Muitos se acostumaram a ser tratados pelo Estado como bebês

Título original: Os sem-iPad

por Luiz Felipe Pondé para Folha

Você sabia que agora existe em Londres o movimento dos sem-iPad? Coitadinhos deles. Quebram tudo porque a malvada sociedade do consumo os obriga a desejar iPads... No passado todo mundo era "obrigado" a desejar cavalos, tecidos de seda, especiarias, facas, tambores, ouro, mulheres...

Como ficam as pessoas que desejam, não têm, mas nem por isso saqueiam lojas, mas sim trabalham duro? Seriam estes uns idiotas por saberem que nem tudo que queremos podemos ter e que a vida sempre foi dura? 

Esta questão é moral. Dizer que não é moral é não saber o que é moral, ou apenas oportunismo... moral. Resistir ao desejo é um problema de caráter. Um dos pecados do pensamento público hoje é não reconhecer o conceito de caráter. 

Logo existirão os "sem-Ferrari", os "sem-Blackberry", os "sem-Prada" também? Que tal um "bolsa Blackberry"? Devemos criar um imposto para os "sem-Blackberry"? 

Na Inglaterra, dizem, existem famílias que nunca trabalharam vivendo graças ao governo há gerações. É, tem gente que ainda não aprendeu que não existe almoço de graça. 

Mas esse fenômeno de querer desculpar todo mundo da responsabilidade moral do que faz não é invenção de quem hoje justifica a violência em Londres clamando por justiça social na distribuição de iPads.
 
É conhecida a passagem na qual o "homem do subsolo" no livro "Memórias do Subsolo", de Dostoiévski, abre suas confissões dizendo que é um homem amargo. Em seguida, alude à teoria comum de que ele assim o seria por sofrer do fígado. Logo, a culpa por ele ser amargo seria do fígado. 

Ele recusa tal desculpa para sua personalidade insuportável e prefere assumir que é mesmo um homem mau. Eis um homem de caráter, coisa rara hoje em dia. 

Agora, todo mundo gosta de "algum fígado" (a sociedade de consumo, o patriarcalismo, a Apple) que justifique suas misérias morais.

O profeta russo percebeu que as ciências preparavam uma série de teorias que tirariam a responsabilidade do homem pelos seus atos. 

A moda pegou nos jantares inteligentes e hoje temos vários tipos de "teorias do fígado" para justificar nossas misérias morais. 

Uma delas é a teoria de que somos construídos socialmente. 

Dito de outra forma: O "sujeito é um constructo social". Logo, quebro loja em Londres porque fui "construído" para enlouquecer se não tenho um iPad. Tadinho... 

Tem gente por aí que tem verdadeiro orgasmo com essa bobagem. 

Não resta dúvida de que há algo verdadeiro na ideia de que somos influenciados pelo meio em que vivemos. 

Por exemplo, se você nasce numa favela, isso não vai passar "desapercebido" nos seus modos à mesa, no seu comportamento cotidiano e nas suas expectativas e possibilidades na vida. 

Mas aí dizer que "o sujeito é um constructo social" é pura picaretagem intelectual. Ninguém consegue ou conseguirá provar isso nunca, mas quem precisa de "provas" quando o que está em jogo são as ciências humanas, que de "ciência" não têm nada. 

Esse blábláblá não só exime o sujeito da responsabilidade moral, como abre a porta para todo tipo de "experimento" psicossocial, político ou justificativa moral, que, na realidade, serve pra qualquer um inventar todo tipo de conversa fiada em ciências humanas "práticas". 

Por que tanta gente adora essa teoria? Suponho que, antes de tudo, o alivie de ser você e coloque a "culpa" de você ser você no pai, na mãe, na escola, na vizinha, na sociedade, no consumo, na igreja, no patriarcalismo, no machismo, na cama de casal, no iPad, no diabo a quatro. Menos em você. 

Temos aí uma prova de que grande parte das ciências humanas não reconhece o conceito de caráter. 

Moral é exatamente você resistir a impulsos que outras pessoas, sem caráter, não resistem. Já leu Aristóteles? Kant? 

A "culpa" do que hoje acontece em Londres não é do consumo. Homens sempre quebram coisas de vez em quando e querem coisas sem esforço. As causas podem variar. Hoje em dia, seguramente, uma delas é que muita gente está acostumada a um Estado de bem estar social que os trata como bebês.
 
A preguiça, sim, é um traço universal do ser humano.

O sentido da vida se arranca das pedras e não dos céus.
fevereiro de 2010

Artigos de Luiz Felipe Pondé.

Comentários

  1. O maior desejo de Pondé, Olavão e Direita Católica:

    http://www.rodrigovianna.com.br/wp-content/uploads/2011/08/dilma+e+a+espada+2.jpg

    ResponderExcluir
  2. Pondé e a reencarnação de Schopenhauer, nota-se perfeitamente a semelhança!

    ResponderExcluir
  3. Verdade, os esquerzóides querem se isentar das suas misérias interiores colocando a culpa na Globo, no Bill Gates, nos Eua no quitandeiro da esquina..Mais Nietzsche menos Zé Dirceu! Rsrs!

    ResponderExcluir
  4. Olha o Pondé aí fazendo a cabeça do povo, minha gente:

    http://esquerdopata.blogspot.com/2011/08/dia-do-orgulho-reacionario.html

    Prestem atenção na placa no centro da figura.

    ResponderExcluir
  5. Primeiro anômnimo: Brincou.. Sabes que o Pondé é Judeu, né?

    ResponderExcluir
  6. Eu tb odiava a esquerda, hj só voto em candidato do pt, pensava que iriam ferrar com minha empresa, nunca ganhei tanto dinheiro depois do pt, eu que tenho uma média empresa e os grandes tb, os bancos com lucros jamais vistos , o mercado super feliz, o Itaú ganhou mais dinheiro nesse período que em toda ditadura militar, o mercado imobiliario super aquecido, lucros excelentes, essa direita reaça querendo voltar, o empresariado vai se unir e Dilma será reeleita, fiquem tranquilos!

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  8. Pondé está forçando a barra: Que associação sem lógica dos conflitos em Londres com esse movimento dos "sem-iPad", pior ainda suas generalizações sobre as ciências humanas. Qualquer um que ler a orelha de qualquer livro de um Bourdieu, por exemplo, tem mais argumentos que Pondé.

    Já está chato. Pondé e sua erudição de perfumaria, que tenta tornar mais palatável os preconceitos e posições de classe de seu público, está passando do limite na distorção e banalização da filosofia, da literatura, das ciências humanas... Pondé é o Gabriel Chalita da teologia conservadora brasileira.

    ResponderExcluir
  9. No caso específico do Brasil, o PATERNALISMO DO ESTADO chegou a tal ponto que, daqui a pouco o governo do PT vai oferecer vaselina, óleo de peroba, óleo de mamona ou sei lá o que, para os gays se "untarem" para suas relações de escorpião, com o rabo.
    Nunca se viu tanta aberração como no Brasil!

    Há bolsas e KITs para tudo quanto é segmento social. Mas os gays estão levando a melhor na concorrência pelas bolsas do governo!

    No caso do óleo de peroba, o PT já está acostumado com o uso dele na cara-de-pau dos companheiros, sempre envolvidos em corrupção!

    ResponderExcluir
  10. Anônimo das 09:26

    Pondé é filho de mãe judia, mas não é judeu praticante. E ele estudou teologia, é especialista na história do catolicismo. Eu não sei qual a crença dele, se é que possui alguma, mas sua afinidade política com a Direita Católica é evidente.

    ResponderExcluir
  11. Pondé quando escreve - "Na Inglaterra, dizem, existem famílias que nunca trabalharam vivendo graças ao governo há gerações." - ele deve estar falando da família Real.

    Angelo Italo aqui em cima mandou muito bem e escreveu mais ou menos o que eu queria escrever.

    ResponderExcluir
  12. Assistam o roda viva com Pondé e vcs verão que ele nao tem nada de reacionário!
    Pondé só não acredita em mudar o ser humano por decreto!
    Vão no Google e escrevam, Roda viva Ponde, foi dia 16/ 08/ 2011!

    ResponderExcluir
  13. A questão central no texto é a da culpa. E o ser humano sempre utiliza bodes expiatórios para não ter que assumir o seu lado hipócrita, invejoso, mesquinho.

    É cômico, mas tem muita gente que acredita que a miséria no mundo (em todos os sentidos) começou com o capitalismo. Basta olhar para a história do mundo e perceber que exploração, humilhação, desigualdade, abuso do poder sempre existiram.

    Não somos capitalistas, comunistas, esquerdistas ou direitistas. Somos demasiadamente humanos e, portanto, falhos.

    Mais Shakespeare e Dostoiévski e menos Marx e Bourdieu

    ResponderExcluir
  14. Não gostei nem um pouco...trata um problema muito complexo com uma superficialidade extrema

    ResponderExcluir
  15. anônimo das 11:32,também acho.

    O cara é um polêmista e é impressionante como as caras caem que nem patinhos como o SrAngelo Italo.

    Esse cara realmente acha que Pondé deveria fazer alta filosofia em jornal de grande circulação.Ele realmente acha que Pondé não teria erudição para tanto.Acho que ele nem se deu ao trabalho de olhar seu currículo lattes...

    Mas enfim,apesar de achar Pondé interessante,bem mais do que outros que estão por aí,tenho minhas críticas a ele pq não sinto verdade quando ele se diz pessimista ou niilista.Embora o simples fato de tentar ver o mundo dessa perspectiva desperta minha simpatia,mesmo que não seja sincero.Pois vai contra a mesma ladainha de sempre:marxismo vs liberalismo.blablabla,preconceito de classe blabla os petitas sao idiotas,o anti-petistas sao idiotas,blablabla,reacionario,blablabla,etc,etc.

    ResponderExcluir
  16. Impressionante como os jornalões brasileiros sempre encontram quem dê voz aos anseios e óticas da classe média para os quais os grupos de comunicação prestam contas...

    Assim como seu colega Olavo de Carvalho, Pondé instrumentaliza preconceitos sob a forma de Filosofia e teses sociológicas, ensejando conferir fundamento científico àquilo que é somente preconceito mesmo.

    Ele está terrivelmente enganado sobre os conflitos sociais na Inglaterra. Pegou um fato específico, os saques às lojas, e justificou tudo em torno disso.

    Se ele saísse de sua redoma, saberia que boa parte da Europa fervilha por conta das diferenças sociais e da xenofobia que vêm se acentuando ao longo dos últimos anos.

    Quando ocorreu aquele conflito na periferia de Paris, por exemplo, onde diversos automóveis restaram incendiados durante semanas, um amigo meu francês comentou (com conhecimento in loco da situação) que aquilo era apenas uma centelha de uma bomba que está prestes a explodir em vários países europeus.

    Ao contrário da piada irresponsável do Pondé, não é por causa de i-Pads que os europeus segregados estão enfurecidos: é por causa da falta de trabalho, das limitações do acesso ao sistema público de saúde, do preço da energia elétrica, do gás de cozinha, das condições dos bairros onde vivem - mal-servidos pelo transporte público e desassistido pela segurança pública.

    Os patamares não são comparáveis aos brasileiros e países subdesenvolvidos, mas impõem uma dificuldade razoável para que cidadãos franceses menos abastados e imigrantes sobrevivam com dignidade na França.

    A mesma coisa vem acontecendo na Alemanha, na Espanha e outros países. Ou seja: é absolutamente chocante que um professor universitário como Pondé reduza um problema à simples vaidade de ter ou não ter um i-Pad.

    Se você observar, vai encontrar uma similaridade incrível entre os argumentos de um Pondé e os argumentos de um... Paulo Brossard (ex-ministro do Sarney que atualmente arrendou uma coluna no jornal Zero Hora, de Porto Alegre, para versar sobre o que ele considera inaptidão do governo atual - sendo que quando ele esteve no poder pouco fez para mudar a vida dos brasileiros).

    Enquanto Brossard é um reacionário assumido e não se importa nem um pouco de desfilar seu preconceito e falsa preocupação coletiva nas páginas de ZH, Pondé se esconde atrás de seus mestrados e doutorados para parecer moderno e visionário. Definitivamente não é.

    Luiz Felipe Pondé é só mais um reverberador do modo Folha-Globo-Veja-Estadão-RBS de olhar o mundo com olhos de quem frequenta os melhores clubes e degusta os melhores pratos.

    Ao contrário de um amigo meu, que fica injuriado com isso, eu compreendo o fato do Paulo Lopes replicar textos do Pondé como uma forma de oferecer um contraponto. Mas que os argumentos do "filósofo" são inconsistentes se desconsideradas as credenciais dele, são.

    A propósito, para quem não sabe, Pondé é professor de "Ciências da Religião" na PUC-SP. "Ciências da Religião" é por si só um antagonismo indizível. É mais ou menos como dizer "a doçura da violência".

    Mas isso não é culpa do Pondé, e sim de uma Academia que eleva religião à categoria de "Ciência". Pondé, no caso, só é um instrumento. Assim como o é na Folha.

    ResponderExcluir
  17. É uma coluna de jornal. Não há grandes reflexões pq não há espaço e pq o objetivo não é esse. A ideia é se comunicar com um público amplo gerando debate e polêmica. Pondé faz isso muito bem.

    ResponderExcluir
  18. As questões filosóficas a respeito de desejo, liberdade, as questões sociais vão muito além desses julgamentozinhos levianos que o Pondé faz.

    ResponderExcluir
  19. O fato de ser um texto para um grande jornal não deve servir de álibi para Pondé, a não ser que este considere seu público idiota, fato que ofenderia seus admiradores que aqui o defendem.

    Pondé não é um polemista, é um moralista. Defender que a preguiça é um traço universal do ser humano. Qual o rigor de tal tipo de afirmação?

    Citar Shakespeare e Dostoiévski como os crentes citam a bíblia (e muitos esquerdistas citam Marx) e de uma desonestidade intelectual tremenda. E Pondé é um espertalhão, ele desqualifica as ciências humanas poque sabe que seus textos não passam pelo crivo do rigor destas.

    Quando leio os textos de Pondé e os comentários de quem o defende eu vejo Bourdieu, que não é um marxista como alguns pensam. A primeira formação de Bourdieu foi em Filosofia (poucos sabem) e parte substancial da sua obra é uma crítica ao elitismo cultural, crítica que a filosofia não é capaz de fazer porque é vaidosa demais.

    Para Pondé, existem os bons e os invejosos. É a crítica do tal populacho de Nietzsche.

    ResponderExcluir
  20. Às vezes ele escreve só para causar "polêmica"... e para tentar manter seu ego elevado...

    ResponderExcluir
  21. Agora o estado tem que cuidar do rebanho?

    ResponderExcluir
  22. Infelizmente o Pondé,mais uma vez,viajou na maionese.Se o cidadão paga seus impostos o Estado tem de cuidar dele ora.Não há nem um protecionismo ou paternalismo aí.Às vezes esses intelectuais me assustam.Ele queria o quê?Que o Estado vira as costa de vez para as pessoas e passasse a ser só um arrecadador de tributos?.

    ResponderExcluir
  23. Angelo, o Pondé faz uma analogia muito boa, entre os rebeldes da inglaterra, se você acompanhou os vídeos do you tube, dizem pagar taxas e mais taxas, e isso me parece coisa de gente mimada mesmo, por isso ao invés de sem terra, os sem ipad.

    ResponderExcluir
  24. SENTEM QUE LÁ VEM HISTÓRIA...

    Em seu último atentado polêmico via Folha de São Paulo, o “filósofo” Luiz Pondé tratou de atacar as interpretações da esquerda para o fenômeno recentemente ocorrido na Grã Bretanha, e o fez empregando um discurso tão reacionário que não pode restar dúvida alguma do lado em que se situa: Pondé cruzou o limite que separa esquerda e direita.

    A dicotomia esquerda/direita é um pouco mais complexa do que normalmente se entende — e diferente. Ela é anterior ao marxismo, de forma que reduzir esquerda e direita a uma rusga entre socialistas e burgueses é impróprio. Esquerda e direita são situações diferentes em face de um mecanismo que perpassa toda a História: a luta de classes.

    Historicamente a Direita se coloca ao lado do status quo, dos donos do poder, das estruturas tradicionais, enquanto a esquerda se coloca ao lado dos rebeldes, dos excluídos do poder, das estruturas inovadoras. Assim é desde a Assembleia Constituinte, na Revolução Francesa. O marxismo só se tornou importante na esquerda porque era uma ideologia “nova” e surgida entre os “excluídos”, com o objetivo de dar-lhes objetivo comum. A direita também produziu suas ideologias para consumo do povo.

    Ao longo do tempo a direita desenvolveu-se como uma criatura sem rosto definido, escondendo-se atrás de inúmeros estratagemas: democracia cristã, ruralismo, liberalismo, partidos agrários, nacionalismo, nacional-socialismo, civilismo, tea party, chauvinismo, democracia liberal, irredentismo etc. A esquerda possui muitas afirmações discordantes. A direita possui um grande “não”, que cabe em qualquer forma que atenda às preferências dos afiliados. A direita diz “não” ao compartilhamento do poder. A direita diz “não” à descolonização, à república, à democracia, à igualdade, ao sufrágio universal, ao voto da mulher, ao secularismo, ao internacionalismo, à reforma agrária, ao salário mínimo, ao ensino público, à assistência médica, às férias, à aposentadoria.
    Cada uma destas conquistas hoje usufruídas pelos trabalhadores do mundo todo foi arrancada das mãos crispadas da direita, a custa de greve, paulada da polícia, demissões de pais de família, guerras civis, assassinatos políticos, revoluções, duas guerras mundiais etc. Nos países onde o “esquerdismo” foi menos atuante as conquistas sociais dos trabalhadores surgiram mais lentamente: caso dos Estados Unidos, onde, porém, a falta destas garantias foi por muito tempo mascarada pela prosperidade generalizada, conquistada pelo império em expansão, tal como a Antiga Roma, que conseguiu ter seu pão e circo durante a era da Pax Romana.

    ResponderExcluir
  25. Em resumo, sem os “chorões” da esquerda, você não teria férias, não teria salário mínimo e não votaria. Você provavelmente seria analfabeto ou semiletrado, sua mulher não poderia ter emprego fora de casa, a igreja mandaria em você e seus filhos só poderiam estudar com os padres. Você não poderia ficar doente para não perder o emprego e nunca se aposentaria.

    Considerando tudo isso, acredito que o mínimo que a esquerda merece é um pouco de respeito. Porém, se tal for concedido, o debate não existe, pois em essência a direita é o próprio mal personificado. A direita nada mais é do que o conjunto das estratégias múltiplas empregadas pelos que detêm o poder econômico e político a fim de evitar que qualquer dos dois seja dividido com mais gente. Nesse sentido, claro, o PCUS se tonara a direita na União Soviética das últimas décadas, ao apoderar-se de todos os instrumentos do Estado e criar uma nova oligarquia, a tal nomenklatura de que tanto se fala. Fato que provou, já nos anos 80, que debater esquerda e direita como sendo marxismo e liberalismo não era correto. Desta forma, vê-se não há um maniqueísmo simplório aqui. Direita e esquerda não são círculos definidos, mas borrões de tinta que se mesclam sobre o papel.

    Depois de tão longa — e exaustiva — introdução, chegamos ao caso. Para os alto-falantes da direita, o que houve na Grã Bretanha foi pura balbúrdia protagonizada por arruaceiros jovens e mimados. Uma estratégia comum dos argumentos direitistas é isolar os fatos, considerando que só porque duas coisas aconteceram em lugares diferentes, ou separadas por algum intervalo de tempo, elas se tornam automaticamente “outras coisas”. Somente quando a negação seria um atestado de burrice é que o direitista admite a existência de fenômenos globais. Infelizmente a recíproca é verdadeira: o esquerdista tende a ver em tudo um padrão e explicar tudo como parte de um sistema. A verdade, como preconizava Buda, está no meio. O que aconteceu na Grã Bretanha é parte de algo maior, mas também é parte de algo muito próprio daquele país, embora conectado a outros fenômenos.

    Houve precedentes. Teve o “tea party”, um movimento artificial insuflado pela direita nos EUA e que logo sugeriu à juventude de milhares de lugares do mundo que era possível organizar-se e exigir mudanças no governo. O próprio “tea party” foi precedido pelo movimento que derrubara o inepto governador da Califórnia e abrira caminho para Arnold Schwarzenegger tornar-se político (o que ele, aliás, foi com certo brilhantismo). Nesse caso o “protesto popular” insuflado pela mídia fora uma estratégia republicana para “tomara a Califórnia”, estado tradicionalmente progressista.

    Houve também as revoluções coloridas da Ucrânia, da Geórgia e da Sérvia, todas curiosamente derrubando ditadores e implantando regimes pró-EUA. Tem dedo da CIA nisso, claro. Mas o fato de ter dedo da inteligência americana não tira a legitimidade das conquistas, pois quem foi lá protestar, lutar, morrer, foram os respectivos povos destes países. Não se faz revolução sem povo, e nem sem um pretexto.

    ResponderExcluir
  26. Depois a “primavera árabe” que, por sua vez, deu frutos em novas revoluções, que saíram de qualquer controle e começaram a ameaçar regimes leais aos americanos. Rugiram protestos em países que nem eram árabes (como a Armênia, a Espanha e a Grécia), motivados pela crise econômica que deriva, por sua vez, da gastança dos magos financeiros de Wall Street, criadores da crise de 2008, aliada às gastanças e irresponsabilidades de seus respectivos países. E a revolução bateu às portas da Grã Bretanha, o cão de guarda americano nas portas da Europa.

    E então a direita se espanta, chega a falar em abolir os instrumentos através dos quais a revolta se espalhara, medida análoga aos atos de desespero de um Hosni Mubarak ou às interferências que os soviéticos faziam nas transmissões em ondas curtas da Voz da América. O ocidente não é democrático por convicção, mas por conveniência e por costume. O preço desta liberdade limitada de que se desfruta é a eterna vigilância. Por isso a direita precisa inventar uma forma de desqualificar o movimento, e nada é melhor para isso do que detectar na indignação que gera a violência um motivo fútil, talvez vil.

    É verdade que os saques a lojas foram parte importante do que aconteceu no Reino Unido, tanto quanto a queima de retratos foi importante no que aconteceu na Líbia. A violência se dirige contra símbolos concretos porque não como bater ou destruir conceitos abstratos como “ditadura”, “exclusão”, “falta de oportunidades”, “humilhação”, “ignorância” etc. Atacar um símbolo é uma maneira válida de marcar uma posição. Os próprios direitistas sabem disso, uma vez que são eles que mais recorrem aos símbolos para arregimentar as massas: bandeiras, hinos, emblemas, uniformes, efígies, heróis, fronteiras, muralhas, palácios. Quando os americanos entraram no Iraque, “derrubaram” Saddam Hussein metaforicamente, pondo abaixo uma estátua numa praça de Bagdá. Demolir aquele monumento foi um ato gratuito no contexto da guerra? Dificilmente um comandante americano concordaria. Da mesma forma, depredar uma filial da Harrod’s pode não ser um ato gratuito no contexto de outra guerra — a luta de classes.

    Tal como a estátua de Saddam, os templos do consumo servem como mostruários de poder. Ninguém ousava sequer olhar torto para a estátua, numa sociedade civilizada ninguém toca na vitrina frágil de vidro que contém o bem caro, que somente pode ser adquirido por uma minoria. Existe uma contenção imaterial que impede que a rejeição se consume em um ato. Esta contenção, no caso de Saddam, era o puro medo da represália, no caso das democracias ocidentais, é a ideologia. Somos educados desde a infância a assumir papeis e a conformar-nos assim. Entre eles está o que a direita chama de “princípios morais”. Estes são, basicamente, o que permite que uma minoria influencie a maioria. Princípios morais fazem com que centenas de pessoas escutem com atenção o que um senhor senil e de cultura geral pouco abrangente diz no alto de um púlpito a respeito de um tema do qual não entende. Princípios morais fazem com que o trabalhador aceite ser humilhado pelo contramestre contratado pelo seu patrão.

    ResponderExcluir
  27. Mas existem situações nas quais os princípios morais se partem, e a sociedade parece entrar em frenesi. Para Pondé isso acontece porque subitamente centenas, milhares de pessoas se tornam mimadas e imorais. Não há tensões acumuladas ao longo de décadas, acionadas por um pretexto que pode até ser insignificante ou equivocado. A História, segundo a interpretação típica da direita, é formada inteiramente por episódios sem causas, isolados entre si, liderados por heróis necessários ou bandidos.

    Em essência, o estopim não pode ser usado como medida do valor da explosão que causa: sabemos que o vendedor de frutas tunisino sonegava impostos, mas achamos bonita a revolução que causou, e “feio” o ditador que tentou censurar a internet para segurar seu poder. O que diferencia o vendedor de frutas tunisino do jovem morto pela “civilizada” polícia inglesa são as leis: as leis da Tunísia não são leis legítimas, são brutais, ditatoriais, obscuras. Já as leis inglesas são ótimas e perfeitas. A lei tunisina que criminalizava o vendedor de frutas não “valia”. Mas o costume britânico que marginalizou e criminalizou o jovem suburbano tem mais valor que um livro da bíblia. Não querendo defender as leis feitas por uma ditadura, não custa lembrar que a Grã Bretanha não tem sequer leis escritas e sistemáticas e que a sua “Suprema Corte” é formada integralmente por “lordes”.

    Então, para não ter que admitir que a explosão de violência não reflete uma tensão anterior, a direita faz ginásticas. Para a direita, Rodney King era apenas um motorista bêbado que reagiu à prisão e o que aconteceu em Los Angeles nos anos 90 foi algo inexplicável. Para a direita, o jovem Mark Duggan era apenas um bandidinho que merecia mesmo ter morrido e a violência urbana britânica foi algo que surgiu assim do nada, somente podendo ser explicada por defeitos morais ou pela falta de iPads.

    ResponderExcluir
  28. Excelente intervenção, José Geraldo. Nada como um professor de História para colocar as coisas em seus devidos lugares, já que de achismos a web está repleta.

    ResponderExcluir
  29. Na verdade não sei de onde tirei que você é professor de História, José Geraldo... Fui checar sua formação e não encontrei referências. Mas isso não invalida a ótima intervenção.

    ResponderExcluir
  30. sr José Geraldo,concordo com alguns ou muitos pontos,no entanto discordo de algumas coisas:

    1)Não acho que o Pondé faça parte da direita ou pelo menos da direita com o sentido que vc usou no texto.Como já disse o próprio se define como pessimista ou niilista,o que o faz interessante para mim,mas não me soa sincero.

    Em algumas entrevistas,ele que eu me lembre não se posicionou contra muitos dos "avanços" conquistados pela esquerda

    2)Não tenho muita informações sobre o que está ocorrendo na Grã-Bretanha,mas o grande problema é que o Pondé também parece não ter.Aí sim,nesse ponto,eu acho que todas as críticas seriam válidas.

    Como vc mesmo disse o texto foi um "atentado polêmico"( em relação as aspas no filósofo,o currículo do Pondé é respeitavel e pode ser visto por todos na plataforma Lattes,não vou entrar no mérito formação x grande filosofia).

    E como "atentado polêmico" ele quer chocar para chamar a atenção para a discussão sobre maldade,angústia e a incapacidade de ver demônios em si.Não acredito que seja um malabarismo da parte dele como estratégia da direita(com o sentido que vc usou no texto).É claro que eu posso estar sendo ingênuo;mas não boto a mão no fogo por ninguém.

    Enfim,posso me arrepender e/ou mudar de opinião,mas por enquanto admiro o Pondé bastante.

    ResponderExcluir
  31. Eu não sei quanto aos outros mas para mim os textos do Pondé são sempre bem claros em seus objetivos, o debate que ele quer fazer acontecer nunca é sobre os "fatos" em si, e sim sobre os motivos por trás das pessoas, o "subliminar" e não o óbvio. É preciso ler o que ele escreve com um pouco mais de atenção no que NÃO está explicito do que no que está.

    Isaac

    ResponderExcluir
  32. Marcelo, eu sou mesmo professor de História. Tenho todos os cacoetes, inclusive. ;-)

    ResponderExcluir
  33. Sobre as aspas no "filósofo", eu me refiro ao fato de que neste texto, como em outros, Pondé abre mão do rigor lógico que seria de se esperar de um filósofo. Alguém de currículo respeitável também pode cometer erros bestas, e pode abrir mão da coerência. Um bom exemplo foi o Wilhelm Reich. Se fôssemos julgar por seu currículo teríamos que levar a sério sua teoria do orgônio.

    ResponderExcluir
  34. E como "atentado polêmico" ele quer chocar para chamar a atenção para a discussão sobre maldade,angústia e a incapacidade de ver demônios em si.

    Mas... e se os demônios realmente não estiverem em si? Isso me faz lembrar das sessões de lavagem cerebral descritas pelos dissidentes sociaistas. Nelas o sujeito era pressionado até admitir que ele era culpado de decadência, de adesão a valores burgueses, coisas assim. Em vez de reconhecer que o estado socialista era injusto e insuflava o descontentamento, tentava-se justificar os descontentamentos como falhas morais.

    Igual faz o Pondé. Ele nega a existência de tensões sociais e atribui a revolta apenas a falhas de caráter. Tal como os americanos diziam que os árabes queriam destruir os EUA porque tinham inveja de sua liberdade.

    ResponderExcluir
  35. Para Isaac,

    Infelizmente para Pondé (e para sua defesa dele) não é aceitável em um debate HONESTO esperar que os interlocutores sejam capazes de discernir o que nós mesmos não fomos capazes de exprssar. Como dizia Nietzsche (cujo currículo certamente seria mais breve que o do Pondé em títulos); importa menos o que você pensa do que o que você fala.

    Portanto, se o texto de Pondé tem camadas ocultas, que demandam uma atenção e uma exegese, isto é defeito do texto, não do leitor. O gênero de texto que estamos debatendo aqui não é poético, ele precisa ser mais correto.

    ResponderExcluir
  36. Inatacável e irrefutável a explanação do Gouvêa, eu do meu lado prefiro chutar a canela. Esse método de escrever em "camadas" de monsieur Pondé é o mesmo método de alguns rábulas que escrevem centenas de laudas, o que poderiam escrever em um parágrafo, apenas com o intuito de "dar trabalho" prá outra parte.Pondé é apenas um serviçal da nossa "elite", éle apenas dá ou tenta dar um sustentáculo intelectual a essas posições.

    Charles

    ResponderExcluir
  37. Admiro os textos de Pondé, e concordo com algumas ideias contidas neste. Mas a última frase, imprimiu a ideia de governos europeus do século XVIII e XIX em plena era da Revolução Industrial.

    ResponderExcluir
  38. Impressionante como a maioria dos leitores do Pondé não gostam do que ele escreve. Não vou ficar aqui o defendendo, ele que o faça. Coluna de jornal é ponto de partida. Aprofundamento filosófico é interessante para o pessoal das ciências humanas, que têm a academia e congressos para seu blá-bláblá. Que tem afinidade por outras áreas usa as colunas de jornal como referencial, não como código de costumes. Pelo que percebo nos comentários há um bando de delicados com dor de cotovelo. Um bando de filósofos incompreendidos, gênios não descobertos, que têm de suportar um "desqualificado reacionário" como o Pondé na "imprensa golpista". Vão se catar.

    ResponderExcluir
  39. Como tem gente de sucesso comentando as colunas! Inteligentes, letrados, leêm grandes filósofos (pequenos também, Sarte era baixinho...). Muitos comentaristas aqui são bem sucedidos, dão aulas em grandes universidades, dando palestras para grandes platéias, ganhando um bom dinheiro.
    Que nada, são uns intelectuais de meia pataca, marxistas retrógrados (ôpa, isso é redundância) alguns professores de história (que sempre são donos da verdade). Eu? Sou reacionário, de direita e faço parte da mídia golpista. E ganho bem.

    ResponderExcluir
  40. Quem percebeu que "Luciano" e "Jairo" são a mesma pessoa coloca a mão aqui...

    ResponderExcluir
  41. Jairo, seu ataque pessoal é equivocado por si só, e não precisa ser refutado, gostaria apenas de ressaltar, para quem não é capaz de percebê-las, as falácias que você cometeu.

    a) Ataque pessoal (ad hominem), incapaz de rebater o argumento, você tenta desqualificar o argumentador.
    b) Apelo ao sucesso (ad crumenam), ao sugerir que os argumentos das pessoas mais bem sucedidas valem mais do que os argumentos dos menos sucedidos e depois ao enfatizar que supostamente "ganha bem" para desqualificar as pessoas a quem critica.
    c) Generalização arrasadora, ao não distinguir nuanças nas posições diferentes da sua.

    E há outras, mas não estou hoje inspirado como estivera ontem.

    ResponderExcluir
  42. Eu sou a anônimo da 1:53.

    Sr José Geraldo,

    Bom,eu reconheço as tensões sociais,claro.Mas que existem demônios interiores isso existe.As pessoas algumas vezes cometem as maiores atrocidades sem haja explicação histórica coerente,as pessoas mudam também,quantos revolucionários de ontem hj são conservadores??

    E eu penso que Pondé sabe das tensões muito bem,mas quer chamar atenção pra esse lado mais "psicológico".Por exemplo,eu enxerguei a parte da Grã-Bretanha como mera forma,estilística para apresentar o que ele queria.Mas aí pode-se gostar disso ou odiar.

    Mas vc citou Nietzsche,um dos caras mais ricos em camadas ??Assim Falou Zaratustra é altamente
    poético,a até meio hermético eu diria.

    Felipe.

    ResponderExcluir
  43. Sim, a diferença é que Nietzsche adicionou deliberadamente várias camadas de complexidade. Algumas das quais (talvez a maioria) eram por necessidade: certas verdades só podem ser contadas por parábolas, pelo menos até que o público esteja pronto para elas.

    Só que Pondé nesse artigo especificamente não está debatendo em alto nível e sobre ideias à frente de seu tempo. Isso é uma coluna de jornal.

    Mas voltando a Nietzsche. As camadas de Nietzsche estão todas lá, para serem lidas. Suas obras não são herméticas, são apenas complexas. Você não precisa buscar intenções ocultas, ou objetivos ulteriores. Os objetivos de Nietzsche ele mesmo os declara.

    ResponderExcluir
  44. As pessoas algumas vezes cometem as maiores atrocidades sem haja explicação histórica coerente.

    De acordo. Mas muitas vezes isso decorre por causa da grande "miséria da História": o fato de que ela precisa se valer de conhecimentos parciais, sobre parte dos fatos, para tentar explicar as coisas. Se você adicionar níveis extras de conhecimento, nenhum fato é inexplicável, muito embora a explicação muitas vezes esteja mais no plano da história individual de quem o comete do que na história coletiva da sociedade em que está inserido.

    O que eu tentei dizer, não sei se cheguei a ser suficientemente claro, foi que fenômenos de massa não podem ser explicados senão através de causas de massa. Um indivíduo pode roubar uma loja por suas próprias carências morais. Uma turba de saque, porém, já exige um tipo adicional de explicação. Se não para o saque em si (que pode ser resultado de carências morais de cada um), para o misterioso e estranho fato de tanta gente ter carências morais e resolver saquear lojas ao mesmo tempo.

    Você não acha que isso merece uma explicação melhor do que "todos eles são malvados ou mimados"? Você não acha que o fato acontecido implora a pergunta do "por que há tantos malvados e mimados"?

    ResponderExcluir
  45. O texto toca no comportamento...
    Da maneira como nos aproveitarmos de tudo...
    Embarcados na lei do menor esforço...

    Em minha cidade, a tempos atrás criaram...
    Instalações que forneciam refeições baratas...
    Indicadas para pessoas menos favorecidas...
    Mas, observando-se as imensas filas...
    Notava-se que muitos dos frequentadores...
    Poderiam pagar por refeições melhores...
    Em locais mais tranquilos e sem fila...

    A preguiça promovida pela tecnologia...
    Ou por projetos políticos inadequados...
    Estão incutindo na mente da população...
    A ideia de que basta estalar os dedos...
    Ou exigir amparo do estado...

    ResponderExcluir
  46. Concordo com o colunista. Apelo ao consumo sempre houve. Fui criança pobre, cheia de desejos, nunca ofendi ou agredi por não ter algo. Meus amigos também não. Meus parentes também não. Aqueles poucos que tentavam utilizar de modos reprováveis para possuir coisas estão mortos ou foram presos. O mundo mudou, mas a essência do ser humano não. A causa fundamental da marginalidade é mau caráter. Não é única, mas fundamental.

    ResponderExcluir
  47. Isabel, eu também acho que são a mesma pessoa. Aliás, acho que você é Luciano e Jairo, ou estou errado? Coloca a mão aqui quem concorda...

    ResponderExcluir
  48. José Geraldo, reafirmo meu repúdio às opiniões iguais à suas, de que há, além de falhas morais dos vagabundos depredadores ingleses, coisas do tipo "a sociedade é a causa disso tudo...". Esse tipo de discurso é empregado no Brasil para aliviar os absurdos cometidos por menores e mesmo adultos infratores. Coloco a situação já em contexto nacional, porque o que se viu lá ocorre aqui. Não houve nada com a mesma dimensão, mas há sim com características semelhantes, como arrastões. Histeria coletiva poderia explicar estes fenômenos (mais particularmente o caso inglês)? Psicólogos diriam que sim. Quem lida com pessoas de todos os tipos sabe que a vida não é cor de rosa como nos livros e, fundamentalmente, o comportamento se exibe de acordo com seu caráter. A miséria (emocional ou material) a que um indivíduo é submetido obviamente determina parte de seu caráter. Voltando ao assunto da coluna. O fato de a maioria dos miseráveis que conheço e convivo serem de boa índole me fazem concordar com o colunista. Ah, Isabel Schmidt, eu sou Jairo mesmo. Você e José Luís estão errados.

    ResponderExcluir
  49. Qto moralismo que beira a santidade, comovido, trabalhei duro pra comprar minhas bugigangas, acordava as 5 da manhã pra me integrar ao rebanho, paguei meus impostos,dormia feito um justo e jamais tentei enrabar minha esposa,eu mereço o troféu de bom cidadão....esses degenerados saqueadores merecem pena de morte, culpa de Nietzsche....que foi a encarnação do diabo!

    ResponderExcluir
  50. A verdade é que concordando ou não, os textos do Pondé são extremamente bons. Ele tem grande habilidade para se adaptar ao meio em que escreve, usando uma linguagem clara, concisa, num texto provocante e repleto de ideias que desafiam o senso comum e o politicamente correto.

    ResponderExcluir
  51. Tive a oportunidade de ouvir o Pondé pela primeira vez no evento "Fronteiras do Pensamento" realizado em Porto Alegre (e neste ano tambem em São Paulo).
    Me parece que reduzir tanto o comentarista como de "direita" quanto a outros que aqui escreveram com de "direita" colabore com a discussão. Acho importante uma colocação como a do Pondé, que vai contra ao pensamento da maioria! Ele amplia o debate.

    ResponderExcluir
  52. Acho importante uma colocação como a do Pondé, que vai contra ao pensamento da maioria! Ele amplia o debate.

    Acho importante uma colocação como a dos criacionistas, que vão contra o pensamento da maioria! Eles ampliam o debate.

    ResponderExcluir
  53. A ampliação do debate só é "importante" quando é feita com argumentos honestos, embasados e inteligíveis. Ampliar o debate de uma forma desonesta, desemabasada ou desconexa acaba por emboprecê-lo em vez de enriquecê-lo. Considerando a competência que tantos dizem que Pondé tem, é deprimente ler intervenções desse nível, pois mostra que ele trata seus leitores com descaso. Alguém tão competente não deveria cometer falácias assim.

    ResponderExcluir
  54. "Você não acha que isso merece uma explicação melhor do que "todos eles são malvados ou mimados"? Você não acha que o fato acontecido implora a pergunta do "por que há tantos malvados e mimados"?"

    Implorar,implora.Mas a resposta ainda assim pode não ser social,história mas como já disse não tenho conhecimentos suficientes sobre o que está acontecendo lá.

    Quanto a Nietzsche,eu me referia mais especificamente ao Assim falava Zaratustra.Evidentemente em Para Além do Bem e Mal,tudo ficou um pouco mais claro.Quanto a forma poética,não acho que ele optou somente porque leva um tempo para as pessoas entenderem certas idéias.Acho que ele também levou em consideração que certas ideías só existem quase que em pura forma,quase "etéreas",uma coisa viva em que a linguagem racional não dá conta de exprimir.

    Inclusive admiro Nietzsche na sua posição contra o culto à ciência,ou pelo menos acreditar que esta é fonte de verdade e admiro Pondé,por ter posição semelhante.Hoje em dia há uma devoção exagerada ao racionalismo,à ciência e a textos com esquemas lógicos muito certínhos.Muitas vezes o que importa são sensações,não havendo rigor que as embarque.

    Felipe

    ResponderExcluir
  55. Implorar,implora. Mas a resposta ainda assim pode não ser social,história mas como já disse não tenho conhecimentos suficientes sobre o que está acontecendo lá.

    Se temos um fenômeno que abarca milhares de pessoas que vivem em um determinado lugar e compartilham certas características, temos um fenômeno obviamente social. Não é só sobre a Inglaterra que você não tem conhecimentos suficientes: você demonstrou que não sabe nem de longe o que são ciências sociais.

    ResponderExcluir
  56. Não sei pq a subida de tom,mas whatever repito NÃO TENHO CONHECIMENTO DO QUE ESTÁ ACONTECENDO LÁ.

    Eu entendi perfeitamente que "Se temos um fenômeno que abarca milhar de pessoas que vivem em um determinado lugar e compartilham certas características, temos um fenômeno obviamente social"

    Já tinha entendido antes.

    Mas o que eu quis dizer com a frase em negrito que pelo visto,não entendeu pq leu apressadamente é que EU NÃO SEI SE É UM FENÔMENO DE MASSA,NÃO SEI SE É COLETIVO.

    Não estava in loco.Não tenho que acreditar nos jornais.Não tenho que acreditar no Pondé.Muito menos não tenho que acreditar em vc.

    E realmente não sou formado em Ciências Sociais.Sou um mero estudante de Engenharia Civil.

    Felipe.

    ResponderExcluir
  57. José Geraldo, você havia me criticado por tentar desqualificar sua opinião e "menosprezar" a opinião de quem não fala a multidões. Mas está fazendo a mesma coisa com a opinião dos outros, dizendo que o cidadão do comentário imediatamente acima não entende nada de ciências sociais. A grande maioria dos habitantes das áreas onde houve conflitos não depredou, não roubou. Foram milhares, sim, mas a esmagadora maioria reprovou as atitudes. Tanto é que muitos pais entregaram os filhos à polícia, Isso mostra que não tem nada errado com a "sociedade", mas sim com certos indivíduos. Saia um pouco mais de casa, faça voluntariado, vá a bairros pobres e veja a realidade. Os livros de filosofia/ciências sociais são muito importantes sim, mas em grande parte estão desconectados da atualidade.

    ResponderExcluir
  58. Aceito a crítica que você me faz Jairo. Realmente me exaltei. Mesmo assim, a colocação dele evidenciou falta do entendimento do que sejam ciências sociais. Mas, voltando à vaca fria: um fenômeno de massas pode não afetar a todos da mesma forma. Há fenômenos de massa que afetam mais aos negros, outros que afetam mais aos jovens, outros que afetam mais aos que vivem em certo lugar, etc. O fato é que você não pode simplesmente achar que dezenas de milhares de pessoas estão agindo coordenadamente sem que haja coordenação ou uma motivação comum.

    ResponderExcluir
  59. Mas o que você faz quando a própria imprensa da direita reconhece que se trata de um problema social e de uma luta de classes?

    Artigo da FORBES: http://www.forbes.com/sites/joelkotkin/2011/08/15/u-k-riots-global-class-war

    Estou aguardando os que minimizaram minha análise como "meramente esquerdismo" dizeem algo.

    ResponderExcluir
  60. Existe a questão do caráter. É fato. Mas existe também o efeito colateral do atual modelo econômico. Antigamente, quem queria ouro, o desejava como todo o resto do povo, com uma parca ideia de como a realeza vivia. Hoje, não só os ricos desfilam seus atos e modos em nossas casas ( através da tv), como somos, desde o berço, doutrinados à crença do direito à felicidade. Este, aliás, um grande mal da nossa época, segundo, inclusive, nosso próprio filósofo Pondé.
    Artigo bom, mas incompleto, ao meu ver

    Lovric

    mondovazio.com.br

    ResponderExcluir
  61. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  62. Sem muito blá, blá,blá, E levando o que o Pondé diz para a individualidade de cada ser humano e não para grupos quaisquer que sejam, temos a pura verdade. É por essas e outras que fico com a Bíblia na sua beleza. E não me preocupo com o que satanás diz sobre Ela.-----------------------------------------------------------------------------------------"O Timóteo, guarda o depósito que te foi confiado, tendo horror aos clamores vãos e profanos e ás oposições da falsamente chamada ciência, 1 Timóteo 6:20"-------------------------------------------------------------------------"Quem dera eles fossem sábios! Que isto entendessem, e atentassem para o seu fim! Deuteronômio 32:29"
    26/08/11 09:39

    ResponderExcluir
  63. É a mesma falácia ad hominem dos ateus(também). Quando teístas como Pondé discursam, tentam desesperadamente achar falhas que desqualifiquem o discurso filosófico.

    Pondé, especificamente nesse artigo, está irretocável!

    ResponderExcluir
  64. I N V E J A
    esse é o nome que se dá para todas essas críticas inúteis e sem fundamento.
    O Pondé é um homem inteligente e um ser pensante que estudou muito e sabe muito bem do que está falando, diferente de pessoas que não sabem nem quem foi Platão.

    ResponderExcluir
  65. Anônimo das 21:37

    Então quer dizer que o fato de o Pondé ter um extenso currículo garante, automaticamente, que todas suas ideias estão acima de qualquer crítica? Tem muita gente aqui que escreve bobagens, mas também há muitos que usam argumentos bem sólidos em suas críticas, como o José Gouvêa, por exemplo. Isso se chama CARTEIRADA.

    ResponderExcluir
  66. Concordo com o Pondé. O problema fundamental de tudo está sempre situado no interior do ser humano, naquilo que se pode chamar de caráter moral. A falha de caráter está tanto nos grupos de ladrões oriundos das classes menos favorecidas (exploradas pela elite), como também na classe dominante exploradora-capitalista-corrupta que pretende manter o status-quo (a concentração de poder político e econômico em seus próprios domínios). Por isso Pondé é niilista (e/ou pessimista): não há virtude em parte alguma. O a falha de caráter, essencialmente, está igualmente presente em dominantes e dominados, exploradores e explorados. (Até porque, em regra, o explorado/dominado, assim que tiver uma boa oportunidade na vida, se torna o explorador/dominante. Pelo menos aqui no Brasil - pobre Brasil - é assim. E acredito que seja semelhante em qualquer lugar desse miserável planeta em que vivemos). Na cosmo-visão cristã, (da graça e misericórdia de Deus - oposta à cosmo-visão materialista, naturalista) o perdão é fundamental, justamente pela inevitabilidade do pecado humano, para além de qualquer luta de classe ou condição social. Como diz Gilberto Gil em uma de suas belas letras: Deus sabe, os pecados são todos meus e não há o que perdoar, POR ISSO MESMO É QUE HA DE HAVER MAIS COMPAIXÃO...viva o punk, o heavy metal e o grunge rock!!! São mais pesados que os céus!!! Paulada na orelha porra!!!!

    ResponderExcluir
  67. Em tempo: sou social-democrata e totalmente a favor do Estado de Bem Estar Social (nos moldes nórdicos), desde que haja o bom senso de não quebrar as contas públicas e a macroeconomia do país e até do planeta terra. Dinheiro e riqueza não dão em árvore, é preciso trabalhar duro pra produzí-los, mas a solidariedade dos mais abastados em favor dos menos, por meio de politicas públicas consistentes (e não meramente assistencialistas) de redistribuição do poder cultural, econômico e politico, acredito ser demasiado importante para a saúde geral da nação. Tão longe o Brasil se encontra desse ideal. Que tristeza esse país, não?

    ResponderExcluir
  68. Tem um cara chamado Tom Capri que tem como objetivo de vida "desconstruir". Ele faz duras criticas ao Pondé.

    http://www.virobscurus.com.br/site/atualidades/ponde-filosofo-pangare/

    Será que o Pondé, se é que vale a pena, já tentou uma resposta à altura?

    ResponderExcluir
  69. Nunca li tanta merda num só texto em toda a minha vida.

    ResponderExcluir
  70. E os que colocam a culpa da sua vida na "mafia gay", nas boates GLS, na vizinha lésbica, na sociedade "homossexualista", na parada gay, nos ateus, nas feministas, "na falta de moral familiar" da sociedade, nos "illuminatis", nos judeus, nos comunistas, no secularismo, e finalmente no diabo em si????

    Por que não falou deles, queridinho Pondé?

    Tem muitos desse tipo, diria que 99% dos adolescentes e adultos retardados que admiram a figura que escreveu essa excrecência; diria que no brasil tem mais gente culpando o "feminismo e secularismo" por ter filhos delinquentes do que pessoas culpando o "machismo".


    Pondé é um pseudo-intelectual de quinta, qualquer um derruba seus "argumentos" "pro-direita cristã", se é que esse povo tem argumentos fora "a Bibra sagada".

    ResponderExcluir
  71. E Gouveia, esquerda(pós-Marx pelo menos) é coletivismo, é intervencionismo governamental na vida privada, é autoritarismo, paternalismo, inchaço do governo e censura.

    Então sem essa de "esquerda é liberdade", olha a liberdade de expressão que a Iriny e outros petralhas estão tomando, olha a liberdade de fumar em lugar privado que a gloriosa esquerda está tomando, olha a liberdade que há em Cuba, olha a liberdade de escolher inibidores de apetite que a esquerda está tomando, olha a roubalheira generalizada que a esquerda está fazendo, olha as regulamentações, proibições e anti-privatizações que a esquerda está fazendo e ferrando com a população, mais atualmente na aviação e suas "concessões" draconianas que servem apenas para sustentar ladrões e aspones com lobby e corrupção.


    Sem essa de esquerda é liberdade, esquerda é "1984", pior ainda, esquerda é "2081":

    http://vimeo.com/29708523

    ResponderExcluir
  72. Caro ddragoons,

    você está confundindo "marxismo-leninismo", que é um subconjunto do "marxismo", que é um subconjunto do "socialismo" com "esquerda".

    Só para lhe lembrar, se você tem pouca idade e não seguiu isso, foi unânime entre os analistas políticos dos anos 80 e 90 considerar como reacionária e de "direita" a atuação dos regimes comunistas da Europa Oriental e URSS. Isso porque os totalitarismos, mesmo quando originários de uma "ditadura do proletariado", migram para a direita ao criar classes de privilegiados, "nomenklaturas" que substituem as aristocracias anteriores.

    De uma forma geral o pensamento que mais se aproxima da esquerda ainda é o socialismo (não necessariamente marxista, não necessariamente leninista e muito menos stalinista), mas o espectro político não tem um muro separando a extrema esquerda da extrema direita, ele é como um anel e você pode chegar a esta se andar demais na direção daquela.

    ResponderExcluir
  73. Quem revelar onde é que mora a "esquerda não marxista" ganha um volume do Manifesto Comunista autografado.

    ResponderExcluir

Postar um comentário