Pular para o conteúdo principal

Igreja veta masturbação até para exames clínicos, diz padre


padre Paulo Ricardo de Azevedo Jr.
Azevedo disse que
cirurgia é alternativa
para colher o esperma

O padre Paulo Ricardo de Azevedo Jr. (foto), da Arquidiocese de Cuiabá (MT), lembrou em um vídeo da sua série “A resposta Católica” que a Igreja veta a masturbação — masculina, no caso — até para colher esperma para exame clínico, de modo que os médicos possam diagnosticar doença ou infertilidade.


“É imoral realizar o exame de espermograma?”, indaga o vídeo de 6,5 minutos em sua abertura. A resposta é sim, pelo que o padre expôs a seguir.


Ele disse que, de acordo com parecer de 2 de agosto de 1929 do Santo Ofício, do pontificado do Pio XI, a moral católica não permite o “ato masturbatório para obter o esperma para a sua utilização em um exame”.

O padre falou que Pio XII confirmou esse parecer em duas ocasiões, em outubro de 1948 e em maio de 1956. Portanto, disse, “esse método é inaceitável, é ilícito, é imoral”.

Ele disse que há duas alternativas à masturbação que são "aceitáveis" pela Igreja: intervenção cirúrgica e, após uma relação matrimonial, obter o esperma alojado no fundo da vagina ou o residual da uretra do pênis.

Padre fala sobre o 'vício' da masturbação

 





Evangélico ensina como evitar a ‘cultura demoníaca’ do sexo

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.


Posts + acessados hoje

Desmascarador de curandeiros e paranormais, James Randi morre aos 92 anos

Pastor de Manaus é acusado de ejacular ‘esperma de Deus’ em obreiras

Fortalecida pelo bolsonarismo, associação de juristas evangélicos ameaça o Estado laico