Pular para o conteúdo principal

Agnóstico diz por que aceitou participar de encontro com papa

por Andrés Beltramo, do jornal La Stampa

Hurtado diz que solução da
crise exige o diálogo
Sem os ateus, faltaria algo no encontro de Assis. Palavra do filósofo mexicano Guillermo Hurtado (foto), 48, o membro mais jovem da delegação dos quatro não crentes que participam da Oração pela Paz.

Com ele, estão Julia Kristeva, filósofa e psicanalista francesa; Remo Bodei, historiador da Universidade de Pisa; e Walter Baier, economista austríaco, membro do Partido Comunista. A reunião desejada pelo papa, para Hurtado, não é mais inter-religiosa, porque, pela primeira vez, envolve toda a humanidade.

Segue entrevista com Hurtado.

O que um agnóstico faz nessa peregrinação?

Acompanha os crentes na busca da verdade e da paz, como disse Bento 16. Trata-se de uma busca compartilhada da humanidade, na qual um agnóstico, e também um ateu, podem participar com confiança e convicção plenas.

Essa será a primeira vez para os não crentes nos encontros de Assis. Como você interpreta essa novidade?

Como parte de uma vocação universal da Igreja Católica, porque um encontro só de crentes, que deixa de fora aqueles que não o são, não seria um reflexo das aspirações comuns da humanidade. Devemos promover o diálogo entre crentes e não crentes neste momento da história, em que estamos submersos em uma crise muito grande, para encontrar soluções comuns para os problemas comuns.

Há muitos tipos de não crentes: agnósticos, ateus e hostis. Há espaço para todos em Assis?

É um leque que vai desde os ateus beligerantes jacobinos (que pretendem anular a religião) até os agnósticos abertos às manifestações da religiosidade, que buscam respostas espirituais. Não é possível colocar todos os não crentes na mesma categoria. O convite do papa não pode ser considerado como um convite para todos: eu o considero como um convite individual para estabelecer um diálogo com alguns não crentes.

Filosofo ateu recusa convite do papa para encontro inter-religioso.
outubro de 2011

Ateísmo.

Comentários

LEGIÃO disse…
Isso mesmo! O convite deve ser aceito!

Depois, para retribuir a gentileza, Lord Sidious deveria ser convidado pelos Cavaleiros do Ateísmo para uma rodada de reflexões sobre os grandes males do mundo e suas causas.

Por quê tantas mortes por doenças sexualmente transmissíveis nos redutos de crença católica?

Por quê, apesar de toda caridade anunciada, ainda há fome no mundo?

Por quê há crianças sendo estupradas por sacerdotes?

Por quê o Alto Clero não toma providências para levar à Justiça os padres pedófilos?

Por quê a Teologia da Libertação foi fortemente oprimida pela Igreja Católica?

Por quê réles burocratas tem mais ascensão na hierarquia católica do que homens de visão?

Por quê o preconceito contra as mulheres continua a ser incentivado pela ICAR?
Caruê disse…
Hoje em dia declarar-se agnóstico é como declarar-se mamífero ainda fica faltando falar a sub-classe, infraclasse, ordem, subordem...
Agnóstico originalmente diz respeito a quem tem convicção de que a questão Deus existe é insolúvel. Existem também agnósticos com esperanças de solucionar esta questão, outros assumem uma postura em cima do muro sem acreditar ou desacreditar em Deus. Sendo a ultima a mais incorreta.
Em minha analise o termo agnóstico e ateu não são excludentes. O primeiro diz respeito a possibilidade de provar se Deus existe ou não o segundo diz respeito a descrença em Deus.
Sou tanto ateu quanto agnóstico.
Quanto ao encontro fico feliz, embora duvide que exista um debate em terreno religioso, apenas a presença de dissidentes já é bem vinda.
Anônimo disse…
Ser ateu é ignorar a religião.
Devemos nos ater a combater seus crimes, apenas.
Aos que creem nossos mais profundos sentimentos.
Anônimo disse…
"Ser ateu é ignorar a religião."
Não. Ser ateu não tem a ver com religião, tem a ver com a crença em deus(es).

Uma pessoa pode ser ateia e ter religião, algo que acontece com alguns ateus budistas.
LEGIÃO disse…
Tenho observado que entre os não crentes, há uma divisão:

a) Os que pregam a descrença e

b) Os que pregam a anti-crença.

A Descrença caracteriza-se pelo abandono sistemático das crenças. Já a Anti-crença, frequentemente, usa instrumentos da crença para fomentar a descrença.

As definições simplistas do que é ser ateu são imprecisas e pouco efetivas em termos de resultados.

Particularmente, simpatizo com a anti-crença, pois não se ocupa de argumentações vãs, indo direto ao ponto, com as mesmas armas do inimigo. A Anti-crença é a reengenharia da crença.

Um bom exemplo do uso da anti-crença é empregar a "Regra de Ouro" ao caso da demissão de muçulmanos pela empresa Hertz: E se, durante as orações em uma mesquita, sacássemos o celular ou o laptop e começássemos a trabalhar? Seríamos expulsos do recinto?

A resposta, dado o fervor religioso maometano, é simples: Sim, seríamos expulsos.

Daí se conclui que a Hertz está correta em demitir os muçulmanos que rezam durante o serviço.
LEGIÃO disse…
Ainda sob a luz da anti-crença, nos casos envolvendo símbolos religiosos em repartições públicas: É aceitável que o Governo faça sua propaganda e insira seus símbolos nas igrejas?

A resposta, todo mundo sabe. É claro que não.

Então, pela regra de ouro (que se atribui a Jesus, durante o Sermão da Montanha) não se deve inserir símbolos ou propaganda religiosa nas repartições públicas.
Anônimo disse…
Augusto disse...

Respondendo ao LEGIÃO

"Por quê tantas mortes por doenças sexualmente transmissíveis nos redutos de crença católica?"

Por que não seguem as orientações da Igreja.

Se todo mundo, ou quase todo mundo, fosse fiel a Igreja, certamente DST´s como a AIDS deixariam de existir.

Se só os casados fizesse sexo, como as DST´s iriam se espalhar??



"Por quê, apesar de toda caridade anunciada, ainda há fome no mundo?"

Porque os governos estão mais preocupados em acumular fortunas pessoais do que fazer bem o seu trabalho.


"Por quê há crianças sendo estupradas por sacerdotes?"

Mais de 90% das crianças são abusadas pela própria família.
Devemos tirá-las de suas próprias famílias como uma forma de prevenção?


"Por quê o Alto Clero não toma providências para levar à Justiça os padres pedófilos?"

Que provas você tem? Queria ver se você fosse acusado de algo que não fez e algo juíz te prendesse.


"Por quê a Teologia da Libertação foi fortemente oprimida pela Igreja Católica?"

Isso é problema seu? É incrível como tem gente que adora se meter em algo que elas não têm nada a ver só para ver o circo pegar fogo.

Acho que está bom. Vou parar por aqui.
Tenho observado que entre os não crentes, há uma divisão:

a) Os que pregam a descrença e
b) Os que pregam a anti-crença.


Existe um terceiro grupo, o dos que pregam crenças não religiosas (mas igualmente iracionais) e ainda assim se acham melhores do que os religiosos.

Por exemplo: há pessoas que não creem em religiões, mas são nacionalistas ao extremo.

A Descrença caracteriza-se pelo abandono sistemático das crenças. Já a Anti-crença, frequentemente, usa instrumentos da crença para fomentar a descrença.

Acho que poderíamos refinar melhor a sua distinção: a descrença se caracteriza pelo abandono da crença (note que é um fator relativo, não se é totalmente crente e nem descrente) enquanto a anti-crença é uma atitude de reação à crença. Todo anti-crente é um crente latente.

As definições simplistas do que é ser ateu são imprecisas e pouco efetivas em termos de resultados.

Uma vez que o termo "ateu" não foi criado pelos descrentes, mas pelos crentes, com objetivo justamente de rotular e oprimir. Os ditos ateus propriamente ditos não se interessam em defini-lo precisamente (ou o definem contraditoriamente) porque, no fundo, ateísmo não é um sistema. Querer definir o ateísmo é como tentar encontrar fisicamente uma fronteira marcada no mapa: busca-se um limite arbitrário, traçado por gente que não vive lá.

Particularmente, simpatizo com a anti-crença, pois não se ocupa de argumentações vãs, indo direto ao ponto, com as mesmas armas do inimigo. A Anti-crença é a reengenharia da crença.

Eu tenho medo da anti-crença, pois ela tem um potencial dogmático muito forte. No fundo, uma anti-crença é uma crença ao contrário, tal como um número negativo ainda pertence ao conjunto dos inteiros.
renato disse…
José Geraldo,vc escreve que:

"Uma vez que o termo "ateu" não foi criado pelos descrentes, mas pelos crentes, com objetivo justamente de rotular e oprimir. Os ditos ateus propriamente ditos não se interessam em defini-lo precisamente (ou o definem contraditoriamente) porque, no fundo, ateísmo não é um sistema. Querer definir o ateísmo é como tentar encontrar fisicamente uma fronteira marcada no mapa: busca-se um limite arbitrário, traçado por gente que não vive lá."

Agora eu lhe pergunto se a Igreja de Cristo é um sistema?
Tambem eu lhe digo que querer definir a Igreja de Cristo é como tentar encontrar fisicamente uma fronteira marcada no mapa: busca-se um limite arbitrário, traçado por gente que não vive lá.

Claro que o ateísmo é um sistema!Seja que tipo de ateísmo for,sera sempre um sistema.
Agora eu lhe pergunto se a Igreja de Cristo é um sistema?

Sim ou não. Depende do ângulo pelo qual vc olha.

Se você olha pelo lado da coerência global, "a igreja" não é um sistema, mas um agrupamento difuso de sistemas e pseudo-sistemas. Mas se olha pelo lado da coerência interna, cada igreja é um sistema auto-definido, pois se baseia em um conjunto de pregações mais ou menos fluidamente coerentes.

O que torna as igrejas diferentes do ateísmo é que o conceito de "igreja" é historicamente desenvolvido pelos crentes, só que o ateísmo também. Veja bem, o "ateísmo" não é um conceito criado por ateus. "Ateísmo" é um conceito oposto ao de religião ou de igreja, um conceito nascido no seio da religião.

Foi isso que eu quis enfatizar ao dizer que o ateísmo não é um sistema.

P.S. - As igrejas reivindicam suas fronteiras no mapa, mesmo que não sejam reconhecidas pelos outros "países" do universo filosófico. Isso difere do ateísmo que, de certa forma, não considera as fronteiras como algo real ou necessário. A melhor comparação seria das igrejas como países e os ateus como anarquistas.
Ichthys disse…
parabéns, a esse grupo ateu é a primeira vez que vejo ateus conscientes de que fazem parte de uma sociedade que também é crente e não precisam ignora-la, e embora sejam uma pequena minoria está bem representada e é isso que importa...

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

Malafaia divulga mensagem homofóbica em outdoors do Rio

Essência do totalitarismo é querer fazer o 'bem para todos'

Título original: Tentação totalitária por Luiz Felipe Pondé para Folha Você se considera uma pessoa totalitária? Claro que não, imagino. Você deve ser uma pessoa legal, somos todos. Às vezes, me emociono e choro diante de minhas boas intenções e me pergunto: como pode existir o mal no mundo? Fossem todos iguais a mim, o mundo seria tão bom... (risadas). Totalitários são aqueles skinheads que batem em negros, nordestinos e gays. Mas a verdade é que ser totalitário é mais complexo do que ser uma caricatura ridícula de nazista na periferia de São Paulo. A essência do totalitarismo não é apenas governos fortes no estilo do fascismo e comunismo clássicos do século 20. Chama minha atenção um dado essencial do totalitarismo, quase sempre esquecido, e que também era presente nos totalitarismos do século 20. Você, amante profundo do bem, sabe qual é? Calma, chegaremos lá. Você se lembra de um filme chamado "Um Homem Bom", com Viggo Mortensen, no qual ele é um cara

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Arcebispo afirma que vida dos descrentes não tem sentido

Para Battisti, o sentido da vida está no sobrenatural  O arcebispo Anuar Battisti (foto), 59, de Maringá (PR), escreveu um artigo onde aborda um tema recorrente por parte de religiosos, o de que não há sentido na vida dos descrentes em Deus. “Este ambiente de descrença, misturado com ateísmo, leva a pessoa a viver no deserto da vida sem gosto, sem rumo, vagando em busca de um sentido”, escreveu dom Battisti no artigo publicado no Diário.com. “A ausência de Deus cria na alma humana um vazio de sentidos que leva ao desespero, à negação de tudo o que diz respeito ao sobrenatural”, acrescentou. A americana Paula Kirby, consultora de organizações seculares, escreveu recentemente no Washington Post que quem precisa de Deus para que a sua vida tenha um significado é porque a sua família e amigos, em tese, não têm nenhum valor. O que, obviamente, é um absurdo. Ninguém precisa de Deus, por exemplo, para amar seus filhos. Kirby argumentou que é o cristianismo que tenta tirar todo

Médico acusado de abuso passa seu primeiro aniversário na prisão

Roger Abdelmassih (reprodução acima), médico acusado de violentar pelo menos 56 pacientes, completou hoje (3) 66 anos de idade na cela 101 do pavilhão 2 da Penitenciária de Tremembé (SP). Foi o seu primeiro aniversário no cárcere. Filho de libaneses, ele nasceu em 1943 em São João da Boa Vista, cidade paulista hoje com 84 mil habitantes que fica a 223 km da capital. Até ser preso preventivamente no dia 17 de agosto, o especialista em reprodução humana assistida tinha prestígio entre os ricos e famosos, como Roberto Carlos, Hebe Camargo, Pelé e Gugu, que compareciam a eventos promovidos por ele. Neste sábado, a companhia de Abdelmassih não é tão rica nem famosa e, agora como o próprio médico, não passaria em um teste de popularidade. Ele convive em sua cela com um acusado de tráfico de drogas, um ex-delegado, um ex-agente da Polícia Federal e um ex-investigador da Polícia Civil. Em 15 metros quadrados, os quatros dispõem de três beliches, um vaso sanitário, uma pia, um ch