 14:03 ,vc disse tudo .

      Excluir
    3. É um posição individual ou, bem particular. Eu sou cristã praticante e não concordo com um Estado teocrático. O Estado laico, também, não deve reprimir o direito à liberdade religiosa ou de pensamento, desde que estes não afrontem os direitos humanos básicos. Não se pode colocar o Cristianismo dentro de um único saco, como se fosse uma ditadura. Em todos os setores do pensamento humano haverão pessoas e entidades com a mentalidade desse bispo.



      Anna

      Excluir
  2. Estado laico não é hostil à religiões , o estado laico apenas se nega financiar as religiões e manter laços com estas em detrimentos de outras..eu acho justo que tudo o que os religiosos querem eles façam por meios próprios o estado laico não proíbe religiões ,não lhes embaraça em nada, o estado laico só quer tudo dentro da lei ,o estado laico só quer permanecer neutro nas questões religiosas..

    O que ele quer é um estado teocrata, discurso muito chorão do bispo ai.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A negação de um estado teocrata, por si só, já é considerada uma afronta à fé cristã, segundo os conceitos cristãos.

      O cristianismo é totalitário, e qualquer coisa que não seja feito segundo a vontade cristã ("Seja feita a sua vontade: A vontade de deus; a vontade do cristianismo") é considerado "afronta" e "ofensivo", afinal, se trata de heresia (não está de acordo com a norma cristã, que é o cristianismo comandando a vida de todos).

      Excluir
    2. dever ser por isso que um locutor da BBC disse que prefere criticar o cristianismo ao islam, segundo ele os cristãos n fazem violencias

      Excluir
    3. heroísmo politicamente correto9 de dezembro de 2012 14:27

      O pessoal da BBC admite que promover a agenda gay e o "laicismo" ateísta e anti-religioso de conveniência são a especialidade da casa.

      E atacar o cristianismo e os cristãos, claro, coisa obrigatória na "modernidade".

      Detalhe importante: Atacar cristãos somente, não islâmicos (os moderninhos não podem ser "islamófobos", pega mal). Além do mais, atacar cristãos é sempre seguro e cômodo, já que cristãos não reagem.

      Excluir
    4. Hoje em dia, o Cristianismo é uma espécie de "Nazismo tolerado", porém, não tão bem controlado como deveria. O correto seria banir de vez este regime desumano, mas não o fazemos por que somos masoquistas e nos fingimos de trouxas quando os cristãos alegam que seu regime trata-se somente de uma ideologia religiosa e que defende o bem e a justiça entre os homens.

      Até quando?

      Excluir
    5. Anônimo sociopata delirante e espumante dizendo que Cristianismo é algo igual a Nazismo, um "regime desumano" (sic) que deve ser banido.

      Provavelmente, o demente é o bem conhecido "Anônimo ateu gay efebófilo" sociopata que tanto gosta de exibir sua sociopatia e seu autoritarismo por aqui, que acha que religião deve ser patologizada e criminalizada, e que prega que as pessoas que emitem opiniões e fatos que não agradam a ele devem ser censuradas, presas e, de preferência, assassinadas, para que gays ateus efebófilos sociopatas como ele não mais se sintam contrariados.

      Excluir
    6. vai te tratar olavete.

      Excluir
    7. O comentarista de nome "é grave" está demasiadamente colerizado! Percebe-se pelas palavras dele que ele reconhece a derrota da religião Cristã. Ele está agonizando!

      Excluir
  3. kra de psicopata do padre!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deve ter abusado varias crianças.

      Excluir
    2. Não basta apenas ler o título (e ignorar a matéria completa) pra alguns comentaristas chegarem às suas conclusões geniais contra o cardeal.

      Têm de recorrer também à foto do cardeal e fofocas e achismos sobre o que ele deve ter feito com criancinhas para melhor embasar suas conclusões geniais.

      Excluir
    3. Mas recorrer à "proteção de criancinhas" é o melhor pretexto já criado para se cometer todo tipo de injustiça contra os inimigos. Tal pretexto ("proteger as criancinhas") sempre foi exaustivamente utilizado, inclusive, pelas religiões tiranas e totalitárias, para fazer valer seus dogmas sobre a sociedade!

      "Em nome da proteção das criancinhas" é um pretexto imbatível, principalmente nos dias de hoje!

      Usar a justificativa do "Em nome de deus" pode até falhar, mas usar a justificativa do "Em nome das criancinhas" é infalível!!!

      Excluir
  4. Francamente... Se formos levar em consideração que a maioria das religiões já teve no passado ou nos dias de hoje atitudes que podem ser consideradas criminosas pela maioria dos países civilizados, que foram responsáveis por crimes, holocaustos, misoginia, homofobia, favorecimentos ilícitos e um numero infinitos de abusos de poder e arbitrariedade que tiveram como resultado sofrimento, dor e mortes e apesar de tudo isso são na maioria dos casos favorecidas por leis que as isentam de tributos e tem apoio governamental em centenas de países mesmo que isso prejudique o povo. E vem esse senhor falar desavergonhadamente que os estados laicos não são isentos? Por acaso a igreja católica é isenta quando falamos de direitos civis como aborto e homossexualidade? Ja passamos da época em que a igreja queimava gente pq usavam ervas para cuidar de sua saúde, da época que se torturava de um tempo que a igreja perseguia cientistas por falarem a verdade! Peçam perdão pelos seus crimes e aceito o seu lugar na historia atual! Agradeça por terem cometidos crimes e nunca serem punidos!

    ResponderExcluir
  5. "...tende a marginalizá-las, quando não as expulsa, do âmbito público."

    Pois de fato, esse é o verdadeiro significado de um Estado religiosamente neutro. Se as religiões tivessem participação no âmbito público, estariam promovendo sua diferenciação e superioridade em relação às outras. Se transformariam em partidos políticos, não instituições religiosas.
    Mais uma vez, ocorre a má interpretação do papel da religião na vida do homem moderno: ela agora se restringe ao âmbito particular. Não se estende para o resto da sociedade, é restrita àquilo que cada um acredita; portanto, é particular.

    "De fato, quanto mais vínculos o Estado impõe, mais aumentam os contrastes religiosos, porque 'impor ou proibir por lei práticas religiosas' provoca o aumento dos 'ressentimentos e frustrações que depois se manifestam no cenário público como conflitos'"

    Cercear a existência de religiões não consiste prática laica, consiste uma prática tolerante. O que o Estado laico faz é cercear a presença da religião no espaço público. Tendo retirado sua presença deste, ela está livre para existir no espaço particular.

    Perseguir religiões não consiste um estado laico. O objetivo deste é diferenciar o público do particular. Tendo-se o público como secular, neutro, o particular está livre para tomar o caminho que quiser.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. benefício da dúvida9 de dezembro de 2012 14:39

      "Cercear a existência de religiões não consiste prática laica, consiste uma prática tolerante."

      É isso mesmo que você quis dizer????

      Tem certeza de que você não pretendia escrever que cercear religiões é PRÁTICA INTOLERANTE?

      Excluir
    2. É óbvio que ele errou na digitação, afinal, a frase ficou sem sentido. O correto é:

      "Cercear a existência de religiões não consiste prática laica, consiste uma prática intolerante."

      Não precisa fazer tempestade em copo d'água por causa de um erro tão óbvio!

      Excluir
    3. Calma olavete, não tire suas calcinhas pela cabeça, foi só um erro de digitação.

      Excluir
  6. "Scola recordou que o edito tem um significado histórico porque representa a ata de nascimento da liberdade religiosa e do Estado laico."

    Os romanos catolicos cristão PROIBIRAM e perseguiram todas as outras religiões! e o sujeito não leu nada sobre a propria historia e vem na maior cara de pau negar tudo isto e vender a imagem de "respeitadores", esta religião nunca respeitou nada, nem liberdade de religião, nem a liberdade de expressão, e agora vem bancar os salvadores do mundo! hipocritas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você também comete um engano. A maioria dos clérigos cristãos, na época do Edito de Constantino, era de gregos originários da Ásia Menor ou Anatólia (que significa "Brilho do Sol") e não de romanos.

      O Povo Grego em seu auge, antes da Era Comum (AEC) tentou helenizar os judeus; de fato até entraram em guerra contra o Povo do "Deus Desconhecido", mas perderam. Isto ficou na Memória Grega por vários anos, até que o surgimento da Roma Imperial se mostrou uma grande oportunidade para destruir o Judaísmo.

      Os Escravos Gregos eram mais cultos que seus senhores romanos. Eles conseguiam sua liberdade rapidamente e ocupavam a alta hierarquia do funcionalismo público de Roma. Nestes postos eles arquitetaram a criação de um tal neo-judaísmo, em que a figura principal seria o filho do Deus Judeu. Deram apoio ao auto-proclamado Apóstolo Paulo, que nunca viu Jesus mais vivo ou mais morto.

      Como filho de Deus, os Gregos Anatolianos escolheram um personagem da Galileia, onde os judeus eram considerados menos judeus que os habitantes da Judeia. Por volta de 66 da Era Comum (EC), estes mesmos altos funcionários gregos convenceram os brutamontes romanos a destruir Jerusalém e matar, escravizar e expatriar os judeus.

      Os primeiros documentos dos Cristianismo não estavam escritos em Aramaico e sim num dialeto grego.

      Ou seja, o Cristianismo funcionou como um cavalo de tróia dentro de Jerusalém e dentro da própria Roma.

      Estas observações são baseadas nos estudos de Ivani de Araujo Medina. Há um e-book grátis com estas informações em www.ebooksbrasil.org.

      Excluir
  7. O bispo na verdade quer o regime do padroado um instrumento jurídico pelo qual a Santa Sé atribuía ao estado a responsabilidade pela construção de templos , pela organização das irmandades , pela indicação de sacerdotes e bispos às suas respectivas jurisdições e pelo seu sustento material, numa absorção tal que os religiosos passavam a ser funcionários do estado. Quer dizer querem toda a máquina estatal ao favor deles e da religião deles.

    ResponderExcluir
  8. No brasil eles nao precisam se preocupar porque a influencia da religiao no estado esta em pleno crescimento

    ResponderExcluir
  9. claro que está com medo dos ateus. Sabe que o conto de fadas uma hora ou outra acaba.

    ResponderExcluir
  10. A opção ao estado laico é a teocracia. E, sendo uma teocracia, qual será a religião que o cardeal chorão iria querer que prevalecesse?... Essa gente quer é oprimir, se achar superior e, como vêem que suas crenças arcaicas perdem mais e mais espaço, atacam o laicismo dos Estados porque sabem que, quanto mais ateus, agnósticos e não teístas em geral, menos gente para sustentar os profissionais da fé - afinal, ateu não dá dizimo. Então gente como esse cardeal quer que o estado deixe o laicismo de lado e os sustente.

    Ruggero

    ResponderExcluir
  11. A santa inquisição é hostil ao estado laico...
    Empatou!

    ResponderExcluir
  12. Ah! A "perda da consciência do pecado"! A começar pela que manifesta a mentira do Cardeal, indesculpável, eminência! Os Estados "cristãos" davam muito mais problemas à Santa Sé; uma lida rápida na história e vê-se quantos saques, invasões e pilhagens aos territórios e tesouros do Reino e Trono de São Pedro!Juravam fidelidade ao Vigário de Cristo e simbólico Rei de Roma, e logo ei-los unidos aos mercenários, aos espanhóis, aos franceses, aos napolitanos, etc.etc. No "santo" afã de abocanhar um pouco daquelas preciosidades em ouro, gemas, diamantes e obras de fino lavor e rara beleza! Os Estados LAICOS, ao contrário,foram os que menos prejuízos deram à Nada Santa Sé... Se por um lado contribuiram para dar ao povo e Governo Italiano, a legítima posse do território de Roma e dos Estados Pontifícios; por outro, pagaram aos príncipes "despojados" indenizações biliardárias, beneficiaram-lhes com subvenções, propinas e isenções fiscais...Dignas da Realeza! Não é à toa que até hoje chamam-se nos cerimoniais diplomáticos, aos cardeais...de Príncipes da Igreja! E que reino maravilhoso, beneficiado pelo Estado Laico! Reclamais de barriga cheia, príncipe enfarado...Sois como o gato aqui da Pousada...Sempre comendo...E MIANDO...!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agora que as riquezas materiais deles se encontram a salvo, o que querem de volta é o DOMÍNIO DA CONSCIÊNCIA das massas, conseguido especialmente através da repressão e controle da sexualidade!

      Excluir
  13. Ou como porco que deita-se para melhor comer abaixado.

    ResponderExcluir
  14. A Icar vem perdendo espaço, mais para as outras 'igrejas' do que para o laicismo do estado,por sua própria culpa e ainda assim negando-se a fazer sua autocrítica, natural a choradeira e a verborragia do bispo.

    ResponderExcluir
  15. Acredito que os maiores problemas em um Estado que se transforma em Estado Laico é causado pelos religiosos que nãoa ceitam a neutralidade do Estado.
    Tenho visto que os fanáticos são geralmente egoístas, violentos, intransigentes e falsos.
    Só o cardeal aí e o padre Paulo é que conseguem ver problemas nos Estados laicos europeus.
    Se religião fosse boa, não haveria tanto pedófilo no seu meio.
    Ou será que existem porque o Estado é laico?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Onde está escrito "pedófilo", leia-se "estuprador de crianças". Sei que a aplicação do termo foi incorreta, mas o fiz por mera força do hábito popular.

      Excluir
  16. Se fazem de vítimas para faturar.
    O pessoal do crack faz a mesma coisa.
    Será vicio dessa gente esse querer viver da grana alheia?

    ResponderExcluir
  17. Quem não favorece a nenhuma religião, onde em cada religião existe um deus, é Laico, mas não é ateu.

    ResponderExcluir
  18. Estado laico é hostil à quem deseja manter a predominância de uma religião sobre as outras, ainda mais usando o poder público.

    Estado laico é um Estado INDIFERENTE às religiões, não sendo contra nenhuma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estado é a reunião do território, do povo e do poder soberano. Quem está dentro do território está dentro do Estado, está usando o Estado.

      Excluir
  19. um pouco além do título9 de dezembro de 2012 14:06


    Alguns comentaristas poderiam se dar o trabalho de ler com mais atenção o artigo inteiro, em vez de olhar apenas o título e sair logo disparando seus vereditos condenatórios pré-fabricados.

    O cardeal Angelo Scola não está exatamente se opondo ao "Estado laico", idealmente neutro. Está analisando e questionando o alegado "laicismo" que se coloca, na prática, como anti-religioso, e criticando a falsa "neutralidade" de modelos estatais que se posicionam CONTRA as manifestações da religião.

    O cardeal também se manifesta em favor da LIBERDADE RELIGIOSA, criticando os regimes que buscam "impor ou proibir por lei práticas religiosas" e provocam o aumento dos "ressentimentos e frustrações que depois se manifestam no cenário público como conflitos".

    ResponderExcluir
  20. Sei, laicismo é diferente de laico e o laico de verdade é o laico neutro!
    Safadeza tem limite meu mano!

    ResponderExcluir
  21. Nope.

    Religião é hostil ao estado laico.

    Comofaz?

    Att.,

    Espancador de Pastores

    ResponderExcluir
  22. Declarações deste tipo não são novidades, visto que a Igreja Católica é e sempre foi contra a laicidade.

    Mas na declaração, há coisas que não passam despercebidos de um olhar mais aguçado.

    Começa com o velho estratagema de chamar a laicidade de laicismo. Isso não é à toa: foi a própria Igreja Católica que passou a denominar o princípio da laicidade nascida no período do iluminismo de laicismo, assim tentando dar uma conotação ruim a verdadeira laicidade. E inventou um falso conceito de laicidade, que depois passou a chamar de “laicidade sã”. E essa “laicidade sã” que a Igreja Católica defende, que nada mais é do que um Estado confessional católico – e, obviamente, sem laicidade alguma –, só seria a situação que eles sempre quiseram: um Estado submisso a Igreja Católica, todavia, sem que a Igreja Católica fosse submissa ao Estado (regalismo).

    E daí entra o ponto do “questionamento” da aconfessionalidade: a não confissão católica vai de encontro ao que eles desejam, que é a submissão do Estado a moral superior (leia-se moral da Igreja Católica). Faz esse questionamento de modo sorrateiro, dando uma explicação que nada tem a ver com a aconfessionalidade: “abrir espaços em que cada sujeito pessoal e social possa contribuir para a construção do bem comum”. No que tange “sujeito social”, pode incluir a Igreja Católica. Ora no que Estado não-confessional impede de a Igreja Católica contribuir para a construção do bem comum? Aqui no Brasil, por exemplo, existe a previsão constitucional de colaboração entre igreja e Estado, quando for de interesse público, e somos um Estado não-confessional (pelo menos no que tange a formalidade constitucional). O que o cardeal faz é dissimular o interesse da Igreja Católica de poder ser confessada pelo Estado – e ter poder sobre este.

    Aproveitando o bojo, critica aquilo que tem sido sua dor de cabeça em grande parte dos países democráticos: o secularismo. O secularismo seria a perda da pertinência social do religioso, reduzindo-o ao campo particular do ser humano que possui religião e a sua instituição religiosa. Ou seja: o Estado não faz o papel de promoção da religião como se fosse algo necessário e bom, o que constituiria juízo de valor do poder público sobre religiões e crenças (e afirmando sua religiosidade), mas sim protege e dá direito aos cidadãos de buscar suas próprias religiões, de acreditar nelas e segui-las no âmbito privado. É tão somente uma relação entre Estado e cidadãos, visando à plenitude da liberdade religiosa. E tanto é assim que, onde há crescimento secular, há crescimento de religiões não-tradicionais (e que são ou já foram oficiais), do ateísmo, do agnosticismo e etc., o que tem resultado em perda de fiéis da Igreja Católica.

    Estado secular de forma alguma inibe a “abertura transcendental” de seus cidadãos e instituições religiosas, mas se mantém neutro quanto a isso, pois não confessa religião nenhuma, e nem faz juízo de valor sobre as verdades que elas fazem acreditar a seus fiéis. O que o cardeal alega, mais uma vez, é falácia (argumentum ad terrorem).

    Quanto à neutralidade, ele tenta passar que esta estaria confundida com ateísmo. Se assim fosse, não haveria neutralidade. O Estado deve ser neutro por questão de lógica: ele não possui direito subjetivo de crença ou descrença. Matéria de fé não está na sua essência – quando verdadeiramente laico.

    Por fim, não há existência de nenhuma medida em prol da laicidade que seja “hostil” a alguma religião. Houve, para alguns estudiosos, na época do iluminismo, mais precisamente com a Constituição Civil do Clero, onde as religiões sofreram intervenção direta (em bens, autoridade, escolha de sacerdotes, etc.), mas para outros este não era considerada em prol da laicidade, visto que estavam nacionalizando as religiões, mantendo-as como oficiais. Ou seja: a única hostilidade existente no caso é da Igreja Católica contra princípios democráticos e republicanos, tal como a plena liberdade religiosa e a laicidade!

    ResponderExcluir
  23. Engraçado que o religioso diz: "o estado laico associa a sociedade à um cotidiano secular, sem espaço para o transcedente". Mas é evidente! É exatamente essa a idéia! Livrar o ESTADO de um pensamento inquestionável em que há uma substância inverificável que dita as regras. Nem o estado e muito menos a ciência (conhecimento, não crença) deve se limitar aos pensamentos atrofiados da "superioridade divina". Isso pode ser perfeitamente reservado aos indivíduos que querem ser pastoreados. Democraticamente, sigam a doutrina que quiserem meu povo, só não exijam que os outros sigam o que é puramente pessoa! Isso é estado laico. Entenderam, ou ainda temos aqui algum religioso?

    ResponderExcluir
  24. É óbvio que o estado laico é hostil à religião. Ele a impede de dominar, de ser governante em nome do que não pode ser provado, e de governar em nome de uma vida que não esta.
    O que tem que ser dito é que a religião (não todas) é hostil à melhoria da qualidade de vida, uma vez que ela não se importa em diminuir o sofrimento humano e, pior, o enaltece. As religiões (em sua esmagadora maioria) se alimentam da dor, da angústia e do medo e, para piorar, oferecem não práticas de autoconhecimento e autocontrole, mas mais dor, angústia e medo como forma de controle.

    ResponderExcluir

Postar um comentário