Crucifixo em espaço público é manipulação ideológica

por Concí Sales a propósito de
No Sul, Justiça acata pedido para retirar crucifixo de seus prédios

"Homem ensanguentado é uma
estratégia dos fazedores do sagrado"
Cristo, se vivo fosse, mandaria ele mesmo retirar essas imagens horríveis de um homem torturado, dos lugares onde se deve justamente coibir toda forma de violação da dignidade do ser humano.

Quando o texto atribuído a Paulo e que consta do Novo Testamento afirma que a cruz é sinal de salvação, não está sendo autorizada a iconografia deste cruel instrumento de morte, como representação do sagrado.

Seria até um contra-senso, pois Paulo era judeu e a sua religião proíbe imagens, quaisquer que sejam, sob pretexto de adoração, culto ou veneração por mais simples que possa parecer: o pecado se chama idolatria, todos nós sabemos, de tanto ouvir a prédica protestante contra os católicos romanos.

Salvação por meio da cruz, em sentido teológico clássico, seria a exaltação da coragem e da esperança, que não recuam nem sob a tortura e não silenciam com a morte. Qualquer pessoa que não cede em sua luta, que não renuncia ao ideal, a ponto de ser torturada, e mesmo morrendo, sua mensagem ainda se faz ouvir. É um sinal de salvação e de que ainda há esperança para o gênero humano prosseguir, mesmo com tantos sistemas cruéis e opressores, fazendo uso da violência, da dor, do sofrimento, para manter todos silenciados.

Daí a utilizar-se da cruz, como instrumento dessa mesma violência opressora, de um sistema cruel que se pretende estabelecer como inquestionável, porque autorizado supostamente por Deus, é má-fé e manipulação ideológica que a retirada dos símbolos faz bem por anunciar que o engodo chegou ao fim. Está mesmo na hora de sua eliminação.

Este homem torturado e ensanguentado que penduram nas paredes dos órgãos públicos é também uma estratégia de tantos outros Herodes e Pilatos redivivos - os que aliás crucificam de novo milhões de outros pobres Cristos -, abençoados contudo por padres, pastores e tantos outros Caifazes e Anazes...a apresentar-se como fazedores do sagrado, do sacro faccerem, do sacrifício ofertado com dinheiro e sangue ao suposto Deus.

Esta iniciativa das lésbicas gaúchas, corroborada pela autoridade competente, merece todo apoio e mais do que justa e santa aprovação. É um raro momento de fé verdadeira, na humanidade, nesse fanático e fundamentalistamente religioso país.





Cruz não expressa moralidade, e sim sacrifício, tortura, dor, morte
de um leitor em agosto de 2011

Religião no Estado laico.     Posts de leitor.


Comentários

  1. Já que Jesus Cristo ressuscitou, então por que ele fica aparecendo pregado numa cruz?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já que o mestre ateu Christopher Hitchens está morto, então por que só vemos fotos dele vivo?

      Excluir
  2. "Exibição do crucifixo no espaço público é manipulação ideológica"

    Sem contar que é algo de extremo mal gosto exibir a imagem de uma pessoa crucificada.

    E mesmo na ausência do crucificado, reverenciar um instrumento de tortura como algo sagrado é, no mínimo, questionável.

    Att.,

    Espancador de Pastores

    ResponderExcluir
  3. Se Jesus tivesse sido sacrificado nos dias de hoje os cristãos andariam com cadeirinhas de roda penduradas no pescoço....

    ResponderExcluir
  4. Catrollicos, crentrastes, evanjegues e pentecostelhos: você já sabem onde devem colocar o crucifixo...

    ResponderExcluir
  5. Nossa, essa imagem de Jesus cruxificado é muito mórbida, me deu nojo. Não sei como tem gente que adora e considera sagrado algo tão macabro como essa coisa.

    Ótimo texto, Concí.

    ResponderExcluir
  6. Tem que tirar também a estátua da "Justiça" (aquela DEUSA greco-romana com os olhos vendados e com espada na mão) espalhada pelos tribunais.

    Fere o Estado laico, é manipulação ideológica!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como fere o estado se o simbolo representa justiça, a democracia do povo.

      Excluir
    2. A estátua da "justiça" é uma referência à mitologia greco-romana, uma crença, um mito.

      Portanto, fere o Estado laico e precisa ser proibida!

      Excluir
    3. a estatua da "justiça" representa justiça, alem de ser um simbolo universal.

      o que que jesus cruxificado representa para os que são candomblecistas ou ateus??

      Excluir
    4. Não interessa o que a estátua da "justiça" representa pra você, e se você gosta dela ou não.

      Importa é que a tal imagem é uma referência mitológica, religiosa portanto, inadmissível num verdadeiro Estado laico!

      Tem de ser retirada já!

      Excluir
    5. Esta é a diferença. Uma única religião não representa o povo brasileiro e nem os mitos mas sim a justiça, o símbolo de olhos vendados representa a imparcialidade, a espada a força de que dispõe para impor o direito. O símbolo representa o significado de justiça para seu povo, assim como o papai noel representa o comercio capitalista na época de do natal. Se o crucifixo em repartições publicas representa uma maioria cristã, então para então deixa de ser uma verdade para se tornar um mito, assim como um escultura.

      Excluir
    6. A estátua da mitológica "justiça" só tem significado bonito pra quem gosta e acredita, assim como o crucifixo tem para cristãos e muita gente.

      Mas o ponto é que a tal estátua da deusa justiça vendida, digo, vendada, é mesmo inconstitucional por ferir o Estado laico, e precisaria, se a Constituição fosse levada a sério, ser banida de todos os tribunais e espaços públicos.

      Excluir
    7. A estátua da deusa mitológica representa tanto pra vocês que ninguém se referiu ao nome real da deusa em que em que a estátua foi inspirada.

      Esses comentários são o equivalente de "se eu não posso jogar, ninguém pode" dos religiosos.

      Excluir
    8. A estátua da justiça é apenas isso, a personificação da justiça, não é uma divindade a ser adorada, não há culto em seu nome e ninguém se ajoelha diante da sua imagem para pedir proteção. Ao contrário do crucifixo.

      Entende a diferença?

      Excluir
    9. A estátua da deusa Têmis foi a inspiração da estatua vendada da justiça. Não existe mais a conotação religiosa, é apenas um símbolo inócuo, não existe culto ou uma religião ativa associada a ela hoje em dia. Você não vê ninguem por aí tentando passar leis, descriminando outras pessoas ou matando em nome de Têmis [ da justiça sim ].

      Excluir
    10. Sendo assim, o crucifixo também serve como um símbolo para um exercício de reflexão e humildade: lembra que foram decisões humanas que condenaram Jesus à morte, uma condenação injusta, pois ele não havia cometido crime. Seria bom que os juízes lembrassem disso.

      Excluir
    11. "Sendo assim, o crucifixo também serve como um símbolo para um exercício de reflexão e humildade"
      -Não, não serve, pois indica uma religião específica, o cristianismo.

      Excluir
    12. Não pode haver estátua da "justiça" (deusa Têmis) em órgão públicos.

      Estado laico já!

      Excluir
  7. Coitado do judaísmo, alem dos judeus serem perseguidos pelo nazismo da época ainda ficam com a falsa fama de assassinos de um homem que não sabe se realmente existiu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Ganharam" até um verbo por conta disso; Judiar.

      Excluir
  8. Não é tão simples assim, amiga.
    Mais do que uma miniatura de um instrumento de tortura e a lembrança de uma covardia histórica, o crucifixo é uma marca.
    Assim como a Nike tem seu bumerangue e o McDonalds os arcos amarelos, os cristãos têm essa cruz romana.Portanto não vão deixar barato, pois significa que também estão perdendo exposição gratuita de marca, que hoje é sabido ser a coisa mais importante no mundo das corporações.Mais que dinheiro e mais que propriedades e ações na bolsa.
    Talvez façam de forma inconsciente, mas a defesa dos crucifixos consiste nisso.Não tem nada a ver com religião ou metafísica.

    ResponderExcluir
  9. Gente cade os cristãos sumiram??? Eles não vai ameaçar a gente de fogo eterno e nem recitar a bíblia??

    ResponderExcluir
  10. A gente deve banir as estátuas da Justiça sim. Concordo. Sempre que eu encontrar uma EM UMA IGREJA, irei colocar a boca no trombone.

    Se eu fui na igreja, eu TENHO que aceitar os símbolos que sei que existem por lá. O padre pedófilo, o texto reescrito milhares de vezes por instituições patrimonialistas manipuladoras, as interpretações incorretas advindas de traduções malfeitas em tempos pré-medievais, modelos de conduta de beduínos quase pré-históricos e por aí vai, chegando às estátuas.

    Agora, se a pessoa vai em uma instituição jurídica por vontade própria, também deve aceitar os símbolos que por lá habitam - juízes corruptos, funcionários relapsos etc, nunca disse q lá todos são "santos". Se ela foi CONTRA a vontade, a opinião dela não tem força, convenhamos.

    Impor cruz em estabelecimentos não religiosos em sua natureza é o mesmo que impor logomarca da coca-cola em igreja. Contrassenso.

    ResponderExcluir
  11. Não sabia que tinha tanto ateu protestante... rsrs
    Acho que poderiam aproveitar e mudar o nome de todas as cidades com nome de Santos. E quem sabe derrubar o o Cristo redentor. Aquele imagem fere a constituição, pois,está em espaço público, além de ser usado como marketing que rende milhoes ao Rio de Janriro. Quem topa levar a marreta?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seria justo também derrubar aquela escultura ,mais como ela é um cliche da cidade do rio acho que seria bem difícil ,mais quem sabe daqui uns 30 anos ,as pessoas perceba que não precisa dessas coisas para fazer marketing de uma cidade turística. Mesmo porque um leve terremoto joga ela no chão. Melhor do que aquela estátua seria um observatório interplanetario aberto ao público.

      Excluir
    2. O que é melhor você ir lá ver a grandeza do universo ,ou ver a estátua de um tal suposto homem que morreu para saciar o desejo de vingança de um deus que só te aceita se você tomar e beber o sangue do seu sacrifício. Este tal deus teria ficado furioso com o homem lembra que ele solta fumaça pelo nariz e até adora sentir o cheiro de animais queimados e que é um deus irado e nervoso. Mais ele te ama basta fazer o jogo dele ou caso contrário ele vai te jogar no inferno a menos que você não leve seu deus a sério ou não acredita na bíblia igual a mim que sou ateu.

      Excluir
  12. Senhores ateus. Religião e cultura são inseparáveis. Vamos parar de perseguição. Nós estamos com um revanchismo ridículo querendo banir a religião do mundo. Quem conhece história sabe que isso não é possível nem necessário. O comunismo durante décadas perseguiu, proibiu e ate matou milhares de pessoas por causa da religião. E ela acabou? Não. Não acabou pois trata-se de uma valor assumido pela pessoa que em sua dignidade deve ser respeitado. Nós ateus se nos vangloriamos de humanistas deveriam entender isso. Ou vamos ficar de briguinha com os religiosos... Sinceramente Paulo Lopoes seu site já trouxe coisas mais interessantes. Ultimamente tem sido colocados textos que incitam ao preconceito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O comunismo perseguiu tudo que não era da cartilha de governo deles não só religião ,por ai já vê que você não tem gabarito ,eu acho que você deve ser um religioso disfarçado ,pois senão saberia que religião é uma crença pessoal e que o brasil é laico constitucionalmente laico. E que não existe na história exemplo bons que religião + poder político deva ser algo desejado.

      Excluir
    2. Religiões fizeram/fazem coisas como:

      - Censurar o livre pensamento.
      - Insistir que fazer perguntas demais é perigoso.
      - Incentivar as pessoas a terem fé (acreditar sem provas)
      - Queimaram cientistas.
      - Queimaram artistas.
      - Queimaram escritores.
      - Se mobilizaram e ainda se mobilizam contra diversas formas d earte que consideram impuras.
      - Lucram em cima da ingenuidade de pessoas simples, ignorantes, sem estudo, que são vulneráveis a discursos enganosos.
      - Etc.

      Tem certeza que religião e cultura são inseparáveis?
      A menos que você considere que a religião é uma forma única de cultura e que não pode haver nenhuma outra.
      Isso também é algo que as religiões pregam.

      Excluir
    3. "Nós estamos com um revanchismo ridículo querendo banir a religião do mundo."

      Parei de ler aqui...

      Excluir
  13. Só peço uma coisa: tirem esse coitado ensanguentado da cruz.É um horror ver uma imagem com sangue e ainda por cima ser obrigado a adorá-lo. Eu não sou pervertido, não tenho esse tipo de perversão por um pedaço de carne com sangue em uma cruz.

    ResponderExcluir
  14. Senhores ateus. Religião e cultura são inseparáveis. Vamos parar de perseguição. Nós estamos com um revanchismo ridículo querendo banir a religião do mundo. Quem conhece história sabe que isso não é possível nem necessário. O comunismo durante décadas perseguiu, proibiu e ate matou milhares de pessoas por causa da religião. E ela acabou? Não. Não acabou pois trata-se de uma valor assumido pela pessoa que em sua dignidade deve ser respeitado. Nós ateus se nos vangloriamos de humanistas deveriam entender isso. Ou vamos ficar de briguinha com os religiosos... Sinceramente Paulo Lopoes seu site já trouxe coisas mais interessantes. Ultimamente tem sido colocados textos que incitam ao preconceito

    senhor anônimo, esse comentário poderia ser endereçado a Jesus, vejam o que esse senhor disse:

    Quem é meu pai e minha mãe: para Maria;

    Hipócritas: para os fariseus;

    Carne de pescoço: para Pedro;

    Vendilhões do templo: para os sacerdotes;

    Andava com gente da pior espécie;

    Quer uma coisa mais anti-religiosa do que isso: não querer ter uma família e recusar a própria família, então vamos segui-lo? Hipócritas.

    ResponderExcluir
  15. Prestem atenção no preâmbulo da Constituição, seus idiotas! Deus está presente na mesma Constituição que vocês dizem ser contra qualquer tipo de crença. Parabéns mais uma vez aos inúteis que perdem tempo com esse tipo de ação judicial que não muda em nada os problemas tão sérios que temos em nossa sociedade!!! "Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembléia Nacional Constituinte, para instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias, promulgamos, sob a proteção de Deus, a seguinte Constituição da República Federativa do Brasil".VFS

    ResponderExcluir
  16. Diz a Profecia de Jesus:"Quando eu for levantado da terra, atrairei todos a mim".(João 12:32). Os antropólogos da religião associam Jesus como um teriomorfismo mais arcaico, da verdadeira e primeva divindade que a humanidade desde o princípio adora, e inconscientemente prevalece na psique, que é a serpente, ou deus ctônico. Anteriores aos deuses aéreos ou urânios, os répteis foram os primeiros seres com quem os homens da religião primitiva se identificaram, curiosamente, como todas essas coincidências são pertinentes devido ao inconsciente coletivo ser universal e genérico; tais répteis, fossem crocodilos ou tartarutas, eram representados encimados sobre os postes ídolos ou totens. O mito é prevalente, e associativo, se analisarmos que o mesmo Jesus se posiciona como A SERPENTE, COMPARANDO-SE com a anterior, levantada por Moisés no deserto. Está logo no início do Evangelho de João, e os crentes em sua maior parte alienados, são ensinados a repetir feito papagaios o paralelismo; sem contudo serem estimulados a buscarem-no compreender ou o esmiuçar, e investigar."Assim como Moisés levantou a serpente de bronze no deserto, assim importa que o Filho do Homem seja levantado"(João 3,14). Subentende-se que tal levantamento, obviamente, refere-se ao soerguimento da Cruz. Do ponto de vista simbólico, e este é o núcleo privilegiadíssimo e oculto aos crentes, ponto específico da religião, porque é a essencia mesma de sua verve mitológica; Jesus é o que vem curar a ferida da outra serpente, a primeva e arcaica. Como se o conhecimento fosse um veneno(?)e a inocência original, preter-natural, restaurada por Jesus, a cura. Em que pese a definição judaica ser oposta à grega, pois inocência ou nada saber, para o racionalismo é ignorância e esta é um mal;o paradoxo de Jesus é que Ele também pretende estabelecer um CONHECIMENTO DA VERDADE (embora não respondeu a Pilatos, quando este o perguntou: "Que é a verdade?"); uma proposta de que o conhecimento da divindade, (de Quem somos presumidamente filhos), nos deve despertar para a bondade e a Luz; a verdade do Filho de Deus, simultaneamente nos libertando da ilusão do pecado, da maldade, que são as trevas. Esta proposta GNÓSTICA (porque gnose no grego, é conhecimento) foi imediatamente rechaçada pela Igreja, em sua luta contra os hereges e "amantes do conhecimento". O perigo de que o orgulho do saber causasse de novo A QUEDA do homem, é sempre um convite, um sacrifício e um risco. Com o poder de conhecer o Bem, o homem também aprende inevitavelmente o conhecimento do Mal. E este problema paradoxal, nem satan, a primeira serpente, nem Jesus, a segunda, parecem suficientemente fortes para o resolver.

    ResponderExcluir
  17. antes de criticarmos o sagrado precisamos saber se não estamos muito apegados a coisas passageiras e se o nosso coração realmente está a serviço do reino de Deus. Quem se desgasta a favor de uma boa causa sempre será renovado por Aquele que é fiel. O Senhor te abençõe e te guarde e te livre de todo mal.

    ResponderExcluir

Postar um comentário