Entidade reage à oficialização da frei Caneca em rua gay

rua_freiCaneca

Moradores na Frei Caneca (foto), de São Paulo, estão se mobilizando para impedir que a Câmara dos Vereadores dê como oficial o local como a rua gay da cidade. A designação seria apenas temática, porque a rua não mudaria de nome.

A iniciativa de obter o reconhecimento formal de que a Caneca é a rua gay da cidade é de Douglas Drumond (foto), empresário e militante GLS (Gays, Lésbicas e Simpatizantes).

Douglas argumenta que, queira-se ou não, o local já é um point e endereço residencial de homossexuais. A oficialização, segundo ele, atrairia para a Caneca mais lojas de produtos gays e a rua passaria a ser visitada por homossexuais de todo o país. Seria mais uma atração turística de São Paulo.

O projeto que ele enviou aos vereadores prevê o alargamento das calçadas e mudança na iluminação, com alusão ao arco-íris, que é o símbolo GLS.

Depois que Drumond deu entrevista à televisão defendendo o projeto, integrantes da Samorcc (Sociedade dos Amigos e Moradores do Bairro de Cerqueira César) reuniram-se às pressas para se opor à idéia.
Célia Marcondes Smith, a advogado da Samorcc, argumenta que a rua não pode se tornar um gueto e tem de continuar a ser de todos. “A Caneca é uma rua de família e nela há uma igreja de cem anos.”

As reuniões da sociedade têm sido na igreja, que fica ao lado da recém criada Associação GLS Casarão Brasil, cujo presidente é o Drumond.

Embora ceda uma sala para as reuniões da sociedade, o padre do bairro não fala à imprensa sobre o assunto.

Alguns gays afirmam que o padre não deveria tomar partido. “Também somos filhos de Deus”, diz um deles. “Será que também poderemos ter reuniões na igreja?”

representantegayDrumond (foto) discorda de que o local vá se tornar em um gueto. Diz que a maioria dos comerciantes do bairro é favorável ao projeto, porque haveria maior movimentação de clientes. Ele até citou o exemplo de um açougueiro que, embora não seja homossexual, quer que a Caneca se assuma como gay, que "saia do armário".

A Câmara Municipal não tem prazo para decidir. Como se trata de um tema polêmico, os vereadores deverão examinar o projeto só depois das eleições deste ano.

O frei que deu o nome à rua foi batizado como Joaquim da Silva Rabelo Caneca. Nasceu em Recife em 1779 e morreu em 1825.

Seu pai, Domingos, era tanoleiro (artesão de tonéis, pipas, barris etc). Ele acrescentou o Caneca ao seu nome por causa do seu ofício.

Quando se ordenou em 1801, Joaquim introduziu ao seu nome Amor Divino. Ficou frei Joaquim do Amor Divino Rabelo Caneca.

Ou seja, a seu favor os gays poderão dizer, com todo respeito, que o frei era um amor.

Casos de homofobia.

Comentários

  1. Nada mais justo ter uma rua gay, quem e contra isso, nao ta deixando de ser preconceituoso, e se e preconceituoso pq visita a rua frei caneca? se ja tem fama de rua gay.

    ResponderExcluir
  2. A rua já é totalmente gay, pra quê rotular?? Era só o que faltava, imagina um ônibus cheio de turistas passando pela "rua gay" e o pessoal olhando como se estivessem num zoológico....gay não é bicho pra servir de atração turística, gay é gente, merece respeito, e não é dessa forma que iremos conquistá-lo.

    ResponderExcluir
  3. eu moro na rua frei caneca há 10 anos.Sou contra essa oficialização de rua gay. Os próprios gays que moram na rua são contra. Nós trabalhamos durante o dia e precisamos de paz a noite para descansar. Nós não queremos ser vistos como seres diferentes, não queremos que `turistas´ venham nos ver. Isto não é zoológico. Aqui moram pessoas normais. A opção sexual não nos torna diferentes de ninguém. Isto só interessa a comerciantes que veêm nisto um novo filão para ganhar dinheiro.

    ResponderExcluir
  4. Não existe nada pior do que minorias neuróticas-xiitas. Esse pessoal GLS é composto por pessoas superficiais e fúteis. Qual é a importancia de uma rua Gay? Porque esse Drumond que deve ser um gayzinho tré-lé-lé não vai procurar alguma coisa útil para fazer? Eu moro na rua Frei Caneca e não me importo com a viadagem, mas se meu imóvel desvalorizar? quem paga a conta?

    ResponderExcluir
  5. Discordo, o pessoal dos movimentos GLS é sério, o que não quer dizer que eu concorde com tudo o que fazem. Rua gay é uma coisa absurda, rua não tem orientação sexual, uma rua é um bem público, e não deve ser rotulada por ser mais usada por um grupo específico de pessoas, isso abre um precedente grave. Se todos temos direitos iguais, então isto abre o precedente para a rua dos brancos, a rua dos católicos, a rua dos comunistas, a rua dos nudistas. O pessoal do movimento GLS devia reconsiderar, a idéia pode ser engraçada e até inocente, mas o precedente não é. E é importante ter em conta que discriminar é exatamente isso : reparar na diferença. Se um dado território é marcado como 'gay', isso também é discriminação, e curiosamente promovida pelo próprio movimento GLS. E concordo com todas as críticas anteriores relativas ao problema do 'zoológico'. Se existe uma rua gay, então podem contar com a visita de umas excursões turísticas cheias de curiosos na esperança de fotografarem um veado em estado selvagem :D É isso que o movimento GLS quer ? Visibilidade à custa da sua própria reputação de seriedade ?

    ResponderExcluir
  6. O gay precisa entender que é um homem como outro qualquer, com a diferença de que o que faz na cama não precisa ser da conta de ninguém.Nem moro em Sampa para comentar, mas uma rua é bem público e é de todos. O gay que tanto briga pela não discriminação está com essa atitute discriminado. Igualdade é para todos e quem mora nessa rua não vai querer que se transforme em Rego Freitas que é das travecas e que se tornou lugar perigoso e antro de marginas. Gayzada, vamos por os gays do lado bom da vida. Guetos é coisa de passado. No Brasil se convive com diversidade cultural e é exemplo para o mundo. Não deivem que diferenças te ponham de lado. Estar juntos e se respeitar é sim exercício da cidadania.

    ResponderExcluir
  7. Acho que a rua deveria continuar a ter o mesmo nome,que tenha gays nao importa mas que o projeto va em frente é otimo,pois ira valorizar os imovéis do bairro.

    ResponderExcluir
  8. Ola Pessoal!
    Sao Paulo tem a maior parada gay do mundo e na hora do "carnaval" todos vao apreciar sejam gays ou nao. Uma rua e vizinhanca que possua a sua maioria gay e seja designada uma area gay na Cidade de Sao Paulo seria nao apenas um privilegio aos gays como tambem aos heterosexuais que respeitam as pessoas independente de religao ou opcao sexual.
    Eu moro em Toronto - ON - Canada e aqui a rua dos GLST e' a Church St. ou seja traduzindo "Rua da Igreja". Alem de uma vizinhanca requintada e de bom gosto e' uma rua visitadas por todos e nela nao so' moram GLST, mas pessoas normais.
    Chega de falso moralismo e viva a verdadeira democracia com respeito aos direitos individuais.
    Eu amo SP e o Brazil e precisamos ser mais abertos a nossa diversidade e respeitar a todos nao importa se voce e' catolico, evangelico, judeu, mulcumamo ou agnostico. Eu espero que nao so essa comunidade tenha uma rua, mas seus direitos respeitados.
    Obrigado a Cidade de Sao Paulo por essa iniciativa e um abraco a todos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

-------- Busca neste site