Evolução ainda não é aceita por uma minoria de cientistas


da Globo Ciência

Há 150 anos,  Darwin teve
de enfrentar duras críticas
Desde quando divulgou a teoria da evolução das espécies através da seleção natural, na obra “A Origem das espécies”, em 1859, o naturalista britânico Charles Darwin (foto) enfrentou críticas, tanto de outros cientistas quanto da Igreja. Hoje, mais de 150 anos depois, poucos se atrevem a contestar o evolucionismo darwiniano, com exceção de religiosos – alguns deles cientistas – que defendem o criacionismo.

“Hoje em dia, a teoria evolucionista é aceita por toda a comunidade científica, exceto por fundamentalistas, especialmente nos Estados Unidos e em alguns países árabes. Os lugares que têm mais oposição à teoria evolutiva são Turquia e Estados Unidos”, diz o diretor do Instituto de Biologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), professor Antonio Solé-Cava.

A restrição de religiosos a Darwin acontece porque a teoria do britânico, ao defender a evolução dos seres vivos por meio da seleção natural, prescinde de um criador para explicar a origem das diferentes espécies. No entanto, há cientistas religiosos que compartilham das críticas ao evolucionismo e defendem que a origem dos indivíduos é obra da criação de Deus. São os chamados criacionistas.

“Existem cientistas que defendem o criacionismo, pessoas que têm doutorado, que publicam artigos, mas eles são minoria. Eles são fundamentalistas. O fundamentalismo é pegar o que está na Bíblia, ou em qualquer livro sagrado, e interpretar literalmente. O fundamentalismo cristão é muito fácil de rebater. Se os defensores querem interpretar a Bíblia ao pé da letra, eles têm que acreditar que a Terra é plana, que o Sol gira em torno da Terra...”, critica Solé-Cava.

Nos Estados Unidos, há alguns anos, o desenho inteligente, vertente do criacionismo, começou a ser ensinado nas escolas, em detrimento da teoria de Darwin. No entanto, em 2005, o juiz federal John Jones proibiu o ensino desta teoria em escolas públicas do país. O desenho inteligente (ou design inteligente) prega que certas características dos seres vivos teriam em sua origem uma causa inteligente, em vez de um processo sem finalidade como a seleção natural.

“De acordo com o desenho inteligente, algumas estruturas são tão complexas que não se consegue imaginar como elas poderiam evoluir aos poucos. Um exemplo é o olho. Como o olho poderia ser resultado de seleção natural quando o cristalino de um olho não faz sentido nenhum sozinho? Eles dizem que seria impossível a seleção natural fazer um olho aparecer ao acaso. O problema é que o olho não aparece ao acaso. Ao longo da evolução, há criaturas que têm só algumas células sensíveis à luz, outras em que essas células ficam concentradas em um buraquinho, e, ao fazer isso, permite que haja foco, depois isso evoluí para um cristalino, que melhora o foco... O desenho inteligente tem sido a estratégica política adotada pelos criacionistas nos últimos 10 anos”, afirma o professor.

Críticas religiosas à parte, o evolucionismo só foi aceito pela comunidade científica nos anos 1930/40. No início do século XX, a “redescoberta”, pelos cientistas, dos estudos de genéticos de Gregor Mendel que explicavam a hereditariedade – as Leis de Mendel – eclipsaram o pensamento darwiniano. Para os geneticistas, em vez da seleção natural como mecanismo evolutivo, o que ocorria, de fato, eram mutações. Somente anos depois é que o aprofundamento dos estudos genéticos permitiu conciliar o darwinismo, no que foi chamado de Síntese Moderna.

“Só quando houve a síntese biológica, que aconteceu nos anos 30 e 40, que se somou a ideia da genética com a ideia da evolução. Antes, estavam separadas. A partir disso, a teoria evolutiva foi tomando força e hoje em dia ela é aceita por toda a comunidade científica, exceto por fundamentalistas”, diz o diretor do Instituto de Biologia da UFRJ.



Conhecimento científico é incompatível com fé e religião
dezembro de 2011

Ciência versus religião.      Evolução e criacionismo.


Postagens mais visitadas

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Artista gospel se recusa a cantar em casamento de amigo gay

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Trechos bíblicos cuja existência crente finge não saber

Carl Sagan escreve sobre um 'pálido ponto azul' nos cosmos, a Terra

Historiadora diz que Moisés não existiu. E sofre ameaças de morte