Iurd terá de pagar R$ 2,6 mi a pastor expulso por adultério

A Justiça do Trabalho do Rio confirmou a condenação da Iurd (Igreja Universal do Reino de Deus) para que indenize um pastor expulso em 1994 por adultério sem que houvesse prova da acusação. A indenização é de R$ 2,6 milhões. Cabe recurso à sentença. O pastor estava na Universal havia 13 anos.

Pelo regimento interno da igreja, teria de ser instaurado um procedimento  para se provar o adultério, o que não ocorreu. O pastor recorreu à Justiça com a queixa de que sofreu danos morais, além de ter o seu casamento desfeito.

No entendimento do juiz substituto Glener Pimenta Stroppa, da 49ª Vara do Trabalho, a ex-mulher do pastor, quando deu depoimento como testemunha, mostrou-se “pressionada a firmar declarações mentirosas em relação à conduta infiel” do marido. Disse que o pastor foi exposto a “uma situação constrangedora e de vergonha” diante de sua família.

Stroppa reconheceu que a sentença extrapola a competência da Justiça do Trabalho porque considera aspectos (como adultério) que não fazem parte de uma relação trabalhista. Lembrou, contudo, que tal abordagem tem o amparo de uma emenda constitucional.

Há pelo menos outros dois pastores demitidos pelo mesmo motivo, ambos de cidades do interior paulista. Em uma das gravações de videoconferência de 2008 da Universal obtidas pela Folha de S.Paulo, o bispo Romualdo Panceiro, o segundo na hierarquia da igreja, aparece dispensando-os sumariamente.

Um dos pastores foi denunciado à igreja pela própria amante, uma "senhora casada". Como prova do adultério, ela citou uma particularidade dele. Nas gravações, o bispo questionou o pastor diante de seus colegas: “Como ela vai saber que seu saco é raspado?”

Demissões sumárias em show de Panceiro


Com informação do Tribunal Regional do Trabalho do Rio e do arquivo de Paulopes Weblog.

 Universal usa prova insólita para demitir pastor acusado de adultério.
junho de 2010


Comentários

  1. É mais do que justo pagar, se nada foi provado contra esse pastor, que sofreu esse constrangimento!

    ResponderExcluir
  2. Mirtes Maria Zanini19 de janeiro de 2011 19:22

    O tal panceiro utiliza-se desse tipo de canalhice para ferrar os seus desfetos, assim foi com o bispo Marcelo Pires,ex queridinho do macedão casado com a filha do bispo Randal pai e cunhado do bispo Randal filho, a amante jamais foi apresentada e a esposa garantiu que a ntraição jamais ocorrera. tudo armado por esse marginal travestido de bispo gangster panceiro, que nada fala sobre os oito casamentos com obreiras virgens da igreja e das surras que dava em todas elas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cláudio Gonçalves Junior17 de abril de 2013 13:37

      está mal informada, o bispo Marcelo Pires permanece na igreja e está na África do Sul, então não da pra acreditar em nada que diz aqui.

      Excluir
    2. São dois Marcelos diferentes. Só o nome que é o mesmo.

      Excluir
  3. Paulo mendes(ex dizimista da IURD)20 de janeiro de 2011 09:18

    Quando assistiremos esses marginais que se autodenominam pastor,bispo sem qualquer formação ou curso, apenas o uso da malandragem que aprenderam quando eram bandidos nos morros cariocas?Existem muitas ações e inquéritos em andamento, cad~e os depoimentos?

    ResponderExcluir
  4. Pastor depilado tava pegando a mulher do bispo peludo.

    ResponderExcluir
  5. ISSO E TUDO MENTIRA PAULO MENDES

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir

Postar um comentário


EDITOR DESTE SITE

Paulo Roberto Lopes é jornalista

profissional diplomado. Trabalhou

no jornal centenário abolicionista

Diario Popular, Folha de S.Paulo,

revistas da Editora Abril e

em outras publicações.

Contato