Pular para o conteúdo principal

Missões usam índios para contornar expulsão das aldeias

Terena é um dos primeiros da "onda" de índios pastores  
No 4º Congresso Brasileiro de Missões, realizado em outubro de 2011 em Caldas Novas, Goiás, o presbiteriano Ronaldo Lidório, 45, dirigindo-se aos índios ali presentes, conclamou no microfone: “Precisamos de mais 500 novos missionários para pregar o Evangelho a todos os povos indígenas”.

A Funai expulsou em 1991 as missões das aldeias porque, entre outros problemas, os religiosos estavam contaminando os índios com  doenças. Estima-se que, por conta disso, houve a morte de 30% dos índios evangelizados.

Lidório e outros líderes evangélicos têm feito apelo por mais índios pregadores para contornar a restrição de atuação das missões. Como elas não podem se fixar nas aldeias, os religiosos recorreram a uma artimanha: estão transformando índios em missionários.

“O Estado não pode impedir que um índio se encontre com outro índio”, disse Edward Luz, presidente da Novas Tribos do Brasil, de acordo com anotação do jornalista Felipe Milanez, que cobriu o Congresso de Missões para a Rolling Stone Brasil.

A organização de Luz tem procurado doutrinar principalmente os índios não aldeados que cursam faculdade. “A maioria desses índios voltará ao seu povo para pregar o evangelho”, disse. “Contra essa força não haverá resistência [da Funai].”

Acelera-se a conversão de índios brasileiros a religiões evangélicas. 
julho de 2012

Para os líderes missionários, na maioria formada por batistas, os índios pastores representam a “terceira onda evangelizadora”. Na primeira, os missionários eram estrangeiros e, na segunda, brasileiros brancos.

A AMTB (Associação de Missões Transculturais Brasileiras), que representa organizações missionárias evangélicas, estima que existem 147 etnias que nunca foram tocadas pelos ensinamentos da Bíblia. Entre elas, estão as "etnias remotas", que não tiveram nenhum ou pouco contato externo.  

A Funai tem feito um esforço para que as comunidades desses índios se mantenham intocadas. Mas são justamente esses índios, no entender das missões, que mais precisam da salvação divina. Porque – está no Evangelho segundo Marcos – “quem crer e for batizado será salvo, mas que não crer será condenado”.

O índio Henrique Terena é o pastor mais bem sucedido da aludida “terceira onda evangelizadora”. Ele tem o seu próprio ministério, que atua em colaboração com organizações missionárias.

Terena é presidente da Conplei (Conselho Nacional de Pastores e Líderes Evangélicos Indígenas), que representa tribos da América Sul, mas sobretudo as do Brasil.

O Conselho não deixa dúvida sobre o seu propósito, que é, segundo o seu site, “penetrar as trevas de lugares onde não há o conhecimento de Cristo”.

Índios crentes


Com informação da Rolling Stone, edição de dezembro de 2011.

Comentários

Caruê disse…
Eles não sabem o mal que fazem.
Anônimo disse…
Mais de 500 anos......e nada se aprendeu.
A violência cultural contra os índios, em nome de um Jesus (Que nunca existiu) continua.
Anônimo disse…
Crente é metido mesmo.
Anônimo disse…
Já ouvi um colega meu cristão dizer o seguinte: ''Na bíblia tá escrito assim: a quem muito é dado, muito será cobrado, e a quem pouco ou nada é dado, pouco ou nada será cobrado, isso quer dizer que quem vive sem conhecer jesus, sem ouvir a palavra de deus, não será praticamente cobrado de seus pecados, ao contrário de quem já ouviu, pois não tem 'desculpas' pra pecar''. ''Então - eu disse - quanto menos gente conhecer jesus e sua palavra, menos serão os castigados por deus pelos seus pecados, já que todos pecamos, conhecendo jesus ou não? Então é melhor que ninguém seja apresentado a ele, que terminem as evangelizações e as pregações em templos, praças, rádios e TVs, já que isso evitaria o sofrimento eterno, que é justamente o que deus não quer pros seus filhos, certo?''. ''Você tá deturpando tudo, não é assim que se interpreta a palavra de deus''. E foi embora, puto da vida. Ora! não é a 'palavra de deus' mesmo que diz isso? Deixem os índios em paz então! Por acaso eles vem encher nosso saco com seus deuses? NÃO! Aprendam com eles, caras-pálidas! Vê se tem algum ateu reclamando de índio aqui, é simples: é porque eles não se metem na vida de ninguém, nem tentam enfiar sua doutrina na cabeça dos outros! Vale lembrar que quando os portugueses chegaram aqui, a terra era DELES! Chegaram, os 'evangelizaram', depois os escravizaram 'em nome de deus', e só os deixaram em paz com a chegada dos negros africanos, estes também, 'evangelizados', escravizados e oprimidos na sua cultura. Tenho vergonha de já ter sido cristão um dia, vergonha!
John Constantine disse…
É uma super-falta de respeito para com a cultura indigena, com a insistencia dos missionarios em IMPOR a religiao aos indios, com uma alegacao exdruxula de "quem nao crer, sera condenado".

Esse versiculo, em uma analise mais profunda, nao consta nos originais do referido livro. Descobriu-se que é uma insercao tardia efetuada pela Igreja, nos seculos seguintes.

Cade o Ministerio Publico e o FUNAI para coibir essas praticas desrespeitosas, ultrajantes, descabidas e causadoras de MORTE (sim, a noticia refere que 30% dos indios evangelizados morreram de doencas), alem de ACULTURACAO !??

Os evangelicos e os cristaos nao respeitam as pessoas que nao compartilham das crenças !!!
Anônimo disse…
Após trabalho com índios no Amazonas, missionário evangélico vira cientista ateu
http://www1.folha.uol.com.br/folha/ciencia/ult306u497009.shtml
SATANÁS disse…
500 anos depois a história se repete!!! isso é crime grave!!! é CULTURICÍDIO!!!! tem que haver intervenção do mp, do congresso, de ongs sérias, de qualquer órgão federal para coibir esse absurdo. o cristianismo é a religião mais ditatorial que existe. vamos denunciar isso!!!!
Izaque Bastos disse…
fala serio Paulo do jeito que vc coloca ate parece que os missionarios sao algum bicho papao, e que só fazem mal aos indios, deveria nao ser tao parcial, mas colocar os dois lados da historia,essa de que brancos levam doenças as aldeias indigenas é d+, Jesus disse que o evangelho tem que ser pregado a toda criatura, sem distinçao de raça ou cor.
Anônimo disse…
Bem, em algum momento da história os Europeus também não eram cristãos. O fato de eles terem se convertido não impediu que tenham formado uma cultura própria, diferente das culturas pagãs anteriores.
Anônimo disse…
Interpretação infeliz a do seu amigo, que acabou levando a esse raciocínio corretamente desenvolvido a partir dela. Historicamente o catolicismo entendia que quem não fosse batizado, católico e tivesse um conhecimento mínimo em alguns artigos de fé não poderia ir para o céu. Por isso lê-se na Carta de Pero Vaz de Caminha que o melhor que o rei poderia fazer no Brasil seria "salvar essa gente [os índios]". Essa mentalidade estava por trás de mistura entre a Igreja e o Estado na conversão dos índios: até o fim do Império a catequese indígena era assunto do ministério da agricultura!

Com a baderna criada pelo Concílio Vaticano II, dizem que qualquer um, independente de batismo ou conhecimento sobre o cristianismo, pode ser salvo, sob certas condições, numa flagrante ruptura doutrinária.
Gente, desculpa, pode parecer meu racista isso que vou falar, mas preciso defender meu ponto de vista.

Não sou racista, mas, gente, pela piedade, vamos raciocinar um pouquinho. Estamos no século XXI, o futuro é hoje, a tecnologia está em alta, nossos filhos já nascem sabendo mexer num computador. Daqui a pouco os robos domésticos estão aí na casa de cada um.

Enquanto isso, tem um pessoal fora da sociedade civilizada que parece que nunca viram um carro na vida! Acho um absurdo ainda existir índios dentro da MATA, vivendo em casas primitivas, andando por aí pelados, vivendo como se estivessem no século XV, atirando flechas em helicópteros! FLECHAS EM HELICÓPTEROS!

Enquanto nós estamos aqui, usufruindo de toda a tecnologia e informação que nos podem oferecer.

Antes que venha algum falso moralista me acusar de ódio por índios, eu não estou defendendo o extermínio, estou defendendo a SOCIALIZAÇÃO dos índios na sociedade civilizada.

A coisa mais humanista que podemos fazer por eles é socializá-los, colocar eles dentro da sociedade. Seria até uma forma de inclusão social, e deixar eles fora da sociedade, num "mundinho" primitivo deles na mata como se fossem animais, enquanto nós evoluímos aqui, é exclusão pra mim.

Cultura? Se está falando de religião, está falando merda. Religião não é cultura! Mas se estão falando em artesanato, aqui em Manaus integramos bastante o artesanato indígena no nosso dia-a-dia, e é difícil encontrar uma casa que não tenha pelo menos um peça de decoração indígena. E que são muito bonitos, diga-se de passagem!

Se prezam tanto pela cultura indígena, vão construir museus então, aqui e Manaus tem muitos.

Agora, resta saber se eles querem integrar a sociedade ou ficar fora dela. Aí é com eles, também não vamos usar a força e obrigá-los, pela piedade. Não é assim que se deve fazer as coisas.

Agora, evangelizar índios?! NÃO! Isso não! Dogmatizar índios não é socializá-los! Se eles quiserem ainda acreditar em Tupã, vamos respeitar, né! E que se dane o que está escrito na bíblia!

Ao invés disso, os ensinem a usar um notebook (se bem que na mata eles não vão precisar disso, mas já tem aldeias que tem até banda larga).

E desculpa se eu ofendi alguém (caso alguém seja descendente de índios), mas é meu ponto de vista.
Caruê disse…
“Eles vieram com uma Bíblia e sua religião – roubaram nossa terra, esmagaram nosso espírito… e agora nos dizem que devemos ser agradecidos ao ‘Senhor’ por sermos salvos”.
Chefe Pontiac, Chefe Indígena Americano
Anônimo disse…
Dizem que a Belo Monte vai acabar com os índios. Eu acho que os cristãos vão conseguir acabar antes...
Anônimo disse…
O processo brasileiro foi um tanto diferente do americano. São interessantes os documentos do governo no século XIX tratando de técnicas para civilizar os índios. Nesses textos há partes em que recomenda-se não tentar uma integração repentina pois isso geralmente tornava os índios mais ariscos ainda.
Walter Cruz disse…
Luan Cunha, entendo seu ponto de vista, mas acredito que o problema não é tão simples assim. Existem uma série de fatores que precisam ser levados em consideração, e um dos principais é a questão da saúde dos índios. O simples fato de um homem branco aparecer do nada em uma aldeia que nunca havia tido contato com outras civilizações já é um perigo enorme. Uma gripe ou resfriado mais forte pode dizimar metade de uma aldeia, pois os índios não tem todas as defesas imunológicas que nós temos (já nascemos recebendo tudo quanto é tipo de vacina).

Sem contar o perigo de toda a etnia indígena simplesmente desaparecer em decorrência do "cruzamento" (desculpe, não achei outro termo) das raças. Em poucas décadas dificilmente veríamos um índio "sangue-puro" por aí.

É um problema complicado esse, viu? Sobre a "evangelização", eu considero como uma grave agressão não só aos índios, mas a todos que se submetem à ela.
No Name disse…
Não pode interferir em sua cultura, se eles quiserem matar crianças gêmeas, albinas, com síndrome de down, que seja respeitada a cultura.

A lei do branco não serve pra nós, só serve quando dá a 6 dúzia de índios uma área maior que a cidade de São Paulo.

Expulsaram os trabalhadores brasileiros da Raposa Serra do Sol para manter a intocabilidade dos índios , hoje tem tanta ONg estrangeira lá por pura "compaixão" pelos índios a maior reserva de nióbio do planeta esta em regiões indígenas. Tem empresa canadense fazendo acordo com os índios para a exploração de minérios.

Religiosos é fumaça para esconder o entreguismo que os SR. FHC e LUla estão fazendo.

LOgo a ONU vai propor a autodeterminação dos povos indígenas e aquilo lá vai ser um país totalmente separado do Brasil.
Ateu Consciente disse…
Quer dizer então que as trilhões de pessoas que morreram sem conhecer Jesus foram pro inferno? Se não foram, pq pregar a palavra de Deus pra elas se elas não vão pro inferno caso não a conheça? É o cristianismo, mais paradoxal que nunca.

Na minha opiniã era pra deixar os índios intocados mesmo, gente branca só serve pra transmitir doenças pq nem com vacinas os ídios sobreviveriam, eles são vulneráveis de mais a doenças extremamente simples. Em doenças inclui-se tb o cristianismo.
Anônimo disse…
Ateu Consciente,

Desde o princípio do cristianismo acreditava-se que quem morresse sem baptismo não ia para o céu. Existiam opiniões minoritárias que abriam exceções para mártires e catecúmenos. Contudo, a idéia é de que os milhões de pessoas que morreram sem a oportunidade de ter fé não seriam penalizadas por isso em específico, tendo a possibilidade de ir a um lugar do inferno onde não sofressem tormentos, o limbo.

Noviço
No Name disse…
Ateu ConscienteJan 16, 2012 05:24 PM

Não disse nada disto.

Estão expulsando missionários para esconder milhares de ONGS que de humanistas não tem nada.
Não digo que não tenha missionários ligados a grandes grupos internacionais cujo o interesse é outro.

Vc sabe quantas ONgs tem no nordeste brasileiro?


Nenhuma!
Caruê disse…
Nos precisamos de florestas principalmente a Amazônia que é o maior reservatório de gás carbônico do planeta o grande vilão do efeito estufa. Além disso a floresta influencia muito o regime de chuvas do Brasil, sem um regime de chuva regular os fazendeiros do Sul, Sudeste e Centro Oeste vão todos a falência. A floresta tem que ser preservada os Índios e outros coletores e extratores são os unicos capazes de viver e preservar a floresta.
Quem conhece a realidade das aldeias urbanas do Mato Grosso do Sul com Igrejas, Bares, alcoolismo, miséria e criminalidade não tem duvidas de que eles viviam melhor antes de serem ´´civilizados``.
Anônimo disse…
Pra que existem vacinas né?

E qual o problema de se "perder a etnia"? eles são cães que precisam ter raça pura? dá um tempo né... ¬¬
No Name disse…
CaruêJan 16, 2012 06:11 PM
VC já ouviu falar no acordo dos índios com a mineradora Canadense Cosigo Resourses.

Vc conhece o video Farms here forest there?
E daí? O que isso tem a ver?
No Name disse…
Luan CunhaJan 17, 2012 06:57 AM

Expulsam brasileiros, o exército e nem a polícia federal entra lá sem autorização, ongs extrangeiras entram e sai quando querem, apoio humanitário ?
É o território deles.

Se você fosse dono de uma fazenda, você gostaria que estranhos entrassem sem permissão e fizessem o que quiserem nela?

Tecnicamente, nós, homens brancos, somos os invasores. Os índios são os genuínos donos e habitantes das terras brasileiras.
No Name disse…
Luan CunhaJan 17, 2012 09:01 PM
Olha antes do homem branco chegar como era demarcado as propriedades dos índios? não foi a lei do homem branco que fez as leis que hoje eles a utilizam?

Pode parecer estranho, mas se não tinha lei como pode 6 duzia de índios serem donos de 60% de todo o país?

Antes não tinha tribos mais fortes que tomavam áreas de outros índios escravizavam suas mulheres e praticavam canibalismo?

Todos são iguais perante a lei, segundo a Constituição, uma lei. Se o crime for cometido por algum índios, deverão ser levadas em conta as suas, culturas.

E dependendo da situação eles podem até vetar projetos de interesse de todo país.

Se houver riquezas no sub-solo que são de propriedade do estado para eles isto não vale.

Isto tudo esta na Convenção da OIT 169, aprovado pelo sr. Lula.

Se aqui estivermos com problemas de energia, minérios e etc... se esta cambada não quiser o resto do país que se dane.

Os brasileiros foram enganados com este papo de preserva-los na verdade estão entregando nossas riquezas, e internacionalização da amazonia.
Anônimo disse…
depois de mais 500 mil anos ainda tem fanáticos fazendo catequese nos índios. Fim de mudn
Anônimo disse…
Branco leva doença sim aos índios,eles ñ são imunes a muitas doenças de branco...Conheci uma mãe índigena,que perdeu 4 filhos...Eles ñ sou imunizados ou ñ eram...Porque temos VACINAS???E índios com AIDS!!!
Thiago disse…
E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura.
Marcos 16:15

Nós, cristãos servimos Jesus e cumprimos seus preceitos!

Posts + acessados hoje

Desmascarador de curandeiros e paranormais, James Randi morre aos 92 anos

Pastor de Manaus é acusado de ejacular ‘esperma de Deus’ em obreiras

Líder religiosa pagava quem trabalhava em sua empresa com promessas de salvação divina