Kaká afirma sofrer preconceito religioso de jornalista ateu

Kaká´(E) diz Kfouri o critica
porque acredita em Jesus
O jogador da Seleção Brasileira Kaká (foto) acusou nesta terça-feira (22) o jornalista Juca Kfouri (foto), que é ateu, de preconceito religioso.

Durante uma entrevista coletiva em Joanesburgo, ele não se conteve diante de André, filho do Kfouri: “Os canhões do blog de teu pai têm me atingido [...], e o motivo não é profissional”.

O jogador disse ter sido alvo do jornalista porque ele, Kaká, defende a  “fé em Jesus”. Kaká é evangélico da Renascer em Cristo e Caroline Celico, sua mulher, pastora.

O jogador mandou um recado: “Da mesma forma que o respeito como ateu, gostaria que ele respeitasse a mim e os milhões de brasileiros que creem em Jesus Cristo”.

Kfouri, da Folha, ESPN e CBN, negou a perseguição religiosa. Em seu blog, escreveu não ter alvejado o jogador com uma bateria de críticas. “Kaká provavelmente está mal assessorado, tanto que o considerei o melhor em campo no jogo contra Costa do Marfim”.

Para o jornalista, o problema de Kaká é que ele “enfiou Jesus onde Jesus não foi chamado”.

Com informações da ESPN.

LÚCIO - atualização em 23/6/2010

O zagueiro Lúcio, que é evangélico, disse nesta quarta-feira que a questão da religiosidade não preocupa os jogadores. "Dentro da seleção não tem culto. A gente se reúne nos momentos oportunos, mas nosso foco são os jogos e os treinamentos.

Falou que os jogadores respeitam a determinação da Fifa que proíbe manifestações religiosas. "Apenas aceitamos e acatamos, não temos de discutir."

Fifa proíbe manifestações religiosas na Copa do Mundo.
junho de 2010

Comentários

  1. Esse é um dos problemas que a grande maioria dos crentes tem contra os ateus.

    Entenda o raciocínio: Se Kaká não soubesse que Juca é ateu, provavelmente não o teria acusado de nada. As palavras de Juca não mudariam simplesmente pelo fato de Kaká não saber que ele é ateu. Supostamente, Kaká deveria considerar as palavras do jornalista ofensivas do mesmo jeito certo ? Errado.

    A questão aqui é: teria Kaká acusado Juca mesmo se não soubesse que o jornalista é ateu ?

    Talvez o preconceito não seja inteiramente de Juca.

    ResponderExcluir
  2. blz até aí tudo bem.. mas que todo ateu se sente o dono da razão e menospreza quem acredita em deus, tbm é verdade ;P

    ResponderExcluir
  3. Assim como todo "religioso" acha que o ateu é iludido e um dia vai ver a "verdade de deus". A diferença que o ateu não tem lei pra apelar quando se sente ofendido.

    ResponderExcluir
  4. O problema do Kaká é a pastora, vai dar cabo dele.

    ResponderExcluir
  5. Neopentecostalismo não é religião, é crime, coação, safadeza... http://tsavkko.blogspot.com/2010/04/fobia-neopentecostal-e-o-dia-d-de.html

    ResponderExcluir
  6. por que será que todo evangélico que sofre crítica acha sempre que está sendo perseguido???

    ResponderExcluir
  7. kaká dou teu dinheirinho para a renascer que eles sabem gastar mais o teu dinheiro do que vc.
    kaká é mais um desses doentes que vivem pensando em magoar as pessoas,principalmente a queles que não concordam com a opinião dele!

    ResponderExcluir
  8. Profissionalismo não tem nada a ver com religião .Deus é Deus ,jogo é jogo afff

    ResponderExcluir
  9. Jesus é inacessível ao mal .....

    ResponderExcluir
  10. Tentei, por três vezes, postar o comentário do Professor Doutor Kfouri diagnosticando o estado demencial da mulher do Kaká e informei a fonte.
    Estranhamente, o texto, que mostra o completo desrespeito demonstrado pelo famigerado psiquiatra e jornalista afirmando que a “... ENLOUQUECIDA PASTORA CASADA COM KAKÁ, UMA MOCINHA FANÁTICA, FUNDAMENTALISTA OU ESPERTA DEMAIS PARA TENTAR NOS CONVENCER QUE FOI DEUS QUEM PÔS DINHEIRO NO REAL MADRID PARA CONTRATAR SEU JOVEM MARIDO EM PLENA CRISE MUNDIAL” não foi mostrado.
    Não gosto de papa, padre, bispo, pastor, pai-de-santo e gosto muito menos de outros pseudos gurus intolerantes como o escriba imbecil que atacou, gratuitamente, o famoso jogador de futebol.

    ResponderExcluir
  11. kaka é muito novo acredito em tudo joga dinheiro fora para as igrejas um dia ele acorda,não é a igreja que faz bem para ele e sim sua mente

    ResponderExcluir
  12. Trabalho Sujo

    É evidente que jornalistas inescrupulosos usam os meios de comunicação para fazer proselitismo, dar bordoadas a torto e a direito e abalar a reputação pessoal e/ou profissional dos seus desafetos.

    Os patéticos jornalistas esportivos, detonando incontinentemente os treinadores, atletas e dirigentes que contrariam ou não são simpáticos ao projeto editorial e político da sua empresa, constituem um caso à parte.

    Eles, jornalistas, formam um exército de zumbis unidos no “efeito manada” e disseminando o pensamento único na defesa intransigente de interesses econômicos escusos camuflados em jornalismo independente ou escancaradamente parcial e mal intencionado.

    A contundência da artilharia pesada dos frustrados profissionais da imprensa esportiva e dos paparazzos do circo da encenação e das futilidades está atingindo o ponto de saturação.

    Em busca de uma foto, para revelar uma situação constrangedora ou de fragilidade do seu alvo indefeso, os gângsteres das redações mostram o lado negro da comunicação dirigida às massas que, na maioria das vezes, busca apenas o entretenimento sem a pretensão de estabelecer julgamentos precipitados que podem ser, ardilosamente, bem fundamentados sobre as diversas facetas do nosso cotidiano.

    ResponderExcluir
  13. Cala a Boca

    Depois do espetacular sucesso da campanha “CALA A BOCA GALVÃO”, a do “CALA A BOCA CAGÃO” ou a do “VÁ PRA CASA BUNDÃO” podem “causar” na rede mundial

    ResponderExcluir
  14. A Mídia

    A mídia é igualzinha
    À língua da vizinha
    A mídia é igualzinha
    À língua da vizinha
    La mídia, la média, la moda
    A mídia é quem lidera
    Libera na maior
    Sexo, drogas e rock’n roll
    E eu não sou pau mandado
    Sei o que quero
    E aonde vou

    trecho da composição de Galvão, Peu Sousa e Pepeu Gomes – 1997

    ResponderExcluir
  15. O kaká não fez nada demais apenas defendeu um direito que todos termos de liberdade religiosa assim como o jornalista tém e a questão dele ser ateu o não não tém nada á ver as palavras é que pesa quando falarmos, e se colocarmos p/ fora é porque dentro está cheio.

    ResponderExcluir
  16. Não pretendo alterar a fé e nem as crenças de ninguém . Primeiro , porque não sou pastor , nem rabino , nem sacerdote e nem o Anticristo profetizado; segundo , porque a vida me ensinou que com alcoolistas, religiosos e políticos o diálogo é impossível . Prefiro, desde o alto de minha plataforma , ficar assistindo essa vil canalhice religiosa que segue ( com a cumplicidade dos governos , dos exércitos , da mídia , das universidades e até das putas) contaminando crianças , mulheres , velhos e todos os tipos de otários inclusive o Kaka. Quando me falta o ar e preciso purificar-me de toda essa baboseira infecta , recito as 14 palavras do velho Proudhon: "Os que me falam de religião querem meu dinheiro ( que não é muito ) ou minha liberdade ( que é inegociável )" Amém !

    ResponderExcluir
  17. [b]enquanto todos discutem kaka ta rachando d ganhar dinheiro e fazendo o q gosta,jogando...acho q este jornalista q o nome, nem faço questão de saber,tem q procurar outro jeito de crescer e largar do saco do kaka.kaka é um exemplo em campo a ser seguido, ele é cristão e ser cristão não tem nada a ver com religião...além d tudo joga muito.parabéns kaka.

    ResponderExcluir
  18. Ser cristão não tem nada a ver com religião??

    Geesus, me amarrota que eu tô passada! o_õ

    ResponderExcluir
  19. Com todo respeito à sua opinião Christian, acredito que houve uma inversão de papéis em seu comentário.
    Vi a entrevista de Kaká, e a percepção dele quanto à perseguição supostamente sofrida, não é baseada em um fato isolado, mas sobre sucessivas manifestações do tal jornalista a seu respeito que iam muito além de seu desempenho como jogador, mas tinham o objetivo de ridiculariza-lo por ter escolhido seguir a Jesus, ainda que isso incomode a maior parte dos jornalistas, torcedores... As pessoas preferem os bad boys. Os certinhos incomodam, e os incomodados ficam só esperando um pequeno deslize para apontar o dedo para eles, acusando-os.
    Tanto que só por o Kaká ter pedido para que o jornalista o respeitasse nessa entrevista, li em um jornal que "Kaká não está disposto a dar o outro lado da face", sugerindo que ele não era tão fiel assim aos mandamentos de Cristo. O que é de uma imbecilidade e hipocrisia sem tamanho!
    Concluindo, Kaká teria motivos para dizer isso caso o tal jornalista desse a ele um tratamento igual ao dos outros jogadores?!

    Shirley

    ResponderExcluir
  20. Gostaria muito que isso acabasse , nesses comentários os religiosos protegem a si mesmo assim como os ateus .
    Mesmo sendo eu religioso não posso julgar o jornalista , não quero que os ateus se converta nem que os religiosos julguem os ateu.
    Só quero paz.

    ResponderExcluir
  21. Ah tá bom...Quer dizer que só eles podem discriminar quem quer que seja?

    ResponderExcluir
  22. Outra, só por ser evangélico ele se julga melhor que os outros.E quem disse que Kaká é certinho?

    ResponderExcluir
  23. Religiao nao se discute. Acho o kaka um examplo de vida, nao POR ser religioso mas pelo seus valores morais. Concordo com os ateus QUE muitos evangelicos gostam de criticar aqueles QUE nao acreditam em jesus. Mas mutos criticam pessoas como o kaka. O brasileiro eh muito atrasado, nao entende e nao respeitam aqueles com opinioes diferentes.

    ResponderExcluir
  24. eu achoo seguite kaká pos deus siim no meio pq deus sempre vai tar no meio de todos pq ele que deu a inteligencia e sabedoria o dom desse esselente jogador entao acho que kaká esta certo e se el da dinheito ou nao a igreja é assunto dele porque ele PODE. Agora esse ateu que nem acredita em deus prefere acrditar em uma coisa de maderia pintada e diz que é santo e assunto dele tb temos que respeitar uns aos outros

    ResponderExcluir

Postar um comentário


EDITOR DESTE SITE

Paulo Roberto Lopes é jornalista

profissional diplomado. Trabalhou

no jornal centenário abolicionista

Diario Popular, Folha de S.Paulo,

revistas da Editora Abril e

em outras publicações.

Contato