Notas de um ateu: vídeo mostra pai com Alá no coração em ação


video


O que se pode dizer do vídeo acima que mostra um pai (suponho) muçulmano ensinando o be-a-bá a seu filho?

Algumas coisas.

Vejamos.

Apesar da violência covarde com que castiga o menino, o pai acha que está sendo bondoso porque o filho precisa aprender a ler, para, principalmente, ter acesso ao Corão.

Ler o Corão é essencial para que um muçulmano tente obter uma vaga no paraíso, e todo pai quer que seu filho vá para Deus.

Ainda assim, o vídeo choca.

A cada golpe que leva, o menino expressa dor e horror.

Pelos dogmas do Islã, tudo bem, porque — como outras duas grandes crenças monoteístas — prega o sofrimento com o caminho mais curto para se chegar a Deus.

Claro, pais “laicos”, por assim dizer, também batem em seus filhos, mas somente a agressão dos religiosos, nesse caso, tem a chancela de um ser divino.

No caso do muçulmano do vídeo, ele sabe que está liberado para bater com força no seu filho porque isso não o levará para o inferno.

Alá é assim: transforma as pessoas em perversas para que elas sejam... boas.

No vídeo, também me chama a atenção a varinha com a qual o pai açoita o filho.

O deus dos monoteístas gosta de recomendar a vara como instrumento de castigo.

Alá, por exemplo, autoriza que o marido bata com uma varinha em sua mulher, mas não com muita força, para não deixar marcas.

A Bíblia, em Provérbios 23:13,14, diz algo parecido em relação aos filhos.

Afirma que o pai pode disciplinar a vara o filho, e nem por isso este morrerá, esclarece.

“Estupra, mas não mata”, como já disse Paulo Maluf, que poderia ter sido um bom tradutor da Bíblia.

Tenho a impressão de que aquela vara do vídeo ainda terá muitos anos de utilidade.

Daqui a algum tempo, quando o menino se tornar adulto, ele estará usando a mesma vara para açoitar o seu filho.

Amor de pai com Alá no coração
Envio de correção.


Doze destaques sobre como o Islã reduz as mulheres a nada

Notas de um ateu.