Pular para o conteúdo principal

Médico ateu tende a abreviar sofrimento de paciente terminal


Pesquisa constata que
médicos ateus conversam
mais com pacientes

Médicos ateus ou agnósticos tendem a tomar decisões que encurtem a vida de pacientes terminais para poupá-los do sofrimento. Com os médicos profundamente religiosos, a probabilidade maior é que esses  pacientes tenham prolongado o padecimento.

Essa é a conclusão de um estudo da Universidade de Londres publicado no Journal of Medical Ethics.

Para a elaboração do estudo, médicos de pacientes terminais e de idosos responderam a um questionário com perguntas como o tipo de tratamento que deram ao seu mais recente doente morto e o que acham da eutanásia e da morte assistida. Eles também tiveram de informar a sua religião e origem étnica.

O estudo constatou que os médicos ateus e agnósticos conversam mais com os pacientes sobre as suas decisões, o que permite que os doentes manifestem o seu desejo.


Com os médicos mais religiosos, verificou-se o oposto: eles discutem menos com os pacientes mais graves sobre as opções de tratamentos paliativos.

A orientação do GMC (Conselho Médico Geral), o equivalente no Brasil ao Conselho Federal de Medicina, é que os médicos informem os pacientes terminais sobre os procedimentos paliativos, que inclui alimentação por sonda, hidratação e ressuscitação.

Os médicos são proibidos de receitar medicamentos que encurtem a vida dos doentes, mas eles podem ministrar morfina, entre outros fármacos, que alivia a dor e que, como efeito colateral, antecipa a morte dos pacientes.

Do total, 12% dos médicos se consideram “muito ou extremamente religiosos”.

A universidade enviou o formulário da pesquisa a mais de 8.500 médicos do Reino Unidos e obteve retorno de menos da metade deles.

Entre os médicos dedicados aos idosos, há uma parcela significativa de hindus ou muçulmanos. Entre os especializados em tratamentos paliativos, a prevalência é de cristãos brancos.

Parte da comunidade médica manifestou preocupação com o resultado do estudo e considerou ser necessário acompanhar como as crenças religiosas influem nas decisões médicas.

Com informação do Journal of Medical Ethics.


'Cura pela oração' mata mais um bebê nos Estados Unidos

Marcelo Rezende morreu crendo que a oração o salvaria

Americanos aceitam culpa pela morte de filho por ‘cura divina'




A responsabilidade dos comentários é de seus autores.


Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m