Justiça do Sul mantém sentença que tira crucifixo dos tribunais

O TJ (Tribunal de Justiça) do Rio Grande do Sul, por intermédio de seu Conselho de Magistratura, rejeitou ontem (22) o pedido da Associação de Juristas Católicos para que fosse anulada a decisão da retirada de crucifixo dos tribunais e de outras dependências do Judiciário. Pessoas físicas também fizeram a mesma solicitação. 

O desembargador Marcelo Bandeira Pereira, presidente do TJ, disse que se trata de uma decisão de âmbito interno à qual, por isso, não cabe  reconsideração.

O argumento dos juristas católicos foi de que o Tribunal gaúcho desrespeitou parecer do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) segundo o qual a manutenção de crucifixo em sala de audiência pública da Justiça não viola o Estado laico.

O Conselho de Magistratura “cassou” o crucifixo ao acatar por unanimidade no dia 6 de março pedido nesse sentido da Liga Brasileira de Lésbicas, entre outras entidades.

Na oportunidade, o desembargador Cláudio Baldino Maciel, relator do caso, disse que o distanciamento da Justiça em relação aos símbolos religiosos faz parte da independência da instituição."[Trata-se do] único caminho que responde aos princípios republicanos de um Estado laico."





Fonte: Zero Hora

Ministro do Supremo apoia retirada de crucifixos dos tribunais
março de 2012

Comentários

  1. Boooa! 2x0 pro tribunal gaúcho e vitória parcial do Estado Laico. Crucifixos ferem sim a laicidade porque representam só uma religião, e o Estado Laico deve tratar de todas as religiões de modo justo, sem privilégios a nenhuma delas. É tão difícil assim de se entender?! Ass: Winston Smith

    ResponderExcluir
  2. Em momentos como esse até adquiro alguma esperança quanto ao futuro do Brasil.

    ResponderExcluir
  3. Verdade!

    A manutenção de crucifixo em sala de audiência pública da Justiça não viola o Estado Laico. Mas a sua retirada também não viola tal Estado. E como os católicos não reivindicam a introdução de outros símbolos senão o deles, o pedido é impróprio, injusto e reflete mais descaso que apreço à laicidade estatal.

    O apreço à vida humana é mais patente naqueles que tentam salvar outros. É mais intensa a caridade e a justiça naqueles que fazem o bem a outros. O amor próprio vira narcisismo quando exclui os outros ou não os considera. Valorizar as vontades próprias vira egoísmo quando exclui ou não considera a vontade dos outros.

    O próprio Cristianismo valoriza mais o amor ao outro que o amor a si mesmo. Pois amor, consideração, piedade e justiça só tem valor quando estão em trânsito e não quando estão guardados na cabeça de quem os deseja para proveito próprio.

    Os Juristas Católicos deveriam corar de vergonha ao desconsiderar a vontade e as palavras de seu mestre. Mas, pelo jeito, só se preocupam com demonstrações de poder. Tudo o que eles tem, pertence a César!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A manutenção de crucifixo em sala de audiência pública da Justiça não viola o Estado Laico.

      A manutenção de simbologia religiosa de qualquer espécie (incluindo o crucifixo) importa numa das formas de confessionalidade do Estado, o que se opõe à laicidade.

      Portanto, a manutenção de crucifixo em sala de audiência pública da justiça, ou em qualquer outro lugar da administração pública de maneira ostensiva, viola a laicidade do Estado!

      E como os católicos não reivindicam a introdução de outros símbolos senão o deles, o pedido é impróprio, injusto e reflete mais descaso que apreço à laicidade estatal.

      A imposição de mais simbologias importaria em pluriconfessionalidade, o que mais uma vez viola a laicidade do Estado!

      A única forma de se privilegiar a laicidade é manter o Estado neutro, ou seja, sem nenhum símbolo. Religião é questão da esfera privada do indivíduo, e não da esfera pública do Estado!

      Excluir
  4. É muito importante a manutenção do estado laico , pois é justamente isto que podera salvar as gerações futuras das investidas de fundamentalistas religiosos contra o estado de direito querendo institucionalizar suas crenças subjulgando toda uma nação. Se o brasil se mostrar realmente forte e decidido a se manter laico ele vai impor um respeito sobre os religiosos que não vão querer enfrentar o estado ,e vão ter que de uma vez por todas criar a consciência de que religião e de cunho pessoal e não estatal cabendo a seus pares os cumprimentos das suas ordenanças e rituais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não quero morar numa nação onde eu possa ser assassinado por infidelidade a crenças de terceiros por isto é de extrema importância e urgência a manutenção do estado laico para não cairmos na desgraça de um estado teocratico fascista. E outra o brasil e multi cultural e étnico ,imagine grupos religiosos tentando tomar o "poder", com certeza seria algo bastante negativo para todos . Na nossa bandeira esta escrito Ordem e Progresso eu espero que continue assim com ordem e progresso.

      Excluir
    2. Com religiosos no poder pode mudar a bandeira para DESORDEM E RETROCESSO

      Excluir
  5. Orgulho de ser gaúcho: levemente reestabelecido.

    ResponderExcluir
  6. Parabéns ao TJRS, queria que fosse assim no país inteiro! Estado laico JÁ!!!

    ResponderExcluir
  7. Isto foi no Rio Grande do Sul, sera que no meu estado Rio Grande do Norte chegara nos proximos 10 anos?
    Vamos torcer para o mesmo acontecer no nosso Rio Grande.

    ResponderExcluir
  8. Dizer que a cruz faz parte da cultura do país já é o fim da picada. Então bota uma imagem de Iemanjá no Congresso, faz parte da cultura do Brasil uai!

    Viva o Estado Laico!

    ResponderExcluir
  9. a icar já caiu do pedestal faz tempo e , vai afundar ainda mais .viva a liberdade , viva a fraternidade ,viva a igualdade ,viva o estado secular livre das garras malévolas de qualquer religião .

    ResponderExcluir

Postar um comentário