Padre de cueca é flagrado correndo atrás de garoto

 padre Angel Armando Perez
Perez estava 
bêbado quando tentou
 capturar o menino 
James Curths e sua irmã foram surpreendidos em sua casa perto da meia-noite de 12 de agosto, domingo, com um garoto de 12 anos que apareceu correndo, ofegante, pedindo socorro. Atrás dele vinha um homem bêbado de cueca ou o que parece ser um maiô. Era o padre Angel Armando Perez (foto), pároco da Igreja São Lucas, de Woodburn, uma cidade de 20.000 habitantes do Estado de Oregon (EUA).

“Ele [o garoto] estava muito aterrorizado e quase em lágrimas”, disse Curths.

Angel desistiu do menino quando Curths disse que ia chamar a polícia. O padre foi preso horas depois.

Salem, o garoto, contou a Curths e depois à polícia que tinha ido para a casa de Perez onde passaria alguns dias porque o padre disse que ia levá-lo para as montanhas.

O passeio foi proposto pelo padre, em pedido feito à mãe do menino em um encontro na igreja.

Quando estava dormindo em uma cama de ar montada na sala da casa, Salem, com a bermuda abaixada, acordou com o barulho de flashes e a mão do padre na sua genitália. Perez já estava de cueca. Antes de o garoto dormir, o padre tinha lhe dado cerveja.

Salem disse que saiu correndo, mas não esperava que o padre fosse atrás.

À polícia, segundo relato de Curths, o padre disse que não se lembrava de nada porque tinha bebido demais. Mesmo assim admitiu ter cometido um erro. "Eu pequei, mas continuo a acreditar na Igreja”, ele teria dito. E de joelhos implorou por perdão.





Com informação do The Freethinker.

Jovem em retiro acorda assustado: o pastor estava em sua cama
julho de 2012



Comentários

Willian Papp disse…
A culpa é da bebida ou do padre?
Anônimo disse…
Bebida só leva você a fazer oque já queria ter feito sóbrio
Anônimo disse…
bebeu muito sangue de cristo na missa, né vagabundo, cretino fdp, verme
Anônimo disse…
a culpa é do padre que bebeu!
Roberto disse…
Não adianta Ratzinger fazer discurso demagógico e bispos se dizerem comprometidos com o combate à pedofilia clerical: nos meandros das igrejas, nas catacumbas secretas, nos corredores gélidos e nas mais "humildes" casas paroquiais o pulso ainda pulsa e algo ainda lateja. Isso aí é como uma expressão usada no sul do país: "cachorro ovelheiro, só matando". A pedofilia clerical só vai acabar quando não existir mais 1 igreja sequer para contar a História. Antes disso a hipótese é um misto de ingenuidade com burrice.
Anônimo disse…
Seu argumento está correto. Se A igreja acabar, acaba a "pedofilia Clerical". Mas acaba de fato a pedofilia? Não seja ridículo.
Anônimo disse…
Pega-pega da salvação.
Anônimo disse…
Bom saber que este tipo de site é frequentado por fascistas intolerantes.

Anônimo disse…
Paulo Lopes, a última frase do terceiro parágrafo tem um erro: "O padre foi preso preso horas depois."

Você não se importa quando avisamos de algum erro nos texto? Alguns blogers ficam um pouco incomodados.

Abs.
Anônimo disse…
*textos... rsrsrs

Sugestão de matéria:
http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2012/08/20/igreja-universal-e-condenada-por-agredir-fiel-epiletico-confundido-com-possessao-demoniaca.htm
Gabrielle Lopes disse…
A verdade sai quando o álcool entra.
O padre é o culpado, lógico.
Anônimo disse…
*drama queen detected*
Anônimo disse…
Pois é. Infelizmente não podemos impedir os cristãos de virem aqui.
Anônimo disse…
^^^^ Ou seja: já que não podemos acabar com TODA a pedofilia de uma vez, vamos deixar os padres em paz.
Paulo Lopes disse…
Não me importo, não, anônimo das 18:03. E fico agradecido. Abs.
Felipe... disse…
@off

http://noticias.terra.com.br/brasil/noticias/0,,OI6089920-EI5030,00-SP+guardador+de+carros+esfaqueia+padre+e+alega+ordem+de+Deus.html

sugestão de materia.
Não adianta a Igreja Católica reclamar: ela virou sinônimo de Pedofilia. Não consigo olhar para um padre e não imaginar o sujeito um reprimido sexual e um pedófilo em potencial. Tive um professor da disciplina de Filosofia, aqui na minha universidade, e ficava pensando isso dele até meio sem querer, apesar que ele era um excelente professor e manjava muito da área. Não sei se ele era, mas, eu ficava com essas ideias na cabeça.
Anônimo disse…
Que a pedofilia existe,todo mundo sabe, sendo clerical ou não. O caso é que por trás da bíblia que garante uma ~santidade~ incotestável, é bem mais fácil fazer coisas erradas sem medo de ser punido.
Anônimo disse…
Seria bom se colocassem uma placa dessas na frente de algumas Igrejas, talvez assim as pessoas abrissem os olhos pra realidade antes de ser tarde demais. lol
Anônimo disse…
Concordo plenamente. A pessoa faz o que não teria coragem de fazer sóbrio pra depois culpar a bebida.
Anônimo disse…
Verdade pessoal. Vamos deixar de ser facistas intolerantes e deixar os padrecos estuprar criancinhas em paz.Eles são os obreiros de deus e tudo é permitido, em nome do espírito santu amém.
Anônimo disse…
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse…
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Abraço por trás disse…
Talvez o mundo fique menos ruim no dia em que o último padre for enforcado nas tripas do último pastor.
Abraço por trás disse…
O caso foi de abusoi sexual. É crime do mesmo jeito.
Anônimo disse…
Você está equivocado, caro defensor de abusadores.

A ONU classifica como adolescência o período compreendido entre 15 e 24 anos de idade. A OMS é que refere como sendo dos 10 aos 19 anos - mas alerta sobre características biológicas e culturais específicas de cada etnia/nação.

No Brasil, é importante esclarecer que o ECA considera como adolescentes indivíduos situados entre 12 e 18 de idade porque se baseia na idade penal brasileira.

Ora, idade penal e idade biológica são coisas distintas. Se a maioridade penal no Brasil for reduzida para 16 anos, significa que a adolescência - etapa BIOLÓGICA da vida - vai passar a terminar de ofício aos 16 anos? Legisladores é que decidem quando a adolescência inicia e termina? ÓBVIO que não. Eles legislam sobre imputação civil e criminal, não sobre desenvolvimento biológico.

Não se apegue tanto à letra fria das leis, meu caro. Senão você corre o risco de tratar da mesma forma uma quase-mulher de 18 anos e uma menina de 12 - só porque uma lei feita por orangotangos diz que ambas são adolescentes.

Presumo que se você fosse pai do menino referido na matéria, e ele viesse se queixar a você de uma "tentativa" de abuso sexual, você diria, lacônico, impávido e frio como um ruminador de leis: "Olha, filho, de acordo com a Lei nº 8.069/90, infelizmente desde a semana passada você não é mais uma criança. Portanto vai à luta, moleque: defenda-se sozinho!"...

Piada, né? Não acredito que você raciocine assim.

A distinção entre pedofilia e efebofilia só serve para tribunais. E, claro, para esconder o mais urgente: que o uso de autoridade etária para subjugar jovens - sob o pretexto deles não serem mais crianças - tem até respaldo de parte da sociedade civil.
Padre bom é padre castrado disse…
Ah, é, "criança" é somente até os 11 anos, 11 meses, 29 dias, 23 horas e 59 minutos de idade. Com 12 anos já é "adolescente". Agora fiquei até com pena do padre... Que injustiça estamos cometendo com um sujeito tão bom como o padre Angel, que não abusa de crianças: somente de adolescentes!
Abusador é abusador! disse…
PQP, o cara entrou em quatro ou cinco comentários pra dizer a mesma coisa: que uma criança de 12 anos não é mais "criança" porque uma lei transforma ela em "adolescente"...
Anônimo disse…
O fato é que ele abusou de um menor (de12 anos) impúbere(menor adolescente com idade inferior a 14 anos). E ainda que fosse maior ainda estaria cometendo um crime, pois, embebedar alguém para em seguida abusar sexualmente dessa pessoa contra a vontade dela é estupro e, no caso, de vulnerável.
Anônimo disse…
Você está equivocado, caro defensor de abusadores.

A ONU classifica como adolescência o período compreendido entre 15 e 24 anos de idade. A OMS é que refere como sendo dos 10 aos 19 anos - mas alerta sobre características biológicas e culturais específicas de cada etnia/nação.

No Brasil, é importante esclarecer que o ECA considera como adolescentes indivíduos situados entre 12 e 18 de idade porque se baseia na idade penal brasileira.

Ora, idade penal e idade biológica são coisas distintas. Se a maioridade penal no Brasil for reduzida para 16 anos, significa que a adolescência - etapa BIOLÓGICA da vida - vai passar a terminar de ofício aos 16 anos? Legisladores é que decidem quando a adolescência inicia e termina? ÓBVIO que não. Eles legislam sobre imputação civil e criminal, não sobre desenvolvimento biológico.

Não se apegue tanto à letra fria das leis, meu caro. Senão você corre o risco de tratar da mesma forma uma quase-mulher de 18 anos e uma menina de 12 - só porque uma lei feita por orangotangos diz que ambas são adolescentes.

Presumo que se você fosse pai do menino referido na matéria, e ele viesse se queixar a você de uma "tentativa" de abuso sexual, você diria, lacônico, impávido e frio como um ruminador de leis: "Olha, filho, de acordo com a Lei nº 8.069/90, infelizmente desde a semana passada você não é mais uma criança. Portanto vai à luta, moleque: defenda-se sozinho!"...

Piada, né? Não acredito que você raciocine assim.

A distinção entre pedofilia e efebofilia só serve para tribunais. E, claro, para esconder o mais urgente: que o uso de autoridade etária para subjugar jovens - sob o pretexto deles não serem mais crianças - tem até respaldo de parte da sociedade civil.
Anônimo disse…
O padre ta certo de abusar de menores mesmo...
Ele é santo tem um pênis santo e, no caso, parece que também tem uma câmera fotográfica santa.
Se a câmera não for santa ele pode benzer na hora e torná-la.
Os pais deixaram seu filho inteiramente nas mãos dele para que pudesse ser feito o que bem entendesse do menino.
Já aconteceu tantas e tantas vezes "abuso sexual" relacionado a religião, que se tornou tão comum como um espirro.
Já que o homem é santo... deixe ele dar uma pirocada santa em todos que lhe der vontade, passar a santa mão onde quiser, dar a santa bunda quando der uma coceirinha.
Sempre existiram fracos para acreditar em qualquer história bem contada ou não, e sempre vai existir.
A idade da vítima é mero detalhe.

O que me deixa horrorizado é o padre armar tudo dentro da igreja, durante o seu "exercício profissional".

Se o comando da igreja tiver um pingo de vergonha na cara, expulsa esse padre da igreja para nunca mais. E o processa junto com a família da vítima.
Anônimo disse…
/\
||
||
Ninguém aqui está defendendo abuso ou tentativa de abuso sexual de ninguém, independente de idade. Mas que tipo de interpretação poderíamos esperar de um extremista que defende mutilação de seres humanos? Seu grau de perversidade não é diferente daqueles que cometem abuso sexual contra outrem.
Anônimo disse…
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse…
O garoto já tem idade suficiente para consentir seus relacionamento sexuais, mas isso não dá direito de ninguém cometer abuso (ato não consentido) contra outra pessoa, ainda que sejam incautas seguidoras de crendices.

Se houve abuso (ato não consentido), o padre deve responder por isso, inclusive com os agravantes por a vítima do abuso (ato não consentido) ser menor de idade e também haver relação de hierarquia envolvida.
Anônimo disse…
/\
||
||
Tão "bem informado" que não sabe que a Organização Mundial da Saúde faz parte da ONU. Além disso, se a OMS caracteriza a adolescência a partir dos 10 anos de idade, é por que compreende que biologicamente, em média, neste período o ser humano é pubescente ou púbere (há casos de puberdade antecipada e também atrasada, mas compreendem exceções e não a regra).

As ponderações étnicas são referentes às culturas regionais, tão somente responsáveis pela psiquê dos indivíduos, e não pela fisiologia.
Anônimo disse…
O Anônimo20 de agosto de 2012 22:00 além de agir de má fé sobre as informações acerca das definições de adolescência e idade do consentimento, ainda tenta se utilizar de uma psicologia barata que apela para paixões do senso comum embasado em valores de cultura religiosa para sustentar um discursinho demagogo que "justifique" seu desejo irracional de revanchismo e ainda tenta ser persuasivo com um ad hominem acusando de "defensor de abusadores" aqueles que buscam ponderar de forma diversa aos seus ideais fasci-puritanos!

Deve ter feito cursinho intensivo com o "Profº" de demagogia puritana, pastor e senador Magno Malta, só pode!
Anônimo disse…
Os banana de pijama, os padre de cueca..
Anônimo disse…
Sim, claro: você instrumentaliza a adolescência e coloca uma CRIANÇA de 12 anos na posição de "idade do consentimento", e eu que estou agindo de má-fé...

Por que você não se ocupa do padre abusador, em vez de legitimar o ato dele com base no teu paquimetro Mitutoyo de alta precisão em aferições de faixa etária?

Meu caro, eu tenho tanto nojo de puritanos quanto tenho de religiosos. Mas um indivíduo de 12 anos sempre vai ser uma CRIANÇA - mesmo que a OMS, a ONU (opa, eu não posso citar a ONU porque já citei a OMS... ou seria o contrário?), o ECA, o Código Civil (ih, agora me confundi: o ECA se baseia no CC, logo não é necessário citar o CC... ou seria o contrário?), ou qualquer órgão ou compilação de leis diga em contrário.

Isso daí não tem nada de "cultura religiosa" ou "ideais fasci-puritanos" (aliás já dizia o meu falecido pai: quem insiste na expressão "fascista" para classificar os outros, por certo fascista o é). Basta ter um filho e você vai pensar diferente. Ou não...
Anônimo disse…
Tá com pena do padreco?
Anônimo disse…
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse…
/\
||
||
Quando acabam os argumentos...
Anônimo disse…
Felizmente o mundo não gira em torno do seu umbigo e nem dos seus "conceitos"...
Paulo Lopes disse…
Comentários em defesa da pedofilia serão sumariamente apagados. E aqui o vale é o meu critério. Para mim, por exemplo, quem tem 12 anos ainda é criança. E tem mais: anônimo se queixando da falta de liberdade de expressão também será deletado. Quem quiser liberdade terá de assumir a sua responsabilidade.
Paulo Lopes disse…
O espaço de comentário deste post só será aberto quando eu estiver on-line.