Pular para o conteúdo principal

'Ele mirou a arma para mim e apertou o gatilho, mas não tinha bala'

Renata Lima (foto), 13, estava na primeira sala de aula em que o atirador Wellington Menezes de Oliveira entrou na Escola Municipal Tasso da Silveira, Realengo, Rio.

“Ele mirou a arma na minha frente e eu fiquei assustada. Ele apertou o gatilho, mas não tinha mais bala”, disse.

Oliveira recarregou em questão de segundos a arma e não desistiu do seu alvo, a Renata. E desta vez ele a acertou pelas costas, mas o tiro saiu pela lateral do corpo, sem atingir nenhum órgão vital.

Depois de dois dias no hospital, Renata teve alta, sem ter de passar por cirurgia.

A garota tem uma explicação por ter saído praticamente ilesa da tragédia: teve muita sorte e por ser gordinha.

'Vi pelo menos uns sete amigos morrerem. Não sei como não morri.'
abril de 2011

Vítimas.   > Sobreviventes   > Caso do atirador do Realengo.

Comentários

Posts mais acessados na semana

No governo Biden, fundamentalismo cristão tende a retornar a sua insignificância

Bolsonaro fica irritado com aprovação da CoronaVac que vai salvar vidas

Empresário bolsonarista Luciano Hang, sua mulher e mãe estão internados com Covid-19

Dona Religião é casada com sr. Atraso e têm vários filhos

Aprovação da CoronaVac significa duro golpe no bolsonarismo